Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 15 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

1Por isso, deixando os princípios elementares da doutrina de Cristo, avancemos para o que é perfeito, não lançando de novo a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, 2o ensino de batismos e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno. 3Isso faremos, se Deus o permitir.

4É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, provaram o dom celestial, se tornaram participantes do Espírito Santo, 5provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro 6e caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que, de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à zombaria. 7Porque a terra que absorve a chuva que frequentemente cai sobre ela e produz plantas úteis para aqueles que a cultivam recebe bênção da parte de Deus; 8mas, se produz espinhos e ervas daninhas, é rejeitada e está perto da maldição; e o seu fim é ser queimada.

9Quanto a vocês, meus amados, ainda que falemos desta maneira, estamos certos de que coisas melhores os esperam, coisas relacionadas com a salvação. 10Porque Deus não é injusto para se esquecer do trabalho que vocês fizeram e do amor que mostraram para com o seu nome, pois vocês serviram e ainda estão servindo aos santos. 11Desejamos que cada um de vocês continue mostrando, até o fim, o mesmo empenho para a plena certeza da esperança, 12para que não se tornem preguiçosos, mas imitadores daqueles que, pela fé e pela paciência, herdam as promessas.

A promessa de Deus é imutável

13Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo, 14dizendo: “Certamente eu o abençoarei e multiplicarei os seus descendentes.” 15E assim, depois de esperar com paciência, Abraão obteve a promessa. 16Porque as pessoas juram pelo que lhes é superior, e o juramento, servindo de garantia, põe fim a toda discussão. 17Por isso, Deus, quando quis mostrar com mais clareza aos herdeiros da promessa que o seu propósito era imutável, confirmou-o com um juramento. 18Ele fez isso para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, nós, que já corremos para o refúgio, tenhamos forte alento, para tomar posse da esperança que nos foi proposta. 19Temos esta esperança por âncora da alma, segura e firme e que entra no santuário que fica atrás do véu, 20onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Hebreus 6NAAAbrir na Bíblia

Jesus, Mediador da nova aliança

1Ora, o essencial das coisas que estamos dizendo é que temos tal sumo sacerdote, que se assentou à direita do trono da Majestade nos céus, 2como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem.

3Pois todo sumo sacerdote é constituído para oferecer dons e sacrifícios; por isso, era necessário que também esse sumo sacerdote tivesse o que oferecer. 4Se ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, visto existirem aqueles que oferecem os dons segundo a lei. 5Estes ministram em figura e sombra das coisas celestiais, assim como Moisés foi divinamente instruído, quando estava para construir o tabernáculo. Pois Deus disse: “Tenha cuidado para fazer tudo de acordo com o modelo que foi mostrado a você no monte.” 6Mas agora Jesus obteve um ministério tanto mais excelente, quanto é também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas.

7Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito, de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma segunda aliança. 8E, de fato, repreendendo-os, diz:

“Eis aí vêm dias, diz o Senhor,

e firmarei nova aliança

com a casa de Israel

e com a casa de Judá,

9não segundo a aliança

que fiz com os seus pais,

no dia em que os tomei pela mão,

para os tirar da terra do Egito;

pois eles não continuaram

na minha aliança,

e eu não dei atenção a eles,

diz o Senhor.

10Porque esta é a aliança que farei

com a casa de Israel,

depois daqueles dias,

diz o Senhor:

Imprimirei as minhas leis

na mente deles

e as inscreverei

sobre o seu coração;

e eu serei o seu Deus,

e eles serão o meu povo.

11E não ensinará jamais

cada um ao seu próximo,

nem cada um ao seu irmão,

dizendo: ‘Conheça o Senhor’;

porque todos me conhecerão,

desde o menor

até o maior deles.

12Pois, para com

as suas iniquidades,

usarei de misericórdia

e dos seus pecados

jamais me lembrarei.”

13Quando ele diz “nova aliança”, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer.

Hebreus 8NAAAbrir na Bíblia

1Então o Senhor disse a Moisés:

— Agora você verá o que vou fazer a Faraó, pois, por mão poderosa, os deixará ir e, por mão poderosa, os expulsará da sua terra.

Deus promete livrar o seu povo

2Deus falou a Moisés e lhe disse:

— Eu sou o Senhor. 3Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como o Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, O Senhor, não lhes fui conhecido. 4Também estabeleci a minha aliança com eles, para dar-lhes a terra de Canaã, a terra em que viveram como estrangeiros. 5Eu também ouvi os gemidos dos filhos de Israel, os quais os egípcios escravizam, e me lembrei da minha aliança. 6Portanto, diga aos filhos de Israel: “Eu sou o Senhor. Vou tirá-los dos trabalhos pesados no Egito, vou livrá-los da escravidão, vou resgatar vocês com braço estendido e com grandes manifestações de juízo. 7Eu os tomarei por meu povo e serei o seu Deus; e vocês saberão que eu sou o Senhor, seu Deus, que os tiro dos trabalhos pesados no Egito. 8Eu os levarei para a terra que jurei dar a Abraão, a Isaque e a Jacó; darei essa terra a vocês como herança. Eu sou o Senhor.”

9Desse modo Moisés falou aos filhos de Israel, mas eles não deram ouvidos a Moisés, por causa da angústia de espírito e da dura escravidão.

10O Senhor falou a Moisés, dizendo:

11— Vá e diga a Faraó, rei do Egito, que deixe que os filhos de Israel saiam de sua terra.

12Moisés, porém, respondeu ao Senhor, dizendo:

— Eis que os filhos de Israel não me têm ouvido; como, pois, me ouvirá Faraó? E não sei falar bem.

13No entanto, o Senhor falou a Moisés e a Arão e lhes deu uma ordem para os filhos de Israel e para Faraó, rei do Egito: deveriam tirar os filhos de Israel da terra do Egito.

Genealogias de Moisés e Arão

14São estes os chefes das famílias: os filhos de Rúben, o primogênito de Israel: Enoque, Palu, Hezrom e Carmi; são estas as famílias de Rúben. 15Os filhos de Simeão: Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar e Saul, filho de uma cananeia; são estas as famílias de Simeão. 16São estes os nomes dos filhos de Levi, segundo as suas gerações: Gérson, Coate e Merari; e os anos da vida de Levi foram cento e trinta e sete. 17Os filhos de Gérson: Libni e Simei, segundo as suas famílias. 18Os filhos de Coate: Anrão, Isar, Hebrom e Uziel; e os anos da vida de Coate foram cento e trinta e três. 19Os filhos de Merari: Mali e Musi; são estas as famílias de Levi, segundo as suas gerações.

20Anrão tomou por mulher Joquebede, sua tia, e ela lhe deu à luz Arão e Moisés; e os anos da vida de Anrão foram cento e trinta e sete. 21Os filhos de Isar: Corá, Nefegue e Zicri. 22Os filhos de Uziel: Misael, Elzafã e Sitri. 23Arão tomou por mulher Eliseba, filha de Aminadabe, irmã de Naassom; e ela lhe deu à luz Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar. 24Os filhos de Corá: Assir, Elcana e Abiasafe; são estas as famílias dos coraítas. 25Eleazar, filho de Arão, tomou por mulher, para si, uma das filhas de Putiel; e ela lhe deu à luz Fineias; são estes os chefes de suas casas, segundo as suas famílias.

26São estes Arão e Moisés, aos quais o Senhor disse: “Tirem os filhos de Israel da terra do Egito, segundo os seus exércitos.” 27Foram eles que falaram a Faraó, rei do Egito, a fim de tirar do Egito os filhos de Israel; são estes Moisés e Arão.

Moisés fala novamente a Faraó

28No dia em que o Senhor falou a Moisés na terra do Egito, 29o Senhor disse a Moisés:

— Eu sou o Senhor; diga a Faraó, rei do Egito, tudo o que eu digo a você.

30Porém Moisés respondeu na presença do Senhor:

— Eu não sei falar bem. Como é que Faraó vai me ouvir?

Êxodo 6NAAAbrir na Bíblia

A instituição da Páscoa

1O Senhor disse a Moisés e a Arão na terra do Egito:

2— Este mês será para vocês o principal dos meses; será o primeiro mês do ano. 3Falem a toda a congregação de Israel, dizendo: No dia dez deste mês, cada um tomará para si um cordeiro, segundo a casa dos pais, um cordeiro para cada família. 4Mas, se a família for pequena para um cordeiro, então o chefe da família convidará o seu vizinho mais próximo, conforme o número de pessoas. Conforme o que cada um puder comer, por aí vocês calcularão quantos são necessários para o cordeiro. 5O cordeiro será sem defeito, macho de um ano, podendo também ser um cabrito. 6Vocês guardarão o cordeiro até o décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o matará no crepúsculo da tarde. 7Pegarão um pouco do sangue e o passarão nas duas ombreiras e na viga superior da porta, nas casas em que o comerem.

8— Naquela noite, comerão a carne assada no fogo, com pães sem fermento e ervas amargas. 9Não comam do animal nada cru, nem cozido em água, porém assado ao fogo: a cabeça, as pernas e as vísceras. 10Não deixem nada do cordeiro até pela manhã; o que, porém, ficar até pela manhã, queimem. 11É assim que vocês devem comê-lo: já prontos para viajar, com as sandálias nos pés e o cajado na mão. Comam depressa. É a Páscoa do Senhor. 12Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e matarei na terra do Egito todos os primogênitos, tanto das pessoas como dos animais, e executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o Senhor.

13— O sangue será um sinal para indicar as casas em que vocês se encontram. Quando eu vir o sangue, passarei por vocês, e não haverá entre vocês praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito. 14Este dia lhes será por memorial, e vocês o celebrarão como festa ao Senhor; de geração em geração vocês celebrarão este dia por estatuto perpétuo.

A Festa dos Pães sem Fermento

15— Sete dias vocês comerão pães sem fermento. Logo no primeiro dia, tirem o fermento das suas casas, pois todo aquele que comer coisa levedada, desde o primeiro dia até o sétimo dia, será eliminado de Israel. 16No primeiro dia vocês terão santa convocação, e também no sétimo dia terão santa convocação. Não façam nenhum trabalho nesses dias, exceto o que diz respeito ao comer; somente isso poderão fazer. 17Guardem a Festa dos Pães sem Fermento, porque nesse mesmo dia tirei os exércitos de vocês da terra do Egito. Portanto, vocês guardarão este dia de geração em geração por estatuto perpétuo. 18Vocês comerão pães sem fermento desde o dia catorze do primeiro mês, à tarde, até a tarde do dia vinte e um do mesmo mês. 19Por sete dias, não se ache nenhum fermento em suas casas, porque todo aquele que comer pão levedado será eliminado da congregação de Israel, tanto o estrangeiro como o natural da terra. 20Não comam nada que tenha fermento. Em todas as suas habitações, comam somente pães sem fermento.

A primeira Páscoa

21Moisés chamou todos os anciãos de Israel e lhes disse:

— Escolham e peguem cordeiros para as famílias de vocês, e matem esses animais para celebrar a Páscoa. 22Peguem ramos de hissopo, molhem no sangue que estiver na bacia e marquem a viga superior da porta e suas ombreiras com o sangue que estiver na bacia. E que nenhum de vocês saia da porta da sua casa até pela manhã. 23Porque o Senhor passará para matar os egípcios. Quando, porém, enxergar o sangue na viga superior da porta e em ambas as ombreiras, o Senhor passará por cima da porta e não permitirá que o Destruidor entre na casa de vocês para matá-los. 24Portanto, guardem isto por estatuto para vocês e para os seus filhos, para sempre. 25E, quando estiverem na terra que o Senhor lhes dará, como prometeu, observem este rito. 26Quando os seus filhos perguntarem: “Que rito é este?”, 27respondam: “É o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou por cima das casas dos filhos de Israel no Egito, quando matou os egípcios e livrou as nossas casas.”

Então o povo se inclinou e adorou. 28E os filhos de Israel foram e fizeram como o Senhor havia ordenado a Moisés e Arão.

Décima praga: morte dos primogênitos

29Aconteceu que, à meia-noite, o Senhor matou todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se assentava no seu trono, até o primogênito do prisioneiro que estava na cadeia, e todos os primogênitos dos animais. 30Faraó levantou-se de noite, ele, todos os seus oficiais e todos os egípcios; e houve grande clamor no Egito, pois não havia casa em que não houvesse um morto. 31Então, naquela mesma noite, Faraó chamou Moisés e Arão e lhes disse:

— Levantem-se e saiam do meio do meu povo, vocês e os filhos de Israel! Vão e adorem o Senhor, como vocês disseram. 32Levem também com vocês as suas ovelhas e o seu gado, como vocês pediram. Vão embora e abençoem também a mim.

33Os egípcios insistiram com o povo para que saísse da terra o mais depressa possível, pois diziam:

— Todos vamos morrer.

34O povo pegou a sua massa de pão, antes que levedasse, e as suas amassadeiras atadas em trouxas com as suas roupas, sobre os ombros. 35Os filhos de Israel fizeram conforme a palavra de Moisés e pediram aos egípcios objetos de prata, objetos de ouro e roupas. 36E o Senhor fez com que o seu povo encontrasse favor da parte dos egípcios, de maneira que estes lhes davam o que pediam. E despojaram os egípcios.

A saída dos israelitas do Egito

37Assim, os filhos de Israel partiram de Ramessés para Sucote. Eram cerca de seiscentos mil a pé, somente de homens, sem contar mulheres e crianças. 38Saiu também com eles um misto de gente, ovelhas, gado, muitos animais. 39E assaram pães sem fermento da massa que levaram do Egito, pois a massa não tinha levedado, porque eles foram expulsos do Egito. Não puderam deter-se e não haviam preparado para si provisões.

40Ora, o tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos. 41Aconteceu que, ao final dos quatrocentos e trinta anos, nesse mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito. 42Esta noite será dedicada ao Senhor, porque, nela, os tirou da terra do Egito. Esta é a noite do Senhor, que todos os filhos de Israel devem comemorar de geração em geração.

Instruções sobre a Páscoa

43O Senhor disse a Moisés e a Arão:

— Esta é a ordenança da Páscoa: nenhum estrangeiro comerá dela. 44Porém todo escravo comprado por dinheiro, depois de ser circuncidado, comerá da Páscoa. 45O estrangeiro e o assalariado não comerão dela. 46O cordeiro deverá ser comido numa só casa. Não levem nada da carne para fora da casa nem lhe quebrem osso nenhum. 47Toda a congregação de Israel o fará. 48Porém, se algum estrangeiro se hospedar com você e quiser celebrar a Páscoa do Senhor, que primeiro sejam circuncidadas todas as pessoas do sexo masculino; depois poderá observar a Páscoa, e será como o natural da terra; mas nenhum incircunciso comerá dela. 49A mesma lei será aplicada ao natural da terra e ao estrangeiro que estiver entre vocês.

50Assim fizeram todos os filhos de Israel; como o Senhor havia ordenado a Moisés e a Arão, assim fizeram. 51Naquele mesmo dia o Senhor tirou os filhos de Israel do Egito, segundo os seus exércitos.

Êxodo 12NAAAbrir na Bíblia

Uso dos provérbios

1Provérbios de Salomão,

filho de Davi, rei de Israel,

2para aprender a sabedoria

e o ensino;

para entender as palavras

de inteligência;

3para obter o ensino

do bom proceder,

a justiça, o juízo e a equidade;

4para dar prudência aos simples

e conhecimento e discernimento

aos jovens.

5Que o sábio ouça

e cresça em prudência;

e que o instruído adquira

habilidade

6para entender provérbios

e parábolas,

as palavras e os enigmas

dos sábios.

7O temor do Senhor

é o princípio do saber,

mas os insensatos desprezam

a sabedoria e o ensino.

Contra as seduções dos pecadores

8Meu filho, ouça o ensino

de seu pai

e não despreze a instrução

de sua mãe.

9Porque serão um diadema

de graça para a sua cabeça

e colares para o seu pescoço.

10Meu filho, se os pecadores

quiserem seduzir você,

não consinta.

11Talvez eles digam:

“Venha conosco!

Vamos preparar uma emboscada

para matar alguém;

vamos espreitar os inocentes,

ainda que sem motivo.

12Vamos engoli-los vivos,

como o mundo dos mortos,

e inteiros, como

os que descem ao abismo.

13Acharemos todo tipo

de bens preciosos;

encheremos a nossa casa

de despojos.

14Junte-se a nós!

Teremos todos uma só bolsa.”

15Meu filho, não se ponha

a caminho com eles;

fique com os seus pés

longe das suas veredas!

16Porque os pés deles

correm para o mal

e se apressam a derramar sangue.

17Pois em vão se estende a rede

se a ave estiver olhando;

18mas estes armam emboscadas

contra o seu próprio sangue

e ficam à espreita

contra a própria vida.

19Este é o fim de todo ganancioso;

e este espírito de ganância

tira a vida de quem o possui.

O convite da Sabedoria

20A Sabedoria grita nas ruas;

nas praças, levanta a sua voz.

21Do alto das muralhas clama,

à entrada dos portões

e nas cidades

profere as suas palavras:

22“Até quando vocês, ingênuos,

amarão a ingenuidade?

E vocês, zombadores, até quando

terão prazer na zombaria?

E vocês, tolos, até quando

odiarão o conhecimento?

23Deem ouvidos

à minha repreensão;

eis que derramarei

o meu espírito sobre vocês

e lhes darei a conhecer

as minhas palavras.

24Mas porque clamei,

e vocês se recusaram a ouvir;

porque estendi a minha mão,

e não houve quem atendesse;

25— pelo contrário, rejeitaram

todo o meu conselho

e não quiseram

a minha repreensão —

26também eu darei risada

da desgraça de vocês;

ficarei zombando

quando chegar o terror,

27quando o terror chegar

como a tormenta,

quando a calamidade chegar

como o redemoinho,

quando lhes sobrevierem

o aperto e a angústia.

28Então eles me invocarão,

mas eu não responderei;

sairão à minha procura,

porém não me encontrarão.

29Porque odiaram o conhecimento

e não preferiram

o temor do Senhor;

30não quiseram o meu conselho

e desprezaram

toda a minha repreensão.

31Portanto, comerão do fruto

da sua conduta

e dos seus próprios conselhos

se fartarão.

32Os ingênuos são mortos

porque se desviam

da sabedoria;

os tolos são destruídos

por estarem satisfeitos

consigo mesmos.

33Mas o que me der ouvidos

habitará seguro,

tranquilo e sem temor do mal.”

Provérbios 1NAAAbrir na Bíblia

Conselho paternal

1Filhos, escutem

a instrução do pai;

estejam atentos para que

obtenham o entendimento.

2Porque eu lhes dou

boa instrução;

não abandonem o meu ensino.

3Quando eu era menino

em companhia de meu pai,

uma criança inexperiente, mas única

aos olhos de minha mãe,

4ele me ensinava e me dizia:

“Que o seu coração retenha

as minhas palavras;

guarde os meus mandamentos

e você viverá.

5Adquira a sabedoria,

adquira o entendimento;

não se esqueça nem se afaste

das minhas palavras.

6Não abandone a sabedoria,

e ela guardará você;

ame-a, e ela o protegerá.

7O princípio da sabedoria é:

adquira a sabedoria;

sim, com tudo o que você possui,

adquira o entendimento.

8Valorize a sabedoria,

e ela o exaltará;

se você a abraçar, ela o honrará.

9Ela porá um diadema de graça

em sua cabeça

e lhe entregará

uma coroa de glória.”

10Meu filho, escute e aceite

as minhas palavras,

e os anos de sua vida

se multiplicarão.

11Eu ensinei a você

o caminho da sabedoria

e o fiz andar

pelas veredas da retidão.

12Se você andar por elas,

os seus passos

não se embaraçarão;

se você correr, não tropeçará.

13Retenha a instrução

e não a deixe;

guarde-a, porque ela é a sua vida.

14Não entre na vereda dos ímpios,

nem siga pelo caminho dos maus.

15Evite esse caminho;

não passe por ele;

desvie-se dele e passe longe.

16Os maus não dormem,

se não fizerem o mal;

o sono foge deles, se não fizerem

alguém tropeçar.

17Porque comem

o pão da maldade

e bebem o vinho das violências.

18Mas a vereda dos justos

é como a luz do alvorecer,

que vai brilhando mais e mais

até ser dia claro.

19O caminho dos ímpios

é como a escuridão;

nem eles sabem em que tropeçam.

20Meu filho, escute

as minhas palavras;

preste atenção

aos meus ensinamentos.

21Não deixe que eles se afastem

dos seus olhos;

guarde-os no mais íntimo

do seu coração.

22Porque são vida

para quem os encontra

e saúde para todo o seu corpo.

23De tudo o que se deve guardar,

guarde bem o seu coração,

porque dele procedem

as fontes da vida.

24Afaste de você

a falsidade da boca

e mantenha longe de você

a perversidade dos lábios.

25Que os seus olhos olhem direito,

e que as suas vistas se fixem

no que está diante de você.

26Faça plana a vereda de seus pés,

para que todos os seus caminhos

sejam retos.

27Não se incline nem para a direita

nem para a esquerda;

afaste os seus pés do mal.

Provérbios 4NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.14
SIGA A SBB: