Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 331

Texto(s) da Bíblia

O apostolado aos judeus e aos gentios

1Catorze anos depois, fui outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também Tito. 2Fui em obediência a uma revelação. E lhes apresentei o evangelho que prego entre os gentios — mas fiz isso em particular aos que pareciam de maior influência —, para não correr ou ter corrido em vão. 3Mas, nem mesmo Tito, que estava comigo, sendo grego, foi obrigado a submeter-se à circuncisão. 4E isto surgiu por causa dos falsos irmãos que se haviam infiltrado para espreitar a liberdade que temos em Cristo Jesus e nos reduzir à escravidão. 5A esses não nos submetemos por um instante sequer, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vocês.

6E, quanto àqueles que pareciam ser alguma coisa — o que eles foram, no passado, não me interessa; Deus não aceita a aparência do homem —, esses, digo, que pareciam ser de maior influência, nada me acrescentaram. 7Pelo contrário, quando viram que me havia sido confiado o evangelho da incircuncisão, assim como a Pedro foi confiado o evangelho da circuncisão 8— pois aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão também operou eficazmente em mim para com os gentios — 9e, quando reconheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas, estenderam a mim e a Barnabé a mão direita da comunhão, a fim de que nós fôssemos para os gentios e eles fossem para a circuncisão. 10Somente recomendaram que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer.

Paulo repreende Pedro

11Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque havia se tornado repreensível. 12De fato, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, ele comia com os gentios; quando, porém, chegaram, começou a afastar-se e, por fim, separou-se, temendo os da circuncisão. 13E também os demais judeus se fizeram hipócritas juntamente com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela hipocrisia deles. 14Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, eu disse a Cefas, na presença de todos: “Se você, que é judeu, vive como gentio e não como judeu, por que quer obrigar os gentios a viverem como judeus?”

A justificação pela fé em Cristo Jesus

15Nós, judeus por natureza e não pecadores dentre os gentios, 16sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Jesus Cristo, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois por obras da lei ninguém será justificado. 17Mas, se nós, procurando ser justificados em Cristo, fomos também achados pecadores, será que isto significa que Cristo é ministro do pecado? De modo nenhum! 18Porque, se volto a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo constituo transgressor. 19Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; 20logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. E esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. 21Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que Cristo morreu em vão.

Gálatas 2NAAAbrir na Bíblia

Profecia a respeito dos amonitas

1A respeito dos filhos de Amom, assim diz o Senhor:

“Por acaso Israel não tem filhos?

Não tem herdeiro?

Então por que Milcom herdou

o território de Gade,

e o seu povo mora

nas cidades dessa tribo?

2Portanto, eis que vêm dias”,

diz o Senhor,

“em que farei ouvir

o alarido de guerra

em Rabá dos filhos de Amom.

Ela se tornará

um montão de ruínas,

e as suas aldeias serão queimadas;

e Israel retomará a herança

que lhe havia sido tirada”,

diz o Senhor.

3“Chore, povo de Hesbom,

porque a cidade de Ai foi destruída.

Gritem, filhos de Rabá,

vistam roupa feita de pano de saco,

lamentem e deem voltas

por entre as muralhas.

Porque Milcom irá para o cativeiro,

junto com os seus sacerdotes

e os seus príncipes.

4Por que você se orgulha nos vales,

nos seus vales férteis,

ó filha rebelde,

que confia nos seus tesouros,

dizendo: ‘Quem me atacará?’

5Eis que de todos os lados

trarei terror sobre você”,

diz o Senhor,

o Senhor dos Exércitos.

“Vocês serão dispersos,

cada um numa direção,

e não haverá quem consiga

reunir os fugitivos.”

6— Mas depois disto mudarei a sorte dos filhos de Amom, diz o Senhor.

Profecia a respeito dos edomitas

7A respeito de Edom, assim diz o Senhor dos Exércitos:

“Por acaso não existe mais

sabedoria em Temã?

Será que pereceu

o conselho dos sábios?

Desvaneceu a sabedoria deles?

8Fujam, voltem,

escondam-se em cavernas,

ó moradores de Dedã,

porque eu trarei sobre ele

a ruína de Esaú,

o tempo do seu castigo.

9Se os que colhem uvas

fossem até você,

não deixariam pelo menos

alguns cachos?

Se ladrões viessem de noite,

não danificariam

só o que lhes bastasse?

10Mas eu despi Esaú,

descobri os seus esconderijos,

e não poderá se esconder.

Está destruída a sua descendência,

bem como os seus irmãos

e vizinhos,

e ele já não existe.

11Deixe os seus órfãos,

que eu os guardarei em vida;

e as suas viúvas

podem confiar em mim.”

12— Porque assim diz o Senhor: “Se até os que não estavam condenados a beber o cálice terão de bebê-lo, por que você ficaria impune? Você não ficará impune, mas certamente beberá esse cálice. 13Porque por mim mesmo jurei”, diz o Senhor, “que Bozra será objeto de horror, de deboche, de desolação e de maldição; e todas as suas cidades se tornarão em ruínas perpétuas.”

Os pecados e o castigo de Edom

14Eu ouvi uma notícia

vinda do Senhor,

e um mensageiro foi enviado

às nações para lhes dizer:

“Reúnam-se

e venham atacar Edom!

Preparem-se para a guerra.”

15“Eis que fiz de você

uma nação pequena

entre as outras,

desprezada entre os povos.

16O terror que você inspira

e o orgulho do seu coração

o enganaram.

Você, que vive nas fendas

das rochas

e ocupa as alturas dos montes,

ainda que eleve o seu ninho

como a águia,

de lá eu o derrubarei”,

diz o Senhor.

17— Assim, Edom será objeto de horror; todo aquele que passar por ele ficará espantado e zombará por causa do desastre que lhe aconteceu. 18Como na destruição de Sodoma e Gomorra e das suas cidades vizinhas, diz o Senhor, assim não habitará ninguém ali, nem morará nele homem algum. 19Eis que, assim como o leão sobe da floresta do Jordão contra o rebanho em pasto verde, assim, num momento, farei com que Edom fuja dali. E estabelecerei sobre ele a quem eu escolher. Pois quem é semelhante a mim? Quem me pedirá contas? E quem é o pastor que me poderá resistir?

20— Portanto, ouçam a decisão que o Senhor tomou contra Edom, e os planos que ele fez contra os moradores de Temã. Certamente até os menores do rebanho serão arrastados. Certamente as suas moradas serão destruídas por causa deles. 21A terra tremerá com o estrondo da sua queda; e os seus gritos serão ouvidos até o mar Vermelho. 22Eis que um inimigo, como águia, subirá, voará e estenderá as suas asas contra Bozra. Naquele dia, o coração dos valentes de Edom será como o coração da mulher que está em dores de parto.

Profecia a respeito de Damasco

23A respeito de Damasco.

“As cidades de Hamate

e Arpade estão envergonhadas;

e, tendo ouvido más notícias,

cambaleiam;

são como o mar agitado,

que não se pode sossegar.

24Damasco está enfraquecida;

virou as costas para fugir.

Tremor tomou conta dela;

angústia e dores lhe sobrevieram,

como de mulher

que está dando à luz.

25Como está abandonada

a famosa cidade,

a cidade da alegria!

26Portanto, os seus jovens

cairão nas suas praças;

todos os homens de guerra

serão reduzidos

a silêncio naquele dia”,

diz o Senhor dos Exércitos.

27“Porei fogo nas muralhas

de Damasco,

o qual queimará os palácios

de Ben-Hadade.”

Profecia a respeito de Quedar e de Hazor

28A respeito de Quedar e dos reinos de Hazor, que foram derrotados por Nabucodonosor, rei da Babilônia, assim diz o Senhor:

“Levantem-se e ataquem Quedar;

destruam esse povo do Oriente.

29Eles pegarão as suas tendas,

os seus rebanhos;

levarão embora as lonas

das suas tendas,

todos os seus bens

e os seus camelos;

e lhes gritarão:

‘Há terror por todos os lados!’

30Fujam, afastem-se

para bem longe,

escondam-se em cavernas,

ó moradores de Hazor”,

diz o Senhor.

“Porque Nabucodonosor,

rei da Babilônia,

tomou uma decisão

e formou um plano contra vocês.

31Levantem-se, babilônios,

e ataquem uma nação

que vive em paz

e sem desconfiar de nada”,

diz o Senhor;

“que não tem portões,

nem ferrolhos;

eles vivem isolados.

32Os seus camelos

serão para presa,

e os seus muitos rebanhos de gado

serão levados como despojo.

Espalharei a todos os ventos

aqueles que cortam

os cabelos nas têmporas

e de todos os lados

lhes trarei a ruína”,

diz o Senhor.

33“Hazor se tornará

em morada de chacais,

um lugar desolado para sempre.

Ninguém vai morar ali,

homem nenhum habitará nela.”

Profecia a respeito de Elão

34Palavra do Senhor que veio ao profeta Jeremias a respeito de Elão, no princípio do reinado de Zedequias, rei de Judá. 35Assim diz o Senhor dos Exércitos:

— Eis que eu quebrarei o arco de Elão, a fonte do seu poder. 36Trarei sobre Elão os quatro ventos dos quatro cantos da terra e os dispersarei na direção de todos esses ventos; e não haverá país aonde não cheguem os fugitivos de Elão. 37Farei com que o povo de Elão trema diante dos seus inimigos e diante dos que querem matá-los. Farei vir sobre os elamitas o mal, o furor da minha ira, diz o Senhor; e enviarei a espada após eles, até que eu os tenha destruído. 38Porei o meu trono em Elão e destruirei dali o rei e os oficiais, diz o Senhor. 39Mas, nos últimos dias, mudarei a sorte de Elão, diz o Senhor.

Jeremias 49NAAAbrir na Bíblia

Profecia a respeito da Babilônia

1Palavra que o Senhor falou contra a Babilônia e contra a terra dos caldeus, por meio do profeta Jeremias.

2“Anunciem entre as nações,

proclamem e levantem

um estandarte;

proclamem, não encubram nada.

Digam: ‘Babilônia foi tomada,

Bel foi humilhado,

Marduque foi destruído.

As suas imagens estão cobertas

de vergonha,

e seus ídolos tremem de terror.’”

3— Porque do Norte veio contra ela uma nação que tornará deserta a sua terra, e não haverá quem nela habite; tanto as pessoas como os animais fugiram e se foram. 4Naqueles dias, naquele tempo, diz o Senhor, os filhos de Israel voltarão, eles e os filhos de Judá juntamente; andando e chorando, virão e buscarão o Senhor, seu Deus. 5Perguntarão pelo caminho que leva a Sião, com o rosto voltado para lá, e dirão: “Venham, vamos nos unir ao Senhor em aliança eterna que jamais será esquecida.” 6O meu povo tem sido um rebanho de ovelhas perdidas. Os seus pastores as fizeram andar errantes e deixaram que elas se desviassem para os montes. Andaram de monte em monte e se esqueceram do seu aprisco. 7Todos os que as acharam as devoraram. Os seus adversários diziam: “Não é culpa nossa!” Porque eles pecaram contra o Senhor, a morada da justiça, e contra a esperança de seus pais, o Senhor.

8— Fujam da Babilônia! Saiam da terra dos caldeus! Sejam como os bodes que vão adiante do rebanho! 9Porque eis que eu suscitarei e farei vir contra a Babilônia um conjunto de grandes nações da terra do Norte, e se porão em ordem de batalha contra ela; assim ela será tomada. As flechas deles serão como guerreiros bem treinados que nunca voltam de mãos vazias.

10— A Caldeia servirá de presa; todos os que a saquearem se fartarão, diz o Senhor.

11“Ainda que se alegrem e exultem,

ó saqueadores da minha herança,

ainda que saltem

como um bezerro no pasto

e fiquem rinchando

como um cavalo fogoso,

12a mãe de vocês ficará

profundamente envergonhada;

aquela que os deu à luz

será humilhada.

Eis que ela será

a última das nações,

um deserto, uma terra seca

e uma solidão.

13Por causa da indignação

do Senhor,

não será habitada,

mas ficará totalmente deserta.

Quem passar pela Babilônia

ficará espantado

e zombará por causa do desastre

que lhe aconteceu.

14Ponham-se em ordem de batalha

ao redor da Babilônia,

todos vocês que manejam o arco!

Atirem contra ela!

Não poupem flechas,

porque ela pecou contra o Senhor.

15Gritem contra ela, rodeando-a!

Ela já se rendeu.

As suas torres caíram

e as suas muralhas

vieram abaixo.

Esta é a vingança do Senhor;

vinguem-se dela;

façam com ela o que ela fez

com os outros.

16Eliminem da Babilônia

o que semeia

e o que maneja a foice

no tempo da colheita.

Por causa da espada do opressor,

cada um voltará para o seu povo

e cada um fugirá para a sua terra.”

A volta de Israel

17— Israel é cordeiro desgarrado, que os leões afugentaram. Primeiro, o rei da Assíria o devorou, e, por fim, Nabucodonosor lhe quebrou os ossos. 18Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel: Eis que castigarei o rei da Babilônia e a sua terra, como castiguei o rei da Assíria. 19Farei Israel voltar para a sua morada, e pastará no Carmelo e em Basã; matará a sua fome na região montanhosa de Efraim e em Gileade. 20Naqueles dias e naquele tempo, diz o Senhor, se sairá em busca da iniquidade de Israel, mas ela já não existirá; procurarão os pecados de Judá, mas eles não serão encontrados, porque perdoarei aqueles que eu deixar como remanescente.

A condenação da Babilônia

21“Ataque a terra de Merataim

e os moradores de Pecode.

Mate e destrua tudo após eles”,

diz o Senhor,

“e faça tudo o que lhe ordenei.

22Há na terra estrondo de batalha

e de grande destruição.

23Como está quebrado,

feito em pedaços

o martelo de toda a terra!

Como a Babilônia se tornou

objeto de horror

entre as nações!

24Preparei uma armadilha,

ó Babilônia,

e você, sem se dar conta, caiu nela.

Você foi surpreendida e apanhada,

porque desafiou o Senhor.

25O Senhor abriu o seu arsenal

e tirou dele as armas

da sua indignação,

porque o Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

tem uma obra a realizar

na terra dos caldeus.

26Venham contra ela

de todos os confins da terra!

Abram os seus celeiros,

façam dela montões de ruínas,

destruam-na por completo!

Não deixem sobrar nada!

27Matem à espada

todos os seus touros!

Que sejam levados

para o matadouro!

Ai deles! Pois é chegado o seu dia,

o tempo do seu castigo.”

28— Ouve-se a voz dos que fugiram e escaparam da terra da Babilônia, para anunciarem em Sião a vingança do Senhor, nosso Deus, a vingança pelo que fizeram contra o seu templo.

29— Convoquem uma multidão de flecheiros para que ataquem a Babilônia. Acampem-se ao redor dela e não deixem ninguém escapar. Retribuam-lhe segundo a sua obra; façam com ela o que ela fez com os outros. Porque ela procedeu com arrogância contra o Senhor, contra o Santo de Israel. 30Portanto, os seus jovens cairão nas suas praças, e todos os seus homens de guerra serão reduzidos a silêncio naquele dia, diz o Senhor.

31“Eis que eu sou contra você,

cidade orgulhosa”,

diz o Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

“porque chegou o seu dia,

o tempo em que hei de castigá-la.

32Então o orgulhoso tropeçará

e cairá,

e não haverá ninguém

que o levante.

Porei fogo nas suas cidades,

o qual queimará

todos os seus arredores.”

33— Assim diz o Senhor dos Exércitos: “Os filhos de Israel e os filhos de Judá sofrem opressão juntamente. Todos aqueles que os levaram cativos os retêm e não querem deixá-los ir embora. 34Mas o Redentor deles é forte; Senhor dos Exércitos é o seu nome. Certamente defenderá a causa deles, para aquietar a terra e inquietar os moradores da Babilônia.”

35Diz o Senhor:

“A espada virá sobre os caldeus,

sobre os moradores da Babilônia

e sobre os seus príncipes

e os seus sábios.

36A espada virá sobre os adivinhos,

e eles se tornarão tolos;

virá sobre os valentes dela,

e ficarão apavorados.

37A espada virá

sobre os seus cavalos

e sobre os seus carros de guerra.

Virá sobre os mercenários

que estão no meio dela,

e eles ficarão com medo

como se fossem mulheres.

A espada virá

sobre os tesouros dela,

e serão saqueados.

38A espada virá

sobre as suas águas,

e estas secarão;

porque é uma terra

de imagens de escultura,

e os seus moradores enlouquecem

por estas coisas horríveis.”

39— Por isso, as feras do deserto com os chacais habitarão na Babilônia; também os avestruzes habitarão nela. Nunca mais será povoada, nem habitada de geração em geração. 40Como quando Deus destruiu Sodoma e Gomorra e as suas cidades vizinhas, diz o Senhor, assim não habitará ninguém ali, nem morará nela homem algum.

41“Eis que um povo vem do Norte;

uma grande nação e muitos reis

se levantarão dos confins da terra.

42Armam-se de arco e de lança;

são cruéis e não conhecem

a compaixão.

O barulho que fazem

é como o bramido do mar.

Vêm montados em cavalos,

como guerreiros

em ordem de batalha

contra você, ó filha da Babilônia.

43O rei da Babilônia

ouviu a fama deles,

e as suas mãos desfaleceram;

a angústia se apoderou dele,

e dores, como de mulher

que está dando à luz.”

44— Eis que, como o leão sobe da floresta do Jordão contra o rebanho em pasto verde, assim, num momento, farei com que ela fuja dali. E estabelecerei sobre ela a quem eu escolher. Pois quem é semelhante a mim? Quem me pedirá contas? E quem é o pastor que me poderá resistir? 45Portanto, ouçam a decisão que o Senhor tomou contra a Babilônia, e os planos que ele fez contra a terra dos caldeus. Certamente até os menores do rebanho serão arrastados. Certamente as suas moradas serão destruídas por causa deles. 46A terra tremerá com o estrondo da tomada da Babilônia; e o seu grito será ouvido entre as nações.

Jeremias 50NAAAbrir na Bíblia

Súplica por libertação

Salmo de Davi

1Ouve, Senhor, a minha oração,

dá ouvidos às minhas súplicas.

Responde-me,

segundo a tua fidelidade,

segundo a tua justiça.

2Não entres em juízo

com o teu servo,

porque à tua vista

não há justo nenhum vivente.

3Pois o inimigo tem perseguido

a minha alma;

tem lançado por terra a minha vida;

tem-me feito habitar na escuridão,

como aqueles que morreram

há muito tempo.

4Por isso, dentro de mim

esmorece o meu espírito,

e o coração está aflito.

5Lembro-me dos dias de outrora,

penso em todos os teus feitos

e medito nas obras das tuas mãos.

6A ti levanto as mãos;

a minha alma anseia por ti

como terra sedenta.

7Senhor, responde-me depressa!

O meu espírito desfalece;

não me escondas a tua face,

para que eu não me torne

como os que baixam à cova.

8Faze-me ouvir, pela manhã,

da tua graça,

pois em ti confio;

mostra-me o caminho

por onde devo andar,

porque a ti elevo a minha alma.

9Livra-me, Senhor,

dos meus inimigos;

pois em ti é que me refugio.

10Ensina-me a fazer a tua vontade,

pois tu és o meu Deus;

que o teu bom Espírito me guie

por terreno plano.

11Vivifica-me, Senhor,

por amor do teu nome;

por amor da tua justiça,

tira a minha alma da angústia.

12E, por tua misericórdia,

acaba com os meus inimigos

e destrói todos

os meus adversários,

pois eu sou teu servo.

Salmos 143NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.8
SIGA A SBB: