Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 98 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

A parábola das duas águias e da videira

1A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

2— Filho do homem, proponha um enigma e apresente uma parábola à casa de Israel. 3Diga: Assim diz o Senhor Deus:

“Uma grande águia,

de grandes asas,

de comprida plumagem,

cheia de penas de várias cores,

veio ao Líbano e levou

a ponta de um cedro.

4Arrancou a ponta mais alta

dos seus ramos

e a levou para uma terra

de negociantes;

na cidade de mercadores,

a deixou.

5Depois, pegou

uma semente da terra

e a plantou num campo fértil;

pegou-a e a plantou

junto às muitas águas,

como se fosse um salgueiro.

6Ela cresceu

e se tornou uma videira

de pouca altura, mas esparramada,

com os ramos virados para a águia

e as raízes debaixo dela.

Assim, ela se tornou uma videira,

e produzia ramos,

e lançava renovos.”

7“Houve outra grande águia,

de grandes asas e de muitas penas.

E eis que a videira lançou

as suas raízes

na direção dessa águia

e estendeu para ela os seus ramos,

desde o lugar

onde estava plantada,

para que a regasse.

8Ela estava plantada em boa terra,

junto a muitas águas,

para produzir ramos,

dar frutos e ser excelente videira.”

9— Diga: Assim diz o Senhor Deus:

“Será que ela vai prosperar?

Será que a primeira águia

não lhe arrancará as raízes

e não cortará o seu fruto,

para que se sequem todas as folhas

de seus renovos?

Não será necessária muita força

nem muita gente

para arrancá-la pelas raízes.

10Mas, mesmo que esteja

plantada,

será que vai prosperar?

Será que não vai

secar completamente

quando o vento leste tocar nela?

No lugar onde está plantada,

secará.”

11Então a palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

12— Pergunte agora à casa rebelde: Será que vocês não sabem o que significa isso? Diga: Eis que o rei da Babilônia veio a Jerusalém, pegou o seu rei e os seus príncipes e os levou consigo para a Babilônia. 13Escolheu um membro da família real, fez aliança com ele e tomou dele juramento. Levou os poderosos da terra, 14para que o reino ficasse humilhado e não se levantasse, mas, guardando a sua aliança, pudesse subsistir. 15Mas ele se rebelou contra o rei da Babilônia, enviando os seus mensageiros ao Egito, para conseguir cavalos e um grande exército. Será que prosperará ou conseguirá escapar aquele que faz tais coisas? Poderá quebrar a aliança e escapar?

16— Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, no lugar em que mora o rei que o pôs no trono, cujo juramento desprezou e cuja aliança quebrou, sim, junto dele, no meio da Babilônia será morto. 17Faraó, nem com grande exército, nem com numerosa companhia, o ajudará na guerra, quando rampas e torres de ataque forem levantadas para destruir muitas vidas. 18Ele desprezou o juramento, quebrando a aliança feita com aperto de mão, e praticou todas estas coisas; por isso, não escapará.

19— Portanto, assim diz o Senhor Deus: Tão certo como eu vivo, o meu juramento que ele desprezou e a minha aliança que ele quebrou, isto farei recair sobre a sua cabeça. 20Estenderei sobre ele a minha rede, e ficará preso nas minhas malhas. Eu o levarei para a Babilônia e ali entrarei em juízo com ele por causa da rebeldia que praticou contra mim. 21Todos os seus fugitivos, com todas as suas tropas, cairão à espada, e os que restarem serão espalhados aos quatro ventos. Então vocês saberão que eu, o Senhor, falei.

Uma promessa de restauração

22— Assim diz o Senhor Deus: Também eu pegarei a ponta mais alta de um cedro e a plantarei; do principal dos seus ramos cortarei o renovo mais tenro e eu mesmo o plantarei sobre um monte alto e sublime. 23No monte alto de Israel, o plantarei; ele produzirá ramos, dará frutos e se tornará um cedro excelente. Debaixo dele, viverão pássaros de todo tipo; à sombra dos seus ramos se aninharão aves de toda espécie. 24Todas as árvores do campo saberão que eu, o Senhor, derrubo a árvore alta e elevo a baixa, seco a árvore verde e faço reverdecer a seca. Eu, o Senhor, falei e eu o cumprirei.

Ezequiel 17NAAAbrir na Bíblia

As abominações da casa de Israel depois do êxodo

1No sétimo ano, no quinto mês, aos dez dias do mês, alguns dos anciãos de Israel vieram consultar o Senhor e se assentaram diante de mim. 2Então a palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

3— Filho do homem, fale com os anciãos de Israel e diga-lhes: Assim diz o Senhor Deus: “Por acaso vocês vieram para me consultar? Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, vocês não me consultarão.”

4— Você está pronto para julgá-los, filho do homem? Você está pronto para julgá-los? Mostre-lhes as abominações que os pais deles praticaram 5e diga-lhes: Assim diz o Senhor Deus: “No dia em que escolhi Israel, levantando a mão, jurei à descendência da casa de Jacó e me dei a conhecer a eles na terra do Egito; levantei a mão e jurei, dizendo: ‘Eu sou o Senhor, seu Deus.’ 6Naquele dia, jurei tirá-los da terra do Egito e levá-los para uma terra que lhes tinha previsto, uma terra que mana leite e mel, coroa de todas as terras. 7Então eu lhes disse: ‘Cada um de vocês deve jogar fora as abominações de que se agradam os seus olhos. Não se contaminem com os ídolos do Egito; eu sou o Senhor, seu Deus.’ 8Mas eles se rebelaram contra mim e não quiseram me ouvir. Ninguém jogava fora as abominações de que se agradavam os seus olhos, nem abandonava os ídolos do Egito. Então eu disse que derramaria sobre eles o meu furor, para cumprir a minha ira contra eles, no meio da terra do Egito. 9Mas agi por amor do meu nome, para que não fosse profanado diante das nações no meio das quais eles estavam, diante das quais eu me dei a conhecer a eles, para os tirar da terra do Egito.”

10— “Eu os tirei da terra do Egito e os levei para o deserto. 11Dei-lhes os meus estatutos e lhes fiz conhecer os meus juízos, pelos quais o ser humano viverá, se os cumprir. 12Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que eu sou o Senhor que os santifica. 13Mas a casa de Israel se rebelou contra mim no deserto, não andando nos meus estatutos e rejeitando os meus juízos, pelos quais viverá aquele que os cumprir; e profanaram grandemente os meus sábados. Então eu disse que derramaria sobre eles o meu furor no deserto, para os consumir. 14Mas agi por amor do meu nome, para que não fosse profanado aos olhos das nações diante das quais os tirei do Egito.”

15— “Além disso, no deserto, jurei que não os levaria à terra que lhes tinha dado, uma terra que mana leite e mel, coroa de todas as terras. 16Porque rejeitaram os meus juízos, não andaram nos meus estatutos e profanaram os meus sábados, pois o seu coração se voltava para os seus ídolos. 17Mas os meus olhos tiveram piedade deles e eu não os destruí, nem os consumi totalmente no deserto.”

18— “Então eu disse aos seus filhos no deserto: ‘Não andem nos estatutos de seus pais, nem guardem os seus juízos, nem se contaminem com os seus ídolos. 19Eu sou o Senhor, seu Deus. Andem nos meus estatutos, guardem os meus juízos e coloquem-nos em prática. 20Santifiquem os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vocês, para que saibam que eu sou o Senhor, seu Deus.’ 21Mas também os filhos se rebelaram contra mim e não andaram nos meus estatutos, nem guardaram os meus juízos, pelos quais o ser humano viverá, se os cumprir; pelo contrário, eles profanaram os meus sábados. Então eu disse que derramaria sobre eles o meu furor, para cumprir contra eles a minha ira no deserto. 22Mas contive a minha mão e agi por amor do meu nome, para que não fosse profanado aos olhos das nações diante das quais os tirei do Egito.”

23— “Mais uma vez, no deserto, jurei dispersá-los entre as nações e espalhá-los por outras terras, 24porque não executaram os meus juízos, rejeitaram os meus estatutos, profanaram os meus sábados, e os seus olhos se voltavam para os ídolos de seus pais. 25Por isso também lhes dei estatutos que não eram bons e juízos pelos quais não haviam de viver. 26Permiti que eles se contaminassem com as suas dádivas, como quando queimavam os seus filhos primogênitos. Fiz isso para que ficassem horrorizados e para que soubessem que eu sou o Senhor.”

27— Portanto, fale à casa de Israel, ó filho do homem, e diga-lhes: Assim diz o Senhor Deus: “Ainda nisto os pais de vocês blasfemaram contra mim, na infidelidade que cometeram contra mim: 28quando eu os introduzi na terra que havia jurado dar-lhes, onde quer que viam um monte alto e uma árvore frondosa, aí ofereciam os seus sacrifícios, apresentavam suas ofertas provocantes, punham os seus aromas agradáveis e ofereciam as suas libações. 29Eu lhes perguntei: ‘Que lugar alto é esse, aonde vocês vão?’ Por isso, o seu nome tem sido Lugar Alto até o dia de hoje.”

30— Portanto, diga à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: “Será que vocês não estão se contaminando a exemplo dos pais de vocês, e se prostituindo com as suas abominações? 31Quando oferecem as suas dádivas e queimam os seus filhos como sacrifício, vocês se contaminam com todos os seus ídolos, até o dia de hoje. Será que eu devo deixar que vocês me consultem, ó casa de Israel? Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, vocês não me consultarão. 32O que vocês têm em mente jamais acontecerá, ou seja, isso de dizer: ‘Seremos como as nações, como os povos de outras terras, adorando as árvores e as pedras.’”

Castigo e perdão

33— “Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, hei de reinar sobre vocês com mão poderosa, com braço estendido e derramado furor. 34Vou tirá-los do meio dos povos e congregá-los das terras por onde vocês foram espalhados, com mão forte, com braço estendido e derramado furor. 35Vou levá-los ao deserto dos povos e ali entrarei em juízo com vocês, face a face. 36Como entrei em juízo com os pais de vocês no deserto da terra do Egito, assim entrarei em juízo com vocês”, diz o Senhor Deus. 37“Eu os farei passar debaixo do meu cajado e os farei entrar no vínculo da aliança. 38Tirarei do meio de vocês os rebeldes e os que transgrediram contra mim. Eu os farei sair da terra onde estão morando, mas eles não entrarão na terra de Israel. E vocês saberão que eu sou o Senhor.”

39— “Quanto a vocês, ó casa de Israel, assim diz o Senhor Deus: Que cada um vá e adore os seus ídolos, agora e mais tarde, já que vocês não querem me ouvir! Mas não profanem mais o meu santo nome com as suas dádivas e com os ídolos de vocês. 40Porque no meu santo monte, no monte alto de Israel, diz o Senhor Deus, ali toda a casa de Israel me adorará, toda a casa de Israel, naquela terra. Ali me agradarei deles. Ali requererei as ofertas de vocês, as primícias das dádivas e todas as coisas sagradas. 41Eu me agradarei de vocês como de aroma agradável, quando eu os tirar do meio dos povos e os congregar das terras por onde vocês foram espalhados; e serei santificado diante das nações por meio de vocês. 42Vocês saberão que eu sou o Senhor, quando eu os fizer entrar na terra de Israel, na terra que jurei dar aos pais de vocês. 43Ali, vocês se lembrarão dos seus caminhos e de todas as ações com que se contaminaram e terão nojo de vocês mesmos, por todas as maldades que fizeram. 44Saberão que eu sou o Senhor, quando eu agir com vocês por amor do meu nome, não segundo os seus maus caminhos, nem segundo as suas ações corruptas, ó casa de Israel”, diz o Senhor Deus.

A profecia contra o Sul

45A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

46— Filho do homem, vire o seu rosto para o Sul e fale contra ele. Profetize contra a floresta do campo do Sul 47e diga à floresta do Sul: “Ouça a palavra do Senhor! Assim diz o Senhor Deus: Eis que acenderei em você um fogo que consumirá todas as árvores, tanto as verdes como as secas. A chama desse fogo não se apagará e todos os rostos, desde o Sul até o Norte, se queimarão. 48E todos verão que eu, o Senhor, o acendi; não se apagará.”

49Então eu disse:

— Ah! Senhor Deus! Eles ficam dizendo que eu só sei contar parábolas!

Ezequiel 20NAAAbrir na Bíblia

A espada de Deus

1A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

2— Filho do homem, vire o seu rosto contra Jerusalém, fale contra os santuários e profetize contra a terra de Israel. 3Diga à terra de Israel: Assim diz o Senhor: “Eis que estou contra você. Vou tirar a minha espada da bainha, e eliminarei do seu meio tanto o justo como o ímpio. 4Visto que eliminarei do seu meio o justo e o ímpio, a minha espada sairá da bainha contra todos, desde o Sul até o Norte. 5Todos saberão que eu, o Senhor, tirei a minha espada da bainha e que não a porei de volta.”

6— Você, filho do homem, comece a gemer. Na presença deles, fique gemendo de coração quebrantado e com amargura. 7Quando perguntarem: “Por que você está gemendo?”, responda: “Por causa das notícias que estão chegando.” Todo coração se derreterá, todas as mãos desfalecerão, todo espírito ficará angustiado e todos os joelhos se desfarão em água. Eis que virá, e se cumprirá, diz o Senhor Deus.

8A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

9— Filho do homem, profetize e diga: Assim diz o Senhor:

“A espada, a espada está afiada

e polida;

10afiada para a matança,

polida para reluzir

como relâmpago.

Israel diz: ‘Vamos nos alegrar!

O cetro do meu filho despreza

qualquer outra madeira.’

11Mas Deus responde:

‘A espada foi entregue

para ser polida,

para ser manejada;

está afiada e polida,

para ser posta na mão do matador.

12Grite e lamente,

filho do homem,

porque a espada será

contra o meu povo,

contra todos os príncipes de Israel.

Estes, juntamente

com o meu povo,

estão entregues à espada;

portanto, bata no peito

em sinal de tristeza.

13Pois haverá uma prova.

E o que acontecerá,

se o próprio cetro

que desprezou a todos

não vier a subsistir?’”

— diz o Senhor Deus.

14— Filho do homem, profetize e bata com as mãos uma na outra. Que a espada golpeie duas vezes, sim, até três vezes. É a espada da matança, da grande matança, que os rodeia, 15para que o coração se derreta e se multipliquem os que tropeçam. Junto a todas as portas faço reluzir a espada. Ah! Ela foi feita para ser raio e está afiada para matar. 16Ó espada, vire-se com toda a força para a direita, vire-se para a esquerda, para onde quer que a sua lâmina se dirigir. 17Também eu baterei as minhas mãos uma na outra e desafogarei o meu furor; eu, o Senhor, falei.

A espada do rei da Babilônia

18A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

19— Filho do homem, trace dois caminhos por onde a espada do rei da Babilônia poderá vir. Ambos devem sair da mesma terra. Faça um marco indicador e coloque-o na bifurcação do caminho para a cidade. 20Indique o caminho para que a espada chegue a Rabá dos filhos de Amom, e a Jerusalém, a fortificada, em Judá. 21Porque o rei da Babilônia irá parar na bifurcação, na entrada dos dois caminhos, para fazer adivinhações: sacudirá as flechas, consultará os ídolos do lar, examinará o fígado de um animal. 22Na mão direita estará a adivinhação sobre Jerusalém, para dispor os aríetes, para abrir a boca com ordens de matar, para lançar gritos de guerra, para colocar os aríetes contra os portões, para levantar rampas e torres de ataque. 23Aos moradores da cidade isso parecerá uma adivinhação falsa, pois eles têm em seu favor juramentos solenes. Mas Deus se lembrará da iniquidade deles, para que sejam presos.

24— Portanto, assim diz o Senhor Deus: “Visto que vocês me fazem lembrar da sua iniquidade, na medida em que as suas transgressões são descobertas e em todas as suas ações aparecem os seus pecados — sim, visto que vocês foram lembrados, serão presos por causa disso.”

25— Quanto a você, profano e ímpio príncipe de Israel, cujo dia chegou no tempo do seu castigo final, 26assim diz o Senhor Deus: “Tire o turbante e remova a coroa. O que é já não será o mesmo; o humilde será exaltado e o soberbo será abatido. 27Ruína! Ruína! A ruínas a reduzirei, e ela já não será, até que venha aquele a quem caberá o julgamento; a ele eu a entregarei.”

28— E você, filho do homem, profetize e diga: Assim diz o Senhor Deus a respeito dos filhos de Amom e a respeito dos seus insultos:

“A espada, a espada

está desembainhada,

polida para a matança,

para consumir,

para reluzir como relâmpago.

29Apesar das visões falsas

e das adivinhações mentirosas,

a espada será posta no pescoço

dos profanos, dos perversos,

cujo dia virá no tempo

do castigo final.

30Ponha a espada de volta

na sua bainha.

No lugar em que você foi formado,

na terra do seu nascimento,

eu o julgarei.

31Derramarei sobre você

a minha indignação,

assoprarei contra você

o fogo do meu furor

e o entregarei nas mãos

de homens brutais,

mestres de destruição.

32Você servirá de pasto ao fogo,

o seu sangue será derramado

no meio da terra,

e você não será mais lembrado;

porque eu, o Senhor, falei.”

Ezequiel 21NAAAbrir na Bíblia

A parábola da panela

1A palavra do Senhor veio a mim, no nono ano, no décimo mês, aos dez dias do mês, dizendo:

2— Filho do homem, anote o dia de hoje, sim, o dia de hoje, porque o rei da Babilônia começa o cerco de Jerusalém neste dia. 3Conte uma parábola à casa rebelde e diga: Assim diz o Senhor Deus:

“Ponha a panela no fogo,

encha-a com água,

4acrescente pedaços de carne,

todos os bons pedaços

— tanto da parte traseira

como da parte dianteira;

coloque também

os melhores ossos.

5Pegue isso dos melhores

animais do rebanho.

Empilhe lenha debaixo da panela,

deixe ferver bem

e cozinhe os ossos dentro dela.”

6— Portanto, assim diz o Senhor Deus: Ai da cidade sanguinária, da panela cheia de ferrugem, ferrugem que não foi tirada dela! Tire de dentro a carne, pedaço por pedaço, sem escolha. 7Porque a culpa de sangue está no meio dela. O sangue foi derramado sobre a rocha escalvada e não sobre a terra, para o cobrir com o pó. 8Para fazer subir a indignação, para tomar vingança, eu pus o seu sangue numa rocha escalvada, para que não fosse coberto.

9— Portanto, assim diz o Senhor Deus: Ai da cidade sanguinária! Eu mesmo aumentarei a pilha de lenha. 10Amontoe muita lenha, acenda o fogo, cozinhe a carne, engrosse o caldo, deixe que os ossos fiquem torrados. 11Ponha a panela vazia sobre as brasas, para que ela aqueça, o seu cobre se torne candente, a impureza que está dentro dela se derreta e a sua ferrugem se consuma. 12Trabalho inútil! A sua muita ferrugem não sai, nem pelo fogo. 13Jerusalém, por causa de sua impureza e perversidade, e porque eu quis purificá-la, mas você não ficou pura, você não ficará pura de novo até que eu tenha satisfeito o meu furor contra você. 14Eu, o Senhor, falei; será assim; eu o farei. Não voltarei atrás e não pouparei, nem mudarei de ideia. Você será julgada segundo os seus caminhos e segundo os seus atos, diz o Senhor Deus.

A viuvez de Ezequiel

15A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

16— Filho do homem, eis que, com um só golpe, tirarei aquela que é a delícia dos seus olhos. Você não deve lamentar, nem chorar, nem derramar lágrimas. 17Sofra em silêncio; não faça lamentação pelos mortos. Prenda o seu turbante; ponha as sandálias nos pés; não cubra o bigode, e não coma o pão que lhe mandarem.

18Falei ao povo pela manhã, e à tarde a minha mulher morreu. Na manhã seguinte, fiz como me havia sido ordenado. 19Então o povo me perguntou:

— Você não vai nos explicar o que significa para nós isso que você está fazendo?

20Eu respondi:

— A palavra do Senhor veio a mim, dizendo: 21Diga à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: “Eis que profanarei o meu santuário, do qual vocês tanto se orgulham, que é a delícia dos seus olhos e o desejo do seu coração. Os filhos e as filhas que vocês deixaram para trás cairão à espada. 22Vocês farão o que eu fiz: não cobrirão o bigode, nem comerão o pão que lhes mandarem. 23Manterão o turbante na cabeça e as sandálias nos pés. Não irão lamentar nem chorar, mas serão consumidos nas suas maldades e gemerão uns pelos outros. 24Assim, Ezequiel será um sinal para vocês: tudo o que ele fez vocês também farão. Quando isso acontecer, vocês saberão que eu sou o Senhor Deus.”

25— Filho do homem, no dia em que eu lhes tirar o objeto do seu orgulho, a sua alegria e a sua glória, a delícia dos seus olhos e o desejo de seu coração — bem como os seus filhos e as suas filhas —, 26nesse dia um sobrevivente virá falar com você, para lhe dar a notícia. 27Nesse dia, você poderá abrir a sua boca para falar com aquele sobrevivente; você falará e não mais ficará mudo. Assim, você será um sinal para eles, e eles saberão que eu sou o Senhor.

Ezequiel 24NAAAbrir na Bíblia

1Assim diz o Senhor:

“Onde está a carta de divórcio

que eu entreguei à mãe de vocês

e com a qual eu a repudiei?

Ou quem é o meu credor,

a quem eu os vendi?

Eis que vocês foram vendidos

por causa das suas iniquidades,

e a mãe de vocês foi repudiada

por causa das transgressões

de vocês.

2Por que razão, quando eu vim,

ninguém apareceu?

Quando chamei,

ninguém respondeu?

Será que a minha mão

se encolheu tanto,

que já não pode remir?

Ou será que já não há

força em mim para livrar?

Eis que pela minha repreensão

eu seco o mar

e transformo os rios em deserto,

até que os seus peixes

cheirem mal;

pois, não havendo água,

morrem de sede.

3Posso vestir os céus de escuridão

e cobri-los com pano de saco.”

O sofrimento e a fidelidade do Servo do Senhor

4O Senhor Deus me deu

uma língua erudita,

para que eu saiba dizer

boa palavra ao cansado.

Ele me desperta todas as manhãs;

desperta o meu ouvido

para que eu ouça

como aqueles que aprendem.

5O Senhor Deus

me abriu os ouvidos,

e eu não fui rebelde nem me retraí.

6Ofereci as costas

aos que me batiam

e o rosto aos que me arrancavam

a barba;

não escondi o rosto

dos que me afrontavam

e cuspiam em mim.

7Porque o Senhor Deus me ajuda.

Por isso, não serei humilhado;

por isso, fiz o meu rosto

como uma pedra

e sei que não serei envergonhado.

8Perto está o que me justifica.

Quem ousará entrar

em litígio comigo?

Compareçamos juntos

diante do juiz!

Quem é o meu adversário?

Que se aproxime de mim!

9Eis que o Senhor Deus me ajuda.

Quem poderá me condenar?

Eis que todos eles

envelhecerão como a roupa;

a traça os comerá.

10Quem de vocês teme o Senhor

e ouve a voz do seu Servo?

Aquele que anda em trevas,

sem nenhuma luz,

confie no nome do Senhor

e se firme sobre o seu Deus.

11Todos vocês que acendem fogo

e se armam

com flechas incendiárias,

andem entre as labaredas

do fogo de vocês

e entre as flechas

que vocês acenderam!

De mim lhes sobrevirá isto:

vocês se deitarão em tormentos.

Isaías 50NAAAbrir na Bíblia

Deus salvará Jerusalém

1Acorde! Acorde, ó Sião,

e revista-se de força!

Vista as suas roupas finas,

ó Jerusalém, cidade santa,

porque os incircuncisos e os impuros

nunca mais entrarão em você.

2Levante e sacuda a poeira,

ó Jerusalém cativa;

livre-se das correntes

de seu pescoço,

ó cativa filha de Sião.

3Porque assim diz o Senhor:

— Por nada vocês foram vendidos, e sem dinheiro serão resgatados.

4Porque assim diz o Senhor Deus:

— O meu povo no princípio desceu ao Egito, para nele habitar, e a Assíria sem razão o oprimiu. 5Agora, que farei eu aqui, diz o Senhor, pois o meu povo foi levado por nada? Os seus opressores dão uivos, diz o Senhor, e o meu nome é blasfemado todo o dia, sem cessar. 6Por isso, o meu povo saberá o meu nome; por isso, naquele dia, saberá que sou eu quem diz: “Eis-me aqui.”

7Quão formosos são

sobre os montes

os pés do que anuncia boas-novas,

que faz ouvir a paz,

que anuncia coisas boas,

que faz ouvir a salvação,

que diz a Sião:

“O seu Deus reina!”

8Eis o grito dos seus atalaias!

Eles erguem a voz

e juntos gritam de alegria,

porque com os seus próprios olhos

veem o retorno do Senhor a Sião.

9Gritem de alegria

e juntas exultem,

ó ruínas de Jerusalém,

porque o Senhor consolou

o seu povo;

ele remiu Jerusalém.

10O Senhor desnudou

o seu santo braço

à vista de todas as nações,

e todos os confins da terra

verão a salvação do nosso Deus.

11Fora! Fora! Saiam de lá!

Não toquem em coisa impura!

Saiam do meio dela, purifiquem-se,

vocês que levam

os utensílios do Senhor.

12Porque vocês não sairão

às pressas,

nem partirão como quem foge.

Porque o Senhor irá

adiante de vocês,

e o Deus de Israel

será a sua retaguarda.

O sofrimento e a vitória do Servo do Senhor

13“Eis que o meu Servo

procederá com prudência;

será exaltado e elevado,

e será mui sublime.

14Como muitos pasmaram

à vista dele —

pois o seu aspecto

estava tão desfigurado,

mais do que o de outro qualquer,

e a sua aparência,

mais do que a dos outros

filhos dos homens —,

15assim causará

admiração às nações,

e os reis fecharão a sua boca

por causa dele.

Porque verão aquilo

que não lhes foi anunciado,

e entenderão aquilo

que não tinham ouvido.”

Isaías 52NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.14
SIGA A SBB: