Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 350

Texto(s) da Bíblia

A verdadeira justiça

1Quanto ao mais, meus irmãos, alegrem-se no Senhor. Escrever de novo as mesmas coisas não é um problema para mim e é segurança para vocês.

2Cuidado com os cães! Cuidado com os maus obreiros! Cuidado com a falsa circuncisão! 3Porque nós é que somos a circuncisão, nós, que adoramos a Deus no Espírito e nos gloriamos em Cristo Jesus, em vez de confiarmos na carne. 4É verdade que eu também poderia confiar na carne. Se alguém pensa que pode confiar na carne, eu ainda mais: 5fui circuncidado no oitavo dia, sou da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; quanto à lei, eu era fariseu; 6quanto ao zelo, perseguidor da igreja; quanto à justiça que há na lei, irrepreensível.

7Mas o que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. 8Na verdade, considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor. Por causa dele perdi todas as coisas e as considero como lixo, para ganhar a Cristo 9e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, mas aquela que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé. 10O que eu quero é conhecer Cristo e o poder da sua ressurreição, tomar parte nos seus sofrimentos e me tornar como ele na sua morte, 11para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos.

A soberana vocação

12Não que eu já tenha recebido isso ou já tenha obtido a perfeição, mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. 13Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficam para trás e avançando para as que estão diante de mim, 14prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.

15Todos, pois, que somos maduros, tenhamos este modo de pensar; e, se em alguma coisa vocês pensam de modo diferente, também isto Deus revelará para vocês. 16Seja como for, andemos de acordo com o que já alcançamos.

Os inimigos da cruz de Cristo

17Irmãos, sejam meus imitadores e observem os que vivem segundo o exemplo que temos dado a vocês. 18Pois muitos andam entre nós, dos quais repetidas vezes eu lhes dizia e agora digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. 19O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está naquilo de que deviam se envergonhar, visto que só pensam nas coisas terrenas. 20Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, 21o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas.

Filipenses 3NAAAbrir na Bíblia

Oolá e Oolibá, as duas prostitutas

1A palavra do Senhor veio a mim, dizendo:

2— Filho do homem, houve duas mulheres, filhas da mesma mãe. 3Elas se prostituíram no Egito; tornaram-se prostitutas quando eram jovens. Ali foram apertados os seus peitos e apalpados os seios da sua virgindade. 4Os nomes delas eram Oolá, a mais velha, e Oolibá, sua irmã. Elas eram minhas e tiveram filhos e filhas. Quanto aos nomes, Oolá é Samaria e Oolibá é Jerusalém.

5— Oolá se prostituiu quando era minha. Inflamou-se pelos seus amantes, pelos assírios, seus vizinhos, 6que se vestiam de azul, governadores e comandantes, todos jovens atraentes, cavaleiros montados em cavalos. 7Ela se prostituiu com eles, que eram todos a fina flor dos filhos da Assíria, e com todos aqueles pelos quais se inflamava; com todos os seus ídolos ela se contaminou. 8Não abandonou a prostituição que havia começado no Egito. Porque, quando era jovem, os homens se deitaram com ela, apalparam os seios da sua virgindade e a trataram como prostituta. 9Por isso, eu a entreguei nas mãos dos seus amantes, nas mãos dos filhos da Assíria, pelos quais havia se inflamado. 10Estes descobriram as vergonhas dela, levaram os seus filhos e as suas filhas, e a mataram à espada. Ela se tornou falada entre as mulheres por causa dos juízos que executaram sobre ela.

11— Apesar de ter visto isso, sua irmã Oolibá se corrompeu mais do que ela em sua paixão, e a sua prostituição foi pior do que a de sua irmã. 12Inflamou-se pelos filhos da Assíria, governadores e comandantes, seus vizinhos, vestidos com primor, cavaleiros montados em cavalos, todos jovens atraentes. 13Vi que também ela havia se contaminado; o caminho de ambas era o mesmo. 14Aumentou a sua prostituição, porque viu figuras de homens gravadas na parede, imagens dos caldeus, pintados de vermelho, 15de lombos cingidos e turbantes pendentes da cabeça, todos com aparência de oficiais, semelhantes aos filhos da Babilônia, nascidos na Caldeia. 16Vendo-os, Oolibá se inflamou por eles e lhes mandou mensageiros à Caldeia. 17Então os filhos da Babilônia vieram se deitar com ela no leito dos amores e a contaminaram com as suas prostituições. Após contaminar-se com eles, enojada, ela os abandonou. 18Assim, depois que ela mostrou a sua prostituição e a sua nudez, eu a abandonei, com nojo, assim como havia abandonado a irmã dela. 19Mas Oolibá multiplicou as suas prostituições, lembrando-se dos dias da sua juventude, quando era prostituta na terra do Egito. 20Inflamou-se pelos seus amantes, cujos membros eram como o de jumento e cuja ejaculação era como a dos cavalos. 21Assim, você trouxe à memória a perversidade dos seus tempos de jovem, quando os do Egito apalpavam os seus seios e apertavam os peitos da sua juventude.

22— Por isso, Oolibá, assim diz o Senhor Deus: “Eis que despertarei contra você os seus amantes, os quais, com nojo, você abandonou, e os trarei contra você de todos os lados: 23os filhos da Babilônia e todos os caldeus de Pecode, de Soa, de Coa e todos os filhos da Assíria com eles, jovens atraentes, governadores e comandantes, oficiais e homens de renome, todos montados em cavalos. 24Virão contra você com armas, carros de guerra e carretas, e com um grande exército. Eles se colocarão contra você com escudos grandes, escudos pequenos e capacetes. Deixarei que a julguem, e eles a julgarão segundo as suas leis. 25Porei contra você o meu zelo, e eles a tratarão com furor. Cortarão o seu nariz e as suas orelhas, e o que restar cairá à espada; levarão os seus filhos e as suas filhas, e quem ainda lhe restar será consumido pelo fogo. 26Eles arrancarão as suas roupas e levarão as suas belas joias. 27Assim, acabarei com a sua perversidade e com a prostituição que você trouxe da terra do Egito. Você não levantará os olhos para eles e não se lembrará mais do Egito.”

28— Porque assim diz o Senhor Deus: “Eis que eu a entregarei nas mãos daqueles que você odeia, nas mãos daqueles que, com nojo, você abandonou. 29Eles a tratarão com ódio, levarão todo o fruto do seu trabalho e a deixarão completamente nua. Ficará exposta a vergonha da sua prostituição, a sua perversidade e as suas devassidões. 30Isso lhe acontecerá, porque você se prostituiu com os gentios e se contaminou com os seus ídolos. 31Você andou no caminho de sua irmã; por isso, o copo que era dela eu entregarei a você.”

32— Assim diz o Senhor Deus:

“Você beberá o copo de sua irmã,

que é fundo e largo.

Você será motivo de riso

e de zombaria,

pois nele cabe muito.

33Você ficará

completamente bêbada

e sentirá muita dor;

o copo de sua irmã Samaria

é copo de espanto e de desolação.

34Você o beberá até a última gota,

ficará roendo os cacos,

e rasgará os próprios seios.

Porque eu falei”,

diz o Senhor Deus.

35— Portanto, assim diz o Senhor Deus: “Visto que você se esqueceu de mim e me virou as costas, também terá de sofrer as consequências da sua perversidade e das suas prostituições.”

36Disse-me ainda o Senhor:

— Filho do homem, você está pronto para julgar Oolá e Oolibá? Mostre-lhes as suas abominações. 37Porque elas cometeram adultério, e nas suas mãos há culpa de sangue. Adulteraram com os seus ídolos, e até os filhos que tiveram comigo elas ofereceram aos ídolos para serem consumidos pelo fogo. 38E fizeram mais isto: no mesmo dia contaminaram o meu santuário e profanaram os meus sábados. 39Pois, havendo sacrificado seus filhos aos ídolos, vieram, no mesmo dia, ao meu santuário para o profanarem; foi o que fizeram em meu templo. 40E mais ainda: mandaram vir uns homens de longe, aos quais tinha sido enviado um mensageiro, e eis que eles vieram. Por amor deles, você se banhou, pintou os olhos e se enfeitou com joias. 41Você se assentou num suntuoso leito, diante do qual se achava uma mesa preparada, sobre a qual você pôs o meu incenso e o meu óleo. 42Ouvia-se com ela a voz de uma multidão alegre. Com homens de classe baixa foram trazidos do deserto uns bêbados, que puseram braceletes nas mãos delas e, na cabeça, belas coroas. 43Então eu disse a respeito da mulher envelhecida em adultérios: “Agora ela vai continuar com as suas prostituições!” 44E tiveram relações com ela, como quem tem relações com uma prostituta. Foi assim que tiveram relações com Oolá e Oolibá, essas mulheres depravadas. 45Mas homens justos as julgarão como se julgam as adúlteras e as assassinas; porque são adúlteras, e, nas suas mãos, há culpa de sangue.

46— Pois assim diz o Senhor Deus: Trarei contra elas uma grande multidão e as entregarei ao tumulto e ao saque. 47A multidão as apedrejará e as golpeará com as suas espadas; matarão os seus filhos e as suas filhas e queimarão as suas casas. 48Assim, acabarei com a perversidade da terra, para que isso sirva de aviso a todas as mulheres e elas não sigam o exemplo da perversidade delas. 49Vocês serão castigadas por causa da sua perversidade e sofrerão as consequências de seus pecados de idolatria. E saberão que eu sou o Senhor Deus.

Ezequiel 23NAAAbrir na Bíblia

Palavra de conforto para Sião

1“Escutem, vocês que procuram

a justiça,

vocês que buscam o Senhor:

olhem para a rocha

da qual vocês foram cortados

e para a pedreira

de onde foram tirados.

2Olhem para Abraão, seu pai,

e para Sara, que os deu à luz.

Porque Abraão era um só,

quando eu o chamei,

o abençoei e o multipliquei.

3Porque o Senhor terá piedade

de Sião;

terá piedade de todos

os seus lugares desolados.

Fará o seu deserto como o Éden,

e os seus lugares áridos,

como o jardim do Senhor.

Ali haverá júbilo e alegria,

ações de graças e som de música.”

4“Preste atenção, meu povo,

e escute, minha nação!

Porque de mim sairá a lei,

e estabelecerei o meu direito

como luz dos povos.

5Perto está a minha justiça,

a minha salvação já aparece,

e os meus braços

dominarão os povos.

As terras do mar me aguardam

e no meu braço esperam.

6Levantem os olhos para os céus

e olhem para a terra,

aqui embaixo!

Porque os céus desaparecerão

como a fumaça,

e a terra envelhecerá

como a roupa;

os seus moradores morrerão

como mosquitos,

mas a minha salvação

durará para sempre,

e a minha justiça

não será anulada.”

7“Escutem, vocês que conhecem

a justiça,

vocês, povo em cujo coração

está a minha lei:

não temam os insultos

dos homens,

nem fiquem assustados

por causa das suas zombarias.

8Porque as traças os roerão

como fazem com a roupa,

e os bichos os comerão

como fazem com a lã.

Mas a minha justiça

durará para sempre,

e a minha salvação,

de geração em geração.

9Desperta! Desperta,

braço do Senhor,

e arma-te de força!

Desperta como nos dias passados,

como nas gerações antigas!

Não és tu aquele que cortou

Raabe em pedaços

e feriu o monstro marinho?

10Não és tu aquele

que secou o mar,

as águas do grande abismo?

Não abriste um caminho no fundo do mar,

para que passassem os remidos?

11Os resgatados do Senhor

voltarão

e entrarão em Sião

com cânticos de júbilo.

Alegria eterna coroará

a sua cabeça.

Ficarão tomados

de júbilo e alegria,

e deles fugirão

a tristeza e o gemido.”

12“Eu, eu sou aquele

que os consola;

quem, então, é você,

para que tenha medo

do homem, que é mortal,

ou do filho do homem,

que não passa de erva?

13Por que você se esquece

do Senhor, que o criou,

que estendeu os céus

e fundou a terra,

e todo o dia, sem cessar,

teme a fúria do opressor,

que se prepara para destruir?

Onde está a fúria do opressor?

14O exilado cativo depressa

será libertado,

lá não morrerá,

lá não descerá à sepultura;

o seu pão não lhe faltará.”

15“Pois eu sou o Senhor, seu Deus,

que agito o mar,

de modo que bramem

as suas ondas.

O meu nome é

Senhor dos Exércitos.

16Confio a você as minhas palavras

e o protejo com a sombra

da minha mão,

para que eu estenda os céus,

firme a terra e diga a Sião:

‘Você é o meu povo.’”

17Acorde! Acorde e levante-se,

ó Jerusalém,

você que bebeu da mão do Senhor

o cálice da sua ira,

você que esgotou

o cálice de atordoamento.

18De todos os filhos que ela teve

nenhum a guiou;

de todos os filhos que criou

nenhum a tomou pela mão.

19Estas duas coisas

lhe sobrevieram,

mas quem teve

compaixão de você?

Houve destruição e ruína,

fome e espada,

mas quem veio consolar você?

20Os seus filhos desmaiaram,

jazem nas esquinas

de todas as ruas,

como o antílope na rede.

Estão cheios da ira do Senhor

e da repreensão do seu Deus.

21Por isso, agora escute isto,

você que está aflita e embriagada,

mas não de vinho.

22Assim diz o seu Senhor,

o Senhor, seu Deus,

que defenderá a causa

do seu povo:

“Eis que eu tiro da sua mão

o cálice de atordoamento,

o cálice da minha ira.

Você nunca mais beberá dele.

23Eu o porei nas mãos

dos que a atormentaram,

dos que lhe disseram:

‘Abaixe-se, para que passemos

por cima de você!’

E você pôs as suas costas

como chão

e como rua para os que passavam.”

Isaías 51NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.8
SIGA A SBB: