Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 361

Texto(s) da Bíblia

A pregação de João Batista

1No décimo quinto ano do reinado de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos governador da Judeia, Herodes, tetrarca da Galileia, seu irmão Filipe, tetrarca da região da Itureia e Traconites, e Lisânias, tetrarca de Abilene, 2sendo sumos sacerdotes Anás e Caifás, a palavra de Deus veio a João, filho de Zacarias, no deserto. 3Ele percorreu toda a região nas imediações do rio Jordão, pregando batismo de arrependimento para remissão de pecados, 4conforme está escrito no livro das palavras do profeta Isaías:

“Voz do que clama no deserto:

Preparem o caminho do Senhor,

endireitem as suas veredas.

5Todos os vales serão aterrados,

e todos os montes e colinas

serão nivelados;

os caminhos tortuosos

serão retificados,

e as estradas irregulares

serão aplanadas;

6e toda a humanidade verá

a salvação que vem de Deus.”

7João dizia às multidões que saíam para ser batizadas:

— Raça de víboras! Quem deu a entender que vocês podem fugir da ira vindoura? 8Produzam frutos dignos de arrependimento! E não comecem a dizer uns aos outros: “Temos por pai Abraão”, porque eu afirmo a vocês que Deus pode fazer com que destas pedras surjam filhos a Abraão. 9E também o machado já está posto à raiz das árvores. Portanto, toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo.

10Então as multidões perguntaram a João:

— O que é que devemos fazer?

11Ele respondeu:

— Quem tiver duas túnicas reparta com quem não tem, e quem tiver comida faça o mesmo.

12Também alguns publicanos chegaram para ser batizados e perguntaram a João:

— Mestre, o que devemos fazer?

13Ele respondeu:

— Não cobrem mais do que o estipulado.

14Também soldados lhe perguntaram:

— E nós, o que devemos fazer?

E ele lhes disse:

— Não pratiquem extorsão, não façam denúncias falsas e contentem-se com o salário que vocês recebem.

15Estando o povo na expectativa, e pensando todos em seu íntimo a respeito de João, se por acaso ele não seria o próprio Cristo, 16João tratou de explicar a todos:

— Eu, na verdade, batizo vocês com água, mas vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desamarrar as correias das suas sandálias; ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo. 17Ele tem a pá em suas mãos, para limpar a sua eira e recolher o trigo no seu celeiro; porém queimará a palha num fogo que nunca se apaga.

18E assim, com muitas outras exortações, João anunciava o evangelho ao povo. 19Mas Herodes, o tetrarca, sendo repreendido por João por causa de Herodias, mulher de seu irmão, e por todas as maldades que o mesmo Herodes havia feito, 20acrescentou a todas as outras ainda esta: mandou prender João.

Lucas 3:1-20NAAAbrir na Bíblia

A visão do templo

Caps.40—48

Ezequiel é levado a Jerusalém

1No vigésimo quinto ano do nosso exílio, no princípio do ano, no décimo dia do mês, catorze anos após a queda da cidade de Jerusalém, nesse mesmo dia, veio sobre mim a mão do Senhor, e ele me levou para lá. 2Em visões, Deus me levou à terra de Israel e me pôs sobre um monte muito alto, sobre o qual havia uma estrutura de cidade, para o lado sul. 3Ele me levou para lá, e eu vi um homem cuja aparência era como a do bronze. Estava em pé junto ao portão e tinha na mão um cordel de linho e uma cana de medir.

4O homem me disse:

— Filho do homem, veja com os próprios olhos, ouça com os próprios ouvidos e preste atenção em tudo o que eu lhe mostrar, porque para isso você foi trazido aqui. Anuncie à casa de Israel tudo o que você está vendo.

O portão do leste

5Vi uma muralha externa que rodeava todo o templo e, na mão do homem, uma cana de medir, que tinha três metros de comprimento. Ele mediu a largura da muralha e deu três metros; mediu a altura e deu três metros. 6Então veio ao portão que dava para o leste e subiu pelos seus degraus. Mediu o limiar do portão e deu três metros de largura. 7Cada câmara lateral tinha três metros de comprimento e três metros de largura. O espaço entre uma e outra câmara era de dois metros e meio. O limiar do portão, junto ao vestíbulo da porta interior, tinha três metros. 8Também mediu o vestíbulo da porta interior e deu três metros. 9Então mediu o vestíbulo do portão, que tinha quatro metros, e os seus pilares, que tinham um metro. O vestíbulo do portão está voltado para o templo. 10O portão do lado leste possuía três câmaras de cada lado, cuja medida era a mesma para cada uma. Também os pilares de cada lado tinham a mesma medida. 11Em seguida, ele mediu a largura da entrada do portão, que era de cinco metros; a profundidade da entrada era de seis metros e meio. 12Diante de cada uma das câmaras havia uma mureta, que tinha meio metro de espessura. Cada câmara tinha três metros de cada lado. 13Então ele mediu o portão desde a extremidade do teto de uma câmara até a da outra, e deu doze metros e meio. As portas das câmaras ficavam uma diante da outra. 14Mediu a distância até os pilares, e deu trinta metros, e o átrio se estendia até os pilares ao redor da porta. 15Desde a dianteira do portão da entrada até a dianteira do vestíbulo da porta interior, a distância era de vinte e cinco metros. 16Havia também janelas com ripas fixas superpostas para as câmaras e para os pilares, e do mesmo modo, para os vestíbulos. As janelas ficavam ao redor pela parte de dentro, e nos pilares havia palmeiras esculpidas.

O átrio exterior

17Ele me levou ao átrio exterior, e eis que havia nele câmaras e um pavimento em volta de todo o átrio. Diante deste pavimento havia trinta câmaras. 18O pavimento ao lado das portas tinha o mesmo comprimento das portas; esse era o pavimento inferior. 19Então mediu a largura desde a dianteira do portão inferior até a dianteira do átrio interior, e deu cinquenta metros do lado leste e do lado norte.

O portão do norte

20Quanto ao portão que dava para o norte, no átrio exterior, ele mediu o seu comprimento e a sua largura. 21As suas câmaras, três de um lado e três do outro, os seus pilares e os seus vestíbulos tinham as mesmas medidas do primeiro portão: vinte e cinco metros de comprimento e doze metros e meio de largura. 22As suas janelas, os seus vestíbulos e as suas palmeiras esculpidas tinham as mesmas medidas do portão que dava para o leste. Subia-se para esse portão por sete degraus, e o seu vestíbulo estava diante dele. 23Esse portão do átrio interior estava diante do portão do norte, como no caso do portão do leste. Ele mediu de um portão a outro portão, e deu cinquenta metros.

O portão do sul

24Então ele me levou para o lado sul, e eis que havia ali um portão que dava para o sul. Ele mediu os seus pilares e os seus vestíbulos, que tinham as mesmas dimensões dos outros. 25Havia também janelas ao redor dos seus vestíbulos, como as outras janelas; o comprimento era de vinte e cinco metros, e a largura, de doze metros e meio. 26Havia uma escada de sete degraus, e o seu vestíbulo estava diante dela; e tinha palmeiras esculpidas nos pilares, tanto de um lado como do outro. 27O átrio interior também tinha um portão que dava para o sul. Ele mediu de um portão ao outro, na direção do sul, e deu cinquenta metros.

O átrio interior: o portão do sul

28Então ele me levou ao átrio interior pelo portão do sul; ele mediu o portão do sul, que tinha as mesmas dimensões dos outros. 29As suas câmaras, os seus pilares e os seus vestíbulos tinham as mesmas medidas dos outros. Tinham também janelas ao redor dos seus vestíbulos; o comprimento era de vinte e cinco metros, e a largura, de doze metros e meio. 30Havia vestíbulos ao redor; o comprimento era de vinte e cinco metros, e a largura, de doze metros e meio. 31O seu vestíbulo dava para o átrio exterior, havia palmeiras esculpidas nos seus pilares, e a sua escada tinha oito degraus.

O átrio interior: o portão do leste

32Depois, ele me levou ao átrio interior, para o leste, e mediu o portão, que tinha as mesmas dimensões dos outros portões. 33Também as suas câmaras, os seus pilares e os seus vestíbulos tinham as mesmas medidas dos outros. Havia também janelas ao redor dos seus vestíbulos; o comprimento era de vinte e cinco metros, e a largura, de doze metros e meio. 34O seu vestíbulo dava para o átrio exterior, havia palmeiras esculpidas nos seus pilares, de um e de outro lado, e a sua escada tinha oito degraus.

O átrio interior: o portão do norte

35Então me levou ao portão do norte e o mediu; tinha as mesmas dimensões dos outros portões. 36Também as suas câmaras, os seus pilares, os seus vestíbulos e as suas janelas ao redor; o comprimento era de vinte e cinco metros, e a largura, de doze metros e meio. 37O seu vestíbulo dava para o átrio exterior, havia palmeiras esculpidas nos seus pilares, de um e de outro lado, e a sua escada tinha oito degraus.

Os edifícios perto do portão do norte

38Havia uma câmara com a sua entrada junto aos pilares dos vestíbulos onde lavavam os holocaustos. 39No vestíbulo do portão havia duas mesas de um lado e duas do outro, para nelas se degolar os holocaustos e as ofertas pelo pecado e pela culpa. 40Do lado de fora, na subida para a entrada do portão do norte havia duas mesas; e, no outro lado do vestíbulo do portão, havia duas mesas. 41Quatro mesas de um lado, e quatro do outro lado do portão; oito mesas, sobre as quais eram mortos os animais do sacrifício. 42As quatro mesas para os holocaustos eram de pedras lavradas. Tinham setenta e cinco centímetros de comprimento e de largura, e meio metro de altura. Sobre elas se punham os instrumentos com que matavam os animais para os holocaustos e os sacrifícios. 43Ganchos, de sete centímetros e meio de comprimento, estavam fixados à parede, em toda a sua extensão. Mas a carne para os sacrifícios estava sobre as mesas.

44Fora do portão interior, no átrio de dentro, estavam duas câmaras. Uma ficava ao lado do portão do norte, e dava para o sul; outra ficava ao lado do portão do sul, e dava para o norte. 45Ele me disse:

— Esta câmara que dá para o sul é para os sacerdotes que têm a guarda do templo, 46e a câmara que dá para o norte é para os sacerdotes que têm a guarda do altar. São eles os filhos de Zadoque, os quais, dentre os filhos de Levi, se aproximam do Senhor para o servir.

O átrio interior e o templo

47Ele mediu o átrio, que tinha cinquenta metros de comprimento e cinquenta de largura — um quadrado. O altar estava diante do templo.

48Então me levou ao vestíbulo do templo. Mediu cada pilar do vestíbulo: dois metros e meio de um lado e dois metros e meio do outro. A largura do portão era de um metro e meio de um lado e um metro e meio do outro. 49O comprimento do vestíbulo era de dez metros, e a largura, de seis metros. Era por degraus que se subia até lá. Havia colunas junto aos pilares, uma de um lado e outra do outro.

Ezequiel 40NAAAbrir na Bíblia

1Então ele me levou ao templo e mediu os pilares, três metros de largura de um lado e três metros de largura do outro, que era a largura do tabernáculo. 2A largura da entrada era de cinco metros, e as paredes laterais tinham dois metros e meio, uma de cada lado. Também mediu a profundidade da nave, e deu vinte metros; mediu a largura, e deu dez metros. 3Entrou na parte interior, mediu o pilar da entrada, e deu um metro; mediu a largura da entrada, e deu três metros. 4Também mediu o seu comprimento, e deu dez metros; mediu a largura, e deu dez metros, na parte frontal da nave. Então ele me disse:

— Este é o Santo dos Santos.

As câmaras laterais

5Depois ele mediu a parede do templo: três metros de espessura. A largura de cada câmara lateral era de dois metros. Essas câmaras ficavam em toda a volta do templo. 6As câmaras laterais estavam em três andares, câmara sobre câmara, trinta em cada andar. E havia reentrâncias na parede do templo ao redor, para as câmaras laterais, para que as vigas se apoiassem nelas e não fossem introduzidas na parede do templo. 7As câmaras laterais aumentavam em largura de andar para andar, correspondendo às reentrâncias do templo de andar em andar ao redor; por isso o templo era mais largo em cima. Assim, se subia do andar inferior para o superior, passando pelo andar do meio.

8E vi um pavimento elevado ao redor do templo; eram os alicerces das câmaras laterais de três metros de altura. 9A grossura da parede externa das câmaras laterais era de dois metros e meio. A área aberta entre as câmaras laterais do templo 10e as outras câmaras tinha dez metros de largura por todo o redor do templo. 11As entradas das câmaras laterais estavam voltadas para a área aberta: uma entrada para o norte e outra para o sul; a largura da área que sobrava era de dois metros e meio ao redor.

O edifício do lado oeste

12O edifício que estava numa área separada, do lado oeste, tinha a largura de trinta e cinco metros. A parede do edifício tinha dois metros e meio de espessura ao redor, e o seu comprimento era de quarenta e cinco metros.

As medidas totais do templo

13Então ele mediu o templo: cinquenta metros de comprimento. A área separada, o edifício e as suas paredes também tinham cinquenta metros de comprimento. 14A largura da frente do templo e da área separada, do lado oeste, era de cinquenta metros. 15Também mediu o comprimento do edifício, que estava na área separada e por detrás do templo, e as suas galerias em cada lado, e deu cinquenta metros.

O templo propriamente dito, o Santíssimo, o vestíbulo do átrio, 16os umbrais, as janelas estreitas e as galerias ao redor dos três, diante do umbral, estavam cobertos de madeira ao redor, e isto desde o chão até as janelas, que estavam cobertas. 17No espaço em cima da porta, e até o templo de dentro e de fora, e em toda a parede ao redor, por dentro e por fora, havia obras de escultura, 18a saber, querubins e palmeiras. Entre um querubim e outro querubim havia uma palmeira. Cada querubim tinha dois rostos: 19um rosto humano olhava para a palmeira de um lado, e um rosto de leão olhava para a palmeira do outro lado. Era assim por todo o templo ao redor. 20Desde o chão até acima da entrada havia querubins e palmeiras, até mesmo pela parede do templo.

21Os batentes do templo eram quadrados, e a entrada do Santo dos Santos tinha a mesma aparência.

O altar de madeira

22O altar de madeira tinha um metro e meio de altura, e o seu comprimento era de um metro. Os seus cantos, a sua base e os seus lados eram de madeira. O homem me disse:

— Esta é a mesa que está diante do Senhor.

As portas

23Tanto o templo quanto o Santo dos Santos tinham duas portas. 24Havia duas folhas para as portas, duas folhas dobráveis; duas para cada porta. 25Nelas, isto é, nas portas do templo, havia querubins e palmeiras, como havia nas paredes. Havia também uma cobertura feita de madeira na frente do vestíbulo por fora. 26E havia janelas estreitas e palmeiras em ambos os lados do vestíbulo, bem como nas câmaras laterais do templo e na cobertura de madeira.

Ezequiel 41NAAAbrir na Bíblia

Jerusalém, a noiva do Senhor

1Por amor de Sião, não me calarei

e, por amor de Jerusalém,

não me aquietarei,

até que a sua justiça saia

como um resplendor,

e a sua salvação,

como uma tocha acesa.

2As nações verão a sua justiça,

ó Jerusalém,

e todos os reis contemplarão

a sua glória;

e você será chamada

por um nome novo,

que a boca do Senhor designará.

3Você será uma coroa de glória

na mão do Senhor,

um diadema real

na mão do seu Deus.

4Nunca mais a chamarão

de “Abandonada”,

e a sua terra não será mais

chamada de “Arrasada”.

Você será chamada

de “Minha Delícia”,

e a sua terra, de “Casada”,

porque o Senhor se delicia

em você,

e a sua terra se casará.

5Porque, como o jovem

se casa com a moça,

assim os seus filhos

se casarão com você;

como o noivo

se alegra com a noiva,

assim o seu Deus

se alegrará com você.

6Sobre as suas muralhas,

ó Jerusalém, pus guardas,

que jamais se calarão,

nem de dia nem de noite.

Vocês, que farão

com que o Senhor se lembre,

não descansem,

7nem deem a ele descanso

até que restabeleça Jerusalém

e a ponha por objeto de louvor

na terra.

8O Senhor jurou

pela sua mão direita

e pelo seu braço poderoso:

“Nunca mais darei o seu cereal

como alimento

para os seus inimigos,

nem os estrangeiros

beberão o seu vinho,

que você produziu

com tanto trabalho.

9Mas aqueles que ajuntam

o cereal

serão os que o comerão,

louvando o Senhor;

e os que recolhem as uvas

beberão o vinho nos átrios

do meu santuário.”

10Passem, passem pelas portas!

Preparem o caminho para o povo!

Aterrem, aterrem a estrada,

tirem as pedras,

levantem um estandarte

para os povos.

11Eis que o Senhor fez ouvir

até os confins da terra

estas palavras:

“Digam à filha de Sião:

Eis que vem o seu Salvador;

com ele vem a sua recompensa,

e diante dele vem o seu galardão.”

12Eles serão chamados de

“Povo Santo”,

“Remidos do Senhor”,

e você, Jerusalém,

será chamada de “Procurada”,

“Cidade Não Abandonada”.

Isaías 62NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.19.1
SIGA A SBB: