Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 58

Texto(s) da Bíblia

O hábito de julgar os outros
Lc 6.37-38,41-42

1— Não julguem, para que vocês não sejam julgados. 2Pois com o critério com que vocês julgarem vocês serão julgados; e com a medida com que vocês tiverem medido vocês também serão medidos.

3— Por que você vê o cisco no olho do seu irmão, mas não repara na trave que está no seu próprio? 4Ou como você dirá a seu irmão: “Deixe que eu tire o cisco do seu olho”, quando você tem uma trave no seu próprio? 5Hipócrita! Tire primeiro a trave do seu olho e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão.

6— Não deem aos cães o que é santo, nem joguem as suas pérolas diante dos porcos, para que estes não as pisem com os pés e aqueles, voltando-se, não estraçalhem vocês.

Jesus encoraja a oração
Lc 11.9-13

7— Peçam e lhes será dado; busquem e acharão; batam, e a porta será aberta para vocês. 8Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, a porta será aberta. 9Ou quem de vocês, se o filho pedir pão, lhe dará uma pedra? 10Ou, se pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 11Ora, se vocês, que são maus, sabem dar coisas boas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem?

12— Portanto, tudo o que vocês querem que os outros façam a vocês, façam também vocês a eles; porque esta é a Lei e os Profetas.

A porta estreita
Lc 13.24

13— Entrem pela porta estreita! Porque larga é a porta e espaçoso é o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela. 14Estreita é a porta e apertado é o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que o encontram.

Os falsos profetas
Lc 6.43-44

15— Cuidado com os falsos profetas, que se apresentam a vocês disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes. 16Pelos seus frutos vocês os conhecerão. Por acaso se colhem uvas de espinheiros ou figos de ervas daninhas? 17Assim, toda árvore boa produz frutos bons, porém a árvore má produz frutos maus. 18A árvore boa não pode produzir frutos maus, e a árvore má não pode produzir frutos bons. 19Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e jogada no fogo. 20Assim, pois, pelos seus frutos vocês os conhecerão.

Quem entra no Reino dos Céus
Lc 13.25-27

21— Nem todo o que me diz: “Senhor, Senhor!” entrará no Reino dos Céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22Muitos, naquele dia, vão me dizer: “Senhor, Senhor, nós não profetizamos em seu nome? E em seu nome não expulsamos demônios? E em seu nome não fizemos muitos milagres?” 23Então lhes direi claramente: “Eu nunca conheci vocês. Afastem-se de mim, vocês que praticam o mal.”

Os dois fundamentos
Lc 6.47-49

24— Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha. 25Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e bateram com força contra aquela casa, e ela não desabou, porque tinha sido construída sobre a rocha. 26E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que construiu a sua casa sobre a areia. 27Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e bateram com força contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.

O fim do sermão do monte

28Quando Jesus acabou de proferir estas palavras, as multidões estavam maravilhadas com a sua doutrina, 29porque ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas.

Mateus 7NAAAbrir na Bíblia

A arca da aliança

Êx 25.10-15

1Bezalel fez também a arca de madeira de acácia, de um metro e dez de comprimento, sessenta e seis centímetros de largura e sessenta e seis de altura. 2Ele a revestiu de ouro puro, por dentro e por fora, e pôs um remate de ouro ao redor. 3Fundiu para ela quatro argolas de ouro e fixou-as nos quatro cantos da arca: duas argolas num lado dela e duas argolas no outro lado. 4Fez também cabos grossos de madeira de acácia e os revestiu de ouro. 5Passou os cabos pelas argolas nos lados da arca, para que ela pudesse ser carregada por meio deles.

O propiciatório

Êx 25.17-22

6Fez também o propiciatório de ouro puro, de um metro e dez de comprimento e sessenta e seis centímetros de largura. 7Fez também dois querubins de ouro, nas duas extremidades do propiciatório. 8Um querubim, na extremidade de uma parte, e o outro, na extremidade da outra parte; de uma só peça com o propiciatório fez os querubins nas duas extremidades dele. 9Os querubins estendiam as asas por cima, cobrindo com elas o propiciatório. Estavam de frente um para o outro, olhando para o propiciatório.

A mesa dos pães da proposição

Êx 25.23-30

10Fez também a mesa de madeira de acácia. Tinha o comprimento de oitenta e oito centímetros, a largura de quarenta e quatro centímetros, e a altura de sessenta e seis centímetros. 11Revestiu-a de ouro puro e pôs um remate de ouro ao redor. 12Também lhe fez uma borda ao redor, da largura de quatro dedos, e pôs um remate ao redor da borda. 13Também fez quatro argolas de ouro e fixou-as nos quatro cantos que estavam nos quatro pés da mesa. 14Perto da borda estavam as argolas, como lugares para os cabos, para carregar a mesa. 15Fez os cabos de madeira de acácia e revestiu-os de ouro, para que a mesa pudesse ser carregada por meio deles. 16Também fez de ouro puro os utensílios que deveriam estar sobre a mesa: os seus pratos, os seus recipientes para incenso, as suas jarras e as suas taças em que seriam oferecidas as libações.

O candelabro

Êx 25.31-39

17Fez também o candelabro de ouro puro; de ouro batido o fez. O seu pedestal, a sua haste, os seus cálices, as suas maçanetas e as suas flores formavam com ele uma só peça. 18Seis hastes saíam dos lados do candelabro; três de um lado e três do outro. 19Numa haste havia três cálices com formato de amêndoas, uma maçaneta e uma flor; na outra haste havia três cálices com formato de amêndoas, uma maçaneta e uma flor; assim eram as seis hastes que saíam do candelabro. 20Mas no candelabro mesmo havia quatro cálices com formato de amêndoas, com suas maçanetas e com suas flores. 21Havia uma maçaneta sob duas hastes que saíam dele; e ainda uma maçaneta sob duas outras hastes que saíam dele; e ainda mais uma maçaneta sob duas outras hastes que saíam dele; assim se fez com as seis hastes que saíam do candelabro. 22As maçanetas e as hastes do candelabro formavam uma só peça com o mesmo; tudo era de uma só peça, obra batida de ouro puro. 23Fez também as sete lâmpadas do candelabro. As suas tesouras de cortar pavios e os seus apagadores eram de ouro puro. 24Com trinta e quatro quilos de ouro puro se fez o candelabro com todos os seus utensílios.

O altar do incenso

Êx 30.1-10

25Fez de madeira de acácia o altar do incenso. Era quadrado, tendo quarenta e cinco centímetros de comprimento e quarenta e cinco de largura; a altura era de noventa centímetros. Os chifres formavam uma só peça com ele. 26Revestiu-o de ouro puro, a parte superior, as paredes ao redor e os chifres; pôs também um remate de ouro ao redor. 27Fez também duas argolas de ouro e colocou-as debaixo do remate, de ambos os lados. Por essas argolas foram passados os cabos, para que se pudesse levar o altar. 28Fez esses cabos de madeira de acácia, revestindo-os de ouro.

O óleo sagrado e o incenso santo

Êx 30.22-38

29Fez também o óleo sagrado para a unção e o incenso aromático, puro, segundo a arte do perfumista.

Êxodo 37NAAAbrir na Bíblia

O altar do holocausto

Êx 27.1-8

1Fez também o altar do holocausto de madeira de acácia. Seu comprimento era de dois metros e vinte e a largura era de dois metros e vinte; o altar era quadrado. A altura era de um metro e trinta. 2Nos quatro cantos colocou quatro chifres, os quais formavam uma só peça com o altar; e o revestiu de bronze. 3Fez também todos os utensílios do altar: recipientes para recolher as suas cinzas, pás, bacias, garfos e braseiros; todos esses utensílios foram feitos de bronze. 4Fez também para o altar uma grelha de bronze em forma de rede, do rebordo do altar para baixo, a qual chegava até o meio do altar. 5Fundiu quatro argolas para os quatro cantos da grelha de bronze, para que nelas fossem passados os cabos. 6Fez também os cabos de madeira de acácia revestidos de bronze. 7Passou os cabos pelas argolas, de um e de outro lado do altar, para ser levado; oco e de tábuas o fez.

A bacia de bronze

Êx 30.17-21

8Fez também a bacia de bronze, com o seu suporte de bronze, dos espelhos das mulheres que se reuniam para ministrar à porta da tenda do encontro.

O átrio e o cortinado

Êx 27.9-19

9Fez também o átrio ao lado meridional, que dá para o sul. As cortinas do átrio eram de linho fino retorcido, de quarenta e quatro metros de comprimento. 10As suas vinte colunas e as suas bases eram de bronze; os ganchos das colunas e as suas vigas superiores eram de prata. 11De igual modo para o lado norte havia cortinas de quarenta e quatro metros de comprimento; as suas vinte colunas e as suas vinte bases eram de bronze; os ganchos das colunas e as suas vigas superiores eram de prata. 12Para o lado oeste havia cortinas de vinte e dois metros; as suas colunas eram dez, e as suas bases eram dez; os ganchos das colunas e as suas vigas superiores eram de prata. 13Do lado leste, para o nascente, as cortinas tinham vinte e dois metros de comprimento. 14As cortinas para um lado da entrada tinham seis metros e sessenta de comprimento; e as suas colunas eram três, e as suas bases, três. 15Para o outro lado da entrada do átrio, de um e de outro lado da entrada, havia cortinas de seis metros e sessenta de comprimento; as suas colunas eram três, e as suas bases, três. 16Todas as cortinas ao redor do átrio eram de linho fino retorcido. 17As bases das colunas eram de bronze; os ganchos das colunas e as suas vigas superiores eram de prata. 18O cortinado da porta do átrio era de obra de bordador, de pano azul, púrpura, carmesim e linho fino retorcido; o comprimento era de oito metros e oitenta, e a altura, na largura, era de dois metros e vinte, segundo a medida das cortinas do átrio. 19As suas quatro colunas e as suas quatro bases eram de bronze, os seus ganchos eram de prata, e o revestimento das suas cabeças e as suas vigas superiores eram de prata. 20Todos os pregos do tabernáculo e do átrio ao redor eram de bronze.

A enumeração das coisas do tabernáculo

21Esta é a enumeração das coisas para o tabernáculo, a saber, o tabernáculo do testemunho, segundo, por ordem de Moisés, foram contadas pelos levitas, sob a direção de Itamar, filho do sacerdote Arão. 22Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, fez tudo o que o Senhor havia ordenado a Moisés. 23Com ele estava Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã, mestre de obras, desenhista e bordador em pano azul, púrpura, carmesim e linho fino.

24Todo o ouro empregado na obra, em toda a obra do santuário, a saber, o ouro da oferta, foram mil quilos, segundo o peso padrão do santuário. 25A prata dos arrolados da congregação foram três mil quatrocentos e vinte e um quilos, segundo o peso padrão do santuário: 26seis gramas por cabeça, isto é, metade do peso padrão, segundo o peso padrão do santuário, de cada um dos arrolados, de vinte anos para cima, que foram seiscentos e três mil quinhentos e cinquenta. 27Empregaram-se três mil e quatrocentos quilos de prata para fundir as bases do santuário e as bases do véu; para as cem bases, três mil e quatrocentos quilos: trinta e quatro quilos para cada base. 28Dos vinte e um quilos de prata que restaram, fez os colchetes das colunas, e cobriu as suas cabeças, e lhes fez as vigas superiores. 29O bronze da oferta foram dois mil e quatrocentos quilos. 30Dele fez as bases da porta da tenda do encontro, o altar de bronze, a sua grelha de bronze, todos os utensílios do altar, 31as bases do átrio ao redor, as bases da porta do átrio, todas as estacas do tabernáculo e todas as estacas do átrio ao redor.

Êxodo 38NAAAbrir na Bíblia

1Melhor é um bocado seco

e tranquilidade

do que a casa cheia de carnes

e brigas.

2O escravo sábio dominará sobre

o filho que causa vergonha

e, entre os irmãos,

terá parte na herança.

3O crisol prova a prata

e o forno prova o ouro;

mas o Senhor prova os corações.

4O malfeitor dá atenção

aos lábios iníquos;

o mentiroso inclina os ouvidos

para a língua maligna.

5Quem zomba do pobre insulta

aquele que o criou;

o que se alegra com a calamidade

não ficará impune.

6Coroa dos velhos

são os filhos dos filhos;

e a glória dos filhos são os pais.

7Palavras bonitas

não ficam bem ao insensato;

muito menos a mentira

na boca do príncipe!

8O suborno é pedra mágica

aos olhos de quem o oferece;

onde quer que for oferecido

dará resultado.

9Quem encobre a transgressão

fortalece a amizade,

mas o que insiste no assunto

separa os maiores amigos.

10Uma repreensão cala mais fundo

em quem tem juízo

do que cem chicotadas

no insensato.

11O rebelde só procura

fazer o mal;

por isso, um mensageiro cruel

será enviado contra ele.

12Melhor é encontrar uma ursa

da qual roubaram os filhotes

do que o insensato na sua tolice.

13Quanto àquele que paga

o bem com o mal,

o mal não se afastará da sua casa.

14Começar uma discussão é como

abrir uma represa;

por isso, desista

antes que surja o conflito.

15O Senhor detesta

quem justifica o ímpio

e quem condena o justo;

ele detesta

tanto um quanto o outro.

16De que serviria o dinheiro

na mão do tolo

para comprar a sabedoria,

se ele não tem entendimento?

17O amigo ama em todo tempo,

e na angústia nasce o irmão.

18Quem não tem juízo

se compromete,

ficando por fiador do seu próximo.

19Quem ama a discórdia

ama o pecado;

o que faz alta a sua porta

facilita a própria queda.

20O perverso de coração

jamais encontra o bem;

e o que diz coisas más

acaba em desgraça.

21Quem gera um tolo faz isso

para a sua própria tristeza;

o pai do insensato

não terá alegria.

22O coração alegre é bom remédio,

mas o espírito abatido

faz secar os ossos.

23O ímpio aceita suborno

secretamente,

para perverter

as veredas da justiça.

24A sabedoria

é o alvo do inteligente,

mas o tolo volta os olhos

para os confins da terra.

25O filho insensato

é tristeza para o pai

e amargura para quem o deu à luz.

26Não é bom punir o justo;

é contra todo direito

ferir o príncipe.

27Quem controla as suas palavras

possui conhecimento,

e o sereno de espírito

é inteligente.

28Até o insensato, quando se cala,

é tido por sábio;

se fica de boca fechada,

passa por inteligente.

Provérbios 17NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: