Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 23 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

Jesus prega nas cidades

1Quando Jesus acabou de dar estas instruções a seus doze discípulos, saiu dali para ir ensinar e pregar nas cidades deles.

Os mensageiros de João Batista

Lc 7.18-35

2Quando João, no cárcere, ouviu falar das obras de Cristo, mandou que seus discípulos fossem perguntar:

3— Você é aquele que estava para vir ou devemos esperar outro?

4Então Jesus lhes respondeu:

— Voltem e anunciem a João o que estão ouvindo e vendo: 5os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados e aos pobres está sendo pregado o evangelho. 6E bem-aventurado é aquele que não achar em mim motivo de tropeço.

7Quando os discípulos de João foram embora, Jesus começou a dizer ao povo a respeito de João:

— O que vocês foram ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? 8O que vocês foram ver? Um homem vestido de roupas finas? Os que vestem roupas finas moram nos palácios reais. 9Sim, o que foram ver? Um profeta? Sim, eu lhes digo, e muito mais do que um profeta. 10Este é aquele de quem está escrito:

“Eis que eu envio adiante de você

o meu mensageiro,

que preparará o caminho

diante de você.”

11— Em verdade lhes digo: entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Batista; mas o menor no Reino dos Céus é maior do que ele. 12Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos Céus sofre violência, e os que usam de força se apoderam dele. 13Porque todos os Profetas e a Lei profetizaram até João. 14E, se vocês o querem reconhecer, ele mesmo é Elias, que estava para vir. 15Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

16— Mas a que compararei esta geração? É semelhante a meninos que, sentados nas praças, gritam aos companheiros:

17“Nós tocamos flauta,

mas vocês não dançaram;

entoamos lamentações,

mas vocês não prantearam.”

18— Pois veio João, que não comia nem bebia, e as pessoas dizem: “Ele tem demônio!” 19Veio o Filho do Homem, comendo e bebendo, e as pessoas dizem: “Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores!” Mas a sabedoria é justificada por suas obras.

Ai das cidades impenitentes!

Lc 10.13-15

20Então Jesus começou a repreender as cidades nas quais ele tinha feito muitos milagres, pelo fato de não terem se arrependido:

21— Ai de você, Corazim! Ai de você, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que foram feitos em vocês, há muito que elas teriam se arrependido com pano de saco e cinza. 22Mas eu digo a vocês que, no Dia do Juízo, haverá menos rigor para Tiro e Sidom do que para vocês.

23— E você, Cafarnaum, pensa que será elevada até o céu? Será jogada no inferno! Porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que foram feitos em você, ela teria permanecido até o dia de hoje. 24Mas eu digo a vocês que, no Dia do Juízo, haverá menos rigor para a terra de Sodoma do que para você.

Jesus, Salvador dos humildes

Lc 10.21-22

25Por aquele tempo, Jesus exclamou:

— Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

Venham a mim

28— Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados, e eu os aliviarei. 29Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, porque sou manso e humilde de coração; e vocês acharão descanso para a sua alma. 30Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.

Mateus 11NAAAbrir na Bíblia

A lei a respeito do leproso depois de sarado

1O Senhor disse a Moisés:

2— Esta será a lei a respeito do leproso no dia da sua purificação: o leproso será levado ao sacerdote; 3este sairá fora do arraial e o examinará. Se a praga da lepra estiver curada, 4o sacerdote mandará trazer, para aquele que se houver de purificar, duas aves vivas e puras, madeira de cedro, pano escarlate e hissopo. 5O sacerdote mandará que se mate uma das aves num vaso de barro, sobre águas correntes. 6Depois o sacerdote pegará a ave que ficou viva, a madeira de cedro, o pano escarlate e o hissopo e os molhará no sangue da ave que foi morta sobre as águas correntes. 7E aspergirá sete vezes sobre aquele que há de purificar-se da lepra; então o declarará puro e soltará a ave que ficou viva para o campo aberto. 8Aquele que tem de se purificar lavará as suas roupas, rapará todos os seus pelos, se banhará com água e estará puro; depois, entrará no arraial, porém ficará fora da sua tenda por sete dias. 9No sétimo dia, rapará todo o seu cabelo, a cabeça, a barba e as sobrancelhas; rapará todos os pelos, lavará as suas roupas, banhará o corpo com água e estará puro.

10— No oitavo dia, pegará dois cordeiros sem defeito, uma cordeira sem defeito, de um ano, seis litros da melhor farinha, para oferta de cereais, amassada com azeite, e separadamente um copo de azeite. 11O sacerdote que faz a purificação apresentará o homem que houver de purificar-se e essas coisas diante do Senhor, à porta da tenda do encontro; 12pegará um dos cordeiros e o oferecerá por oferta pela culpa juntamente com o copo de azeite; e os moverá por oferta movida diante do Senhor. 13Depois matará o cordeiro no lugar onde são mortos os animais da oferta pelo pecado e do holocausto, no lugar santo; porque tanto a oferta pela culpa como a oferta pelo pecado são para o sacerdote; são coisas santíssimas. 14O sacerdote pegará um pouco do sangue da oferta pela culpa e o porá sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, sobre o polegar da sua mão direita e sobre o polegar do seu pé direito. 15Também pegará o copo de azeite e derramará um pouco na palma da própria mão esquerda. 16Molhará o dedo direito no azeite que está na mão esquerda e daquele azeite aspergirá, com o dedo, sete vezes diante do Senhor; 17do restante do azeite que está na mão, o sacerdote porá um pouco sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, sobre o polegar da sua mão direita e sobre o polegar do seu pé direito, em cima do sangue da oferta pela culpa. 18O restante do azeite que está na mão do sacerdote ele porá sobre a cabeça daquele que tem de purificar-se; assim, o sacerdote fará expiação por ele diante do Senhor.

19— Então o sacerdote fará a oferta pelo pecado e fará expiação por aquele que tem de purificar-se da sua impureza. Depois, matará o animal do holocausto 20e o oferecerá com a oferta de cereais sobre o altar; assim, o sacerdote fará expiação pelo homem, e este ficará puro. 21Se for pobre, e as suas posses não lhe permitirem trazer tanto, pegará um cordeiro para oferta pela culpa como oferta movida, para fazer expiação por ele, e dois litros da melhor farinha, amassada com azeite, para oferta de cereais, um copo de azeite, 22duas rolinhas ou dois pombinhos, segundo as suas posses, dos quais um será para oferta pelo pecado, e o outro, para holocausto. 23No oitavo dia da sua purificação, trará isso ao sacerdote, à porta da tenda do encontro, diante do Senhor. 24O sacerdote pegará o cordeiro da oferta pela culpa e o copo de azeite e os moverá por oferta movida diante do Senhor. 25Então o sacerdote matará o cordeiro da oferta pela culpa, pegará um pouco do sangue da oferta pela culpa e o porá sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, sobre o polegar da sua mão direita e sobre o polegar do seu pé direito. 26Derramará um pouco do azeite na palma da própria mão esquerda; 27e, com o dedo direito, aspergirá do azeite que está na sua mão esquerda sete vezes diante do Senhor. 28Então, do azeite que está na sua mão, o sacerdote porá um pouco na ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, no polegar da sua mão direita e no polegar do seu pé direito, por cima do sangue da oferta pela culpa. 29O restante do azeite que está na mão do sacerdote ele porá sobre a cabeça do que tem de purificar-se, para fazer expiação por ele diante do Senhor. 30Oferecerá uma das rolinhas ou um dos pombinhos, segundo as suas posses; 31será um para oferta pelo pecado, e o outro, para holocausto, além da oferta de cereais; e, assim, o sacerdote fará expiação por aquele que tem de purificar-se diante do Senhor. 32Esta é a lei a respeito daquele em quem está a praga da lepra, cujas posses não lhe permitem o que é preciso para a sua purificação.

A lei a respeito do mofo numa casa

33O Senhor disse a Moisés e a Arão:

34— Quando vocês entrarem na terra de Canaã, que lhes darei por herança, e eu enviar a praga do mofo a alguma casa da terra que vocês passarão a possuir, 35o dono da casa fará saber ao sacerdote, dizendo: “Parece-me que existe algo como que uma praga em minha casa.” 36O sacerdote ordenará que se esvazie a casa, antes que venha para examinar a praga, para que não seja contaminado tudo o que está na casa. Depois o sacerdote virá para examinar a casa 37e examinará a praga. Se, nas paredes da casa, há manchas esverdeadas ou avermelhadas e parecem mais fundas que a parede, 38então o sacerdote sairá da casa e a fechará por sete dias. 39No sétimo dia, o sacerdote voltará e examinará a casa. Se notar que a praga se alastrou nas paredes da casa, 40ele ordenará que arranquem as pedras em que estiver a praga e que as lancem fora da cidade num lugar impuro; 41e fará raspar a casa por dentro, ao redor, e o pó que houverem raspado lançarão, fora da cidade, num lugar impuro. 42Depois pegarão outras pedras e as colocarão no lugar das primeiras; e rebocarão a casa com outra argamassa.

43— Se a praga tornar a brotar na casa, depois de arrancadas as pedras, raspada a casa e de novo rebocada, 44então o sacerdote entrará e examinará. Se a praga tiver se alastrado pela casa, há nela mofo que se espalha; está impura. 45O sacerdote mandará derrubar a casa, as pedras e a sua madeira, bem como todo o reboco da casa; e se levará tudo para fora da cidade, a um lugar impuro. 46Aquele que entrar na casa, enquanto está fechada, ficará impuro até a tarde. 47Também o que se deitar na casa terá de lavar as suas roupas; e quem nela comer terá de lavar as suas roupas.

48— Porém, se o sacerdote entrar na casa, e, examinando, verificar que a praga não se alastrou pela casa, depois que ela foi rebocada, o sacerdote a declarará pura, porque a praga está curada. 49Para purificar a casa, pegará duas aves, madeira de cedro, pano escarlate e hissopo, 50e matará uma ave num vaso de barro sobre águas correntes. 51Depois, pegará a madeira de cedro, o hissopo, o pano escarlate e a ave que ficou viva, os molhará no sangue da ave que foi morta e nas águas correntes e aspergirá a casa sete vezes. 52Assim, purificará aquela casa com o sangue da ave, com as águas correntes, com a ave que ficou viva, com a madeira de cedro, com o hissopo e com o pano escarlate. 53Então soltará a ave que ficou viva para fora da cidade, para o campo aberto; assim, fará expiação pela casa, e ficará pura.

54Esta é a lei para todos os tipos de praga de lepra, de micose, 55de mofo das roupas e das casas, 56da inchação, da pústula e das manchas lustrosas, 57para ensinar quando alguma coisa é pura ou impura. Esta é a lei a respeito da lepra.

Levítico 14NAAAbrir na Bíblia

Relações ilícitas

1O Senhor disse a Moisés:

2— Fale aos filhos de Israel e diga-lhes: Eu sou o Senhor, o Deus de vocês. 3Não façam como se faz na terra do Egito, onde vocês moraram, nem façam como se faz na terra de Canaã, para onde eu os estou levando. Não andem segundo os estatutos desses povos. 4Cumpram os meus juízos e guardem os meus estatutos, para andarem neles. Eu sou o Senhor, o Deus de vocês. 5Portanto, guardem os meus estatutos e os meus juízos. Aquele que os cumprir, por eles viverá. Eu sou o Senhor.

6— Nenhum homem se aproximará de qualquer parenta próxima, para ter relações sexuais com ela. Eu sou o Senhor. 7Não envergonhe o seu pai, tendo relações com a própria mãe. Ela é a sua mãe; não tenha relações com ela. 8Não tenha relações com a mulher de seu pai; este é um direito que somente o seu pai tem. 9Não tenha relações com a sua irmã, filha de seu pai ou filha de sua mãe, nascida em casa ou fora de casa. 10Não tenha relações com a filha do seu filho ou com a filha de sua filha; não faça isso, porque seria uma vergonha para você. 11Não tenha relações com a filha da mulher de seu pai, gerada por seu pai; ela é a sua irmã. 12Não tenha relações com a irmã do seu pai; ela é parenta de seu pai. 13Não tenha relações com a irmã de sua mãe, pois ela é parenta de sua mãe. 14Não envergonhe o irmão de seu pai, tendo relações com a mulher dele; ela é a sua tia. 15Não tenha relações com a sua nora; ela é a mulher de seu filho; não tenha relações com ela. 16Não tenha relações com a mulher de seu irmão; este é um direito que somente o seu irmão tem. 17Não tenha relações com uma mulher e com a filha dela; não tenha relações com a filha do filho dela, nem com a filha da filha dela; são parentes; é perversidade. 18E não case com a irmã de sua mulher, de modo que se torne rival dela, nem tenha relações com a outra, enquanto a sua mulher estiver viva.

19— Não se aproxime da mulher, para ter relações com ela, durante a sua menstruação. 20Nem se deite com a mulher do seu próximo, para ter relações sexuais, porque isso torna você impuro. 21E não entregue nenhum dos seus descendentes para que se dedique a Moloque. Não profane o nome do seu Deus. Eu sou o Senhor.

22— Não se deite com outro homem para ter relações com ele como se fosse mulher; é abominação. 23Nem tenha relações com um animal, para se contaminar com ele; e também a mulher não se porá diante de um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão.

24— Não se contaminem com nenhuma destas coisas, porque com todas estas coisas se contaminaram as nações que eu vou expulsar da presença de vocês. 25A terra se contaminou; eu a castiguei por sua iniquidade, e ela vomitou os seus moradores. 26Vocês, porém, guardarão os meus estatutos e os meus juízos, e não farão nenhuma dessas abominações, nem o natural da terra, nem o estrangeiro que peregrina entre vocês. 27Porque os moradores desta terra que nela estavam antes de vocês fizeram todas essas abominações, e a terra se contaminou. 28Que não aconteça que a terra vomite vocês também, por terem se contaminado, como vomitou o povo que nela estava antes de vocês. 29Todo aquele que fizer alguma dessas abominações, sim, aqueles que as cometerem serão eliminados do seu povo.

30— Portanto, vocês devem guardar a obrigação que têm para comigo, não praticando nenhum dos costumes abomináveis que foram praticados antes de vocês, e não se contaminem com eles. Eu sou o Senhor, o Deus de vocês.

Levítico 18NAAAbrir na Bíblia

O tolo

1Como a neve no verão

e como a chuva

no tempo da colheita,

assim a honra

não fica bem a um tolo.

2Como o pássaro que foge

e como a andorinha no seu voo,

assim a maldição sem motivo

não se cumpre.

3O açoite é para o cavalo,

o freio, para o jumento,

e a vara, para as costas dos tolos.

4Não responda ao insensato

segundo a sua tolice,

para que você não se torne

semelhante a ele.

5Responda ao insensato

segundo a sua tolice,

para que ele não seja sábio

aos seus próprios olhos.

6Como cortar os pés e sofrer dano,

assim é mandar mensagens

por meio de um tolo.

7As pernas do coxo

pendem bambas;

assim é o provérbio

na boca dos tolos.

8Como amarrar a pedra na funda,

assim é dar honra a um tolo.

9Como o espinho que entra

na mão de um bêbado,

assim é o provérbio

na boca dos tolos.

10Como um flecheiro

que fere a todos,

assim é o que contrata os tolos

e os primeiros que passam.

11Como o cão que volta

ao seu próprio vômito,

assim é o insensato

que repete a sua tolice.

12Você viu alguém que é sábio

aos seus próprios olhos?

Há mais esperança para um tolo

do que para ele.

O preguiçoso

13O preguiçoso diz:

“Um leão está no caminho!

Um leão está no meio da rua!”

14A porta gira nas dobradiças;

o preguiçoso se vira na cama.

15O preguiçoso

põe a mão no prato

e não quer ter o trabalho

de a levar à boca.

16O preguiçoso é mais sábio

aos seus próprios olhos

do que sete homens

que sabem responder bem.

Outros provérbios

17Quem se mete

na discussão dos outros

é como aquele

que pega pelas orelhas

um cão que vai passando.

18Como o louco que lança

fogo, flechas e morte,

19assim é aquele que engana

o seu próximo

e diz: “Fiz isso por brincadeira.”

20Sem lenha, o fogo se apaga;

e, não havendo difamador,

cessa a discórdia.

21O que o carvão é para as brasas

e a lenha é para o fogo,

o briguento é para acender

uma discussão.

22As palavras do difamador

são comida fina,

que desce para o mais interior

do ventre.

23Como vaso de barro

coberto de prata,

assim são os lábios amorosos

e o coração mau.

24Quem odeia

dissimula com os lábios,

mas no seu íntimo

esconde a falsidade;

25quando ele vier

com palavras suaves,

não acredite nele,

porque tem sete abominações

em seu coração.

26Ainda que o seu ódio se encubra

com falsidade,

a sua maldade será exposta

aos olhos de todos.

27Quem abre uma cova

acaba caindo nela;

e a pedra rolará sobre quem

a pôs em movimento.

28A língua falsa odeia

aqueles a quem engana,

e a boca lisonjeira é causa de ruína.

Provérbios 26NAAAbrir na Bíblia

1Os ímpios fogem, mesmo quando

ninguém os persegue,

mas o justo é corajoso

como o leão.

2Por causa da transgressão

da terra,

mudam-se frequentemente

os príncipes,

mas por um,

sábio e prudente,

a ordem é mantida.

3O pobre que oprime os pobres

é como chuva torrencial

que destrói as colheitas.

4Os que abandonam a lei

elogiam os ímpios,

mas os que guardam a lei

se indignam contra eles.

5Os maus não entendem

o que é justo,

mas os que buscam o Senhor

entendem tudo.

6Melhor é o pobre

que anda na sua integridade

do que o perverso,

nos seus caminhos,

ainda que seja rico.

7Quem guarda a lei

é filho inteligente,

mas o companheiro dos comilões

envergonha o seu pai.

8Quem aumenta os seus bens

com juros e ganância

ajunta-os para o que se compadece

dos pobres.

9Quem desvia os ouvidos

de ouvir a lei,

até a sua oração será abominável.

10Quem desvia os retos

para o mau caminho,

ele mesmo cairá na cova que fez;

mas os íntegros herdarão o bem.

11O homem rico é sábio

aos seus próprios olhos;

mas o pobre que é sábio

o conhece muito bem.

12Quando os justos triunfam,

há grande alegria;

mas, quando os maus se levantam,

as pessoas se escondem.

13Quem encobre

as suas transgressões

jamais prosperará;

mas o que as confessa e abandona

alcançará misericórdia.

14Feliz é aquele que sempre

teme o Senhor;

mas o que endurece o seu coração

cairá na desgraça.

15Como leão que ruge

e urso que ataca,

assim é o ímpio que domina

sobre um povo pobre.

16O príncipe sem juízo

aumenta a opressão,

mas o que odeia a avareza

viverá muitos anos.

17O assassino carregado de culpa

fugirá até a cova;

que ninguém o detenha!

18Quem anda em integridade

será salvo,

mas o perverso em seus caminhos

cairá logo.

19O que lavra a sua terra

terá pão em abundância,

mas quem corre atrás

de coisas sem valor

se fartará de pobreza.

20O homem fiel será

cumulado de bênçãos,

mas quem tem pressa

de enriquecer

não ficará sem castigo.

21Parcialidade não é bom,

porque uma pessoa

é capaz de transgredir

até por um bocado de pão.

22O ganancioso corre

atrás das riquezas,

mas não sabe que a pobreza

há de vir sobre ele.

23Quem repreende alguém

achará depois mais favor

do que aquele que só lisonjeia.

24Quem rouba o seu pai

ou a sua mãe

e diz: “Não é pecado”,

esse é companheiro do destruidor.

25O cobiçoso provoca discórdias,

mas o que confia no Senhor

prosperará.

26Quem confia

no seu próprio coração é tolo,

mas o que anda em sabedoria

será salvo.

27Quem dá aos pobres

não passará necessidade,

mas o que fecha os olhos para eles

será coberto de maldições.

28Quando os maus se levantam,

as pessoas se escondem,

mas, quando eles perecem,

os justos se multiplicam.

Provérbios 28NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.15
SIGA A SBB: