Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 40

Texto(s) da Bíblia

A promessa de Deus é imutável

13Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo, 14dizendo: “Certamente eu o abençoarei e multiplicarei os seus descendentes.” 15E assim, depois de esperar com paciência, Abraão obteve a promessa. 16Porque as pessoas juram pelo que lhes é superior, e o juramento, servindo de garantia, põe fim a toda discussão. 17Por isso, Deus, quando quis mostrar com mais clareza aos herdeiros da promessa que o seu propósito era imutável, confirmou-o com um juramento. 18Ele fez isso para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, nós, que já corremos para o refúgio, tenhamos forte alento, para tomar posse da esperança que nos foi proposta. 19Temos esta esperança por âncora da alma, segura e firme e que entra no santuário que fica atrás do véu, 20onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Hebreus 6:13-20NAAAbrir na Bíblia

Os filhos de Israel no Egito

1São estes os nomes dos filhos de Israel que entraram com Jacó no Egito, cada um com a sua família: 2Rúben, Simeão, Levi e Judá, 3Issacar, Zebulom e Benjamim, 4Dã, Naftali, Gade e Aser. 5Todos os descendentes diretos de Jacó foram setenta; José, porém, já estava no Egito. 6Com o tempo morreram José, todos os seus irmãos e toda aquela geração. 7Mas os filhos de Israel foram fecundos, aumentaram muito, se multiplicaram e se tornaram extremamente fortes, de maneira que a terra se encheu deles.

8Nesse meio-tempo, levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não havia conhecido José. 9Ele disse ao seu povo:

— Eis que o povo dos filhos de Israel é mais numeroso e mais forte do que nós. 10Vejam! Precisamos usar de astúcia para com esse povo, para que não se multiplique, e para evitar que, em caso de guerra, ele se alie aos nossos inimigos, lute contra nós e saia da terra.

11E os egípcios puseram sobre eles feitores de obras, para os afligir com trabalhos pesados. E assim os israelitas construíram para Faraó as cidades-celeiros de Pitom e Ramessés. 12Mas quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam e tanto mais se espalhavam, de maneira que os egípcios se inquietavam por causa dos filhos de Israel. 13Então os egípcios, com tirania, escravizaram os filhos de Israel 14e lhes amargaram a vida com dura servidão: preparar o barro, fabricar tijolos e fazer todo tipo de trabalho no campo. Todo este serviço lhes era imposto com tirania.

As parteiras desobedecem a Faraó

15O rei do Egito deu uma ordem às parteiras hebreias, das quais uma se chamava Sifrá e a outra se chamava Puá. 16Ele disse:

— Quando vocês servirem de parteira às mulheres hebreias, verifiquem se é menino ou menina; se for menino, matem; se for menina, deixem viver.

17As parteiras, porém, temeram a Deus e não fizeram o que o rei do Egito lhes havia ordenado; pelo contrário, deixaram viver os meninos. 18Então o rei do Egito chamou as parteiras e lhes perguntou:

— Por que vocês fizeram isso e deixaram viver os meninos?

19As parteiras responderam a Faraó:

— É que as mulheres hebreias não são como as egípcias; são vigorosas e dão à luz antes que a parteira chegue.

20E Deus foi bom para as parteiras; e o povo aumentou e se tornou muito forte. 21E, porque as parteiras temeram a Deus, ele lhes constituiu família.

22Então Faraó deu ordem a todo o seu povo, dizendo:

— Joguem no rio Nilo todos os meninos hebreus que nascerem; quanto às meninas, deixem viver.

Êxodo 1NAAAbrir na Bíblia

O nascimento de Moisés

1Um homem da casa de Levi casou com uma mulher da mesma tribo. 2A mulher ficou grávida e deu à luz um filho. Vendo que o menino era bonito, escondeu-o durante três meses. 3Não podendo, porém, escondê-lo por mais tempo, pegou um cesto de junco, tapou os buracos com betume e piche e, pondo nele o menino, largou o cesto no meio dos juncos à beira do rio. 4A irmã do menino ficou de longe, para ver o que ia acontecer com ele.

5A filha de Faraó desceu para se banhar no rio, e as moças que tinham vindo com ela passeavam pela margem. Quando ela viu o cesto no meio dos juncos, mandou que uma das criadas fosse buscá-lo. 6Abrindo o cesto, viu a criança; e eis que o menino chorava. Ela teve compaixão dele e disse:

— Este é um menino dos hebreus.

7Então a irmã do menino perguntou à filha de Faraó:

— Quer que eu vá chamar uma das hebreias para que sirva de ama e crie esta criança para a senhora?

8A filha de Faraó respondeu:

— Vá.

A moça foi e chamou a mãe do menino. 9Então a filha de Faraó disse à mulher:

— Leve este menino e amamente-o para mim; eu darei um salário para você.

A mulher pegou o menino e o criou. 10Quando o menino já era grande, ela o levou à filha de Faraó, da qual ele passou a ser filho. Esta lhe deu o nome de Moisés e disse:

— Porque das águas o tirei.

Moisés foge do Egito

11Naqueles dias, sendo Moisés já homem feito, saiu para visitar os seus irmãos e viu o trabalho pesado que faziam. Viu também que certo egípcio espancava um hebreu, um do seu povo. 12Olhou para todos os lados e, vendo que não havia ali ninguém, matou o egípcio e escondeu o corpo na areia. 13Moisés saiu no dia seguinte, e eis que dois hebreus estavam brigando. Então perguntou ao culpado:

— Por que você está espancando o seu próximo?

14O homem respondeu:

— Quem pôs você por príncipe e juiz sobre nós? Está querendo me matar, como matou aquele egípcio?

Moisés ficou com medo e pensou: “Com certeza já descobriram o que eu fiz.”

15Informado desse caso, Faraó quis matar Moisés; porém Moisés fugiu da presença de Faraó e foi morar na terra de Midiã.

Chegando lá, sentou-se junto a um poço. 16O sacerdote de Midiã tinha sete filhas, as quais vieram tirar água e encheram os bebedouros para dar de beber ao rebanho de seu pai. 17Então vieram os pastores e as expulsaram dali. Moisés, porém, se levantou, e as defendeu, e deu de beber ao rebanho. 18Quando elas voltaram para junto de Reuel, seu pai, este lhes perguntou:

— Por que vocês vieram mais cedo hoje?

19Elas responderam:

— Um egípcio nos livrou das mãos dos pastores, e ainda nos tirou água, e deu de beber ao rebanho.

20Então Reuel disse às filhas:

— E onde está ele? Por que vocês o deixaram lá? Chamem o homem para que venha comer conosco.

21Moisés consentiu em morar com aquele homem; e ele deu a Moisés sua filha Zípora, 22a qual deu à luz um filho, a quem Moisés deu o nome de Gérson, porque disse:

— Sou peregrino em terra estranha.

O sofrimento do povo

23Decorridos muitos dias, o rei do Egito morreu. Os filhos de Israel gemiam por causa da sua escravidão. Eles clamaram, e o seu clamor chegou até Deus. 24Deus ouviu o gemido deles e lembrou-se da sua aliança com Abraão, com Isaque e com Jacó. 25E Deus viu os filhos de Israel e atentou para a situação deles.

Êxodo 2NAAAbrir na Bíblia

Cântico de louvor e pedido de ajuda

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1Esperei com paciência

pelo Senhor;

ele se inclinou para mim

e me ouviu quando clamei

por socorro.

2Tirou-me de um poço

de perdição,

de um atoleiro de lama;

colocou os meus pés

sobre uma rocha

e firmou os meus passos.

3E me pôs nos lábios

um cântico novo,

um hino de louvor ao nosso Deus.

Muitos verão essas coisas, temerão

e confiarão no Senhor.

4Bem-aventurado é aquele

que põe no Senhor

a sua confiança

e não se volta para os arrogantes,

nem para os que seguem

a mentira.

5São muitas, Senhor, Deus meu,

as maravilhas que tens operado

e também os teus desígnios

para conosco;

não há ninguém

que possa se igualar a ti.

Eu quisera anunciá-los

e deles falar,

mas são mais do que

se pode contar.

6Sacrifícios e ofertas não quiseste;

abriste os meus ouvidos;

holocaustos e ofertas pelo pecado

não requeres.

7Então eu disse: “Eis aqui estou,

no rolo do livro está escrito

a meu respeito;

8agrada-me fazer a tua vontade,

ó Deus meu;

a tua lei está dentro

do meu coração.”

9Proclamei as boas-novas

de justiça

na grande congregação;

jamais cerrei os lábios,

tu o sabes, Senhor.

10Não ocultei no coração

a tua justiça;

proclamei a tua fidelidade

e a tua salvação;

não escondi

da grande congregação

a tua graça e a tua verdade.

11Não retenhas de mim, Senhor,

as tuas misericórdias;

que a tua graça e a tua verdade

sempre me guardem.

12São incontáveis os males

que me cercam;

as minhas iniquidades

me alcançaram,

tantas, que me impedem a visão;

são mais numerosas

que os cabelos

de minha cabeça,

e o coração desfalece.

13Agrada-te, Senhor, em me livrar;

apressa-te, ó Senhor,

em me socorrer.

14Que sejam envergonhados

e cobertos de vexame

todos os que buscam

tirar-me a vida;

retrocedam

e cubram-se de vergonha

os que se alegram com o meu mal.

15Sofram perturbação

por causa da sua vergonha

aqueles que me dizem:

“Bem feito! Bem feito!”

16Exultem e em ti se alegrem

todos os que te buscam;

os que amam a tua salvação

digam sempre:

“O Senhor seja engrandecido!”

17Eu sou pobre e necessitado,

porém o Senhor cuida de mim.

Tu és o meu amparo

e o meu libertador;

não te demores, ó Deus meu!

Salmos 40NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: