Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 292

Texto(s) da Bíblia

1Depois destas coisas, ouvi no céu o que parecia ser a voz forte de uma grande multidão, dizendo:

“Aleluia!

A salvação, a glória e o poder

são do nosso Deus,

2porque verdadeiros e justos

são os seus juízos,

pois julgou a grande prostituta

que corrompia a terra

com a sua prostituição

e das mãos dela vingou

o sangue dos seus servos.”

3E disseram pela segunda vez:

“Aleluia!

E a sua fumaça sobe

para todo o sempre.”

4Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes se prostraram e adoraram a Deus, que está sentado no trono, dizendo:

“Amém! Aleluia!”

As bodas do Cordeiro

5E do trono saiu uma voz, que dizia:

“Louvem o nosso Deus,

todos vocês, os seus servos,

todos os que o temem,

os pequenos e os grandes.”

6Então ouvi o que parecia ser a voz de uma grande multidão, uma voz como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo:

“Aleluia!

Pois reina o Senhor,

nosso Deus, o Todo-Poderoso.

7Alegremo-nos, exultemos

e demos-lhe a glória,

porque chegou a hora

das bodas do Cordeiro,

e a noiva dele já se preparou.

8A ela foi permitido vestir-se

de linho finíssimo,

resplandecente e puro.”

Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.

9Então o anjo me disse:

— Escreva: “Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro.”

E acrescentou:

— São estas as verdadeiras palavras de Deus.

10Prostrei-me diante dos seus pés para adorá-lo. O anjo, porém, me disse:

— Não faça isso! Sou um servo de Deus, assim como são você e os seus irmãos que guardam o testemunho de Jesus. Adore a Deus!

Pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia.

Cristo, o vencedor da besta e do falso profeta

11Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e combate com justiça. 12Os seus olhos são como chama de fogo; na cabeça dele há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, a não ser ele mesmo. 13Está vestido com um manto encharcado de sangue, e o seu nome é “Verbo de Deus”. 14Os exércitos do céu o seguiam, montados em cavalos brancos e vestidos de linho finíssimo, branco e puro. 15Da sua boca sai uma espada afiada, para com ela ferir as nações. Ele mesmo as regerá com cetro de ferro e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso. 16No seu manto e na sua coxa está escrito um nome: “Rei dos reis e Senhor dos senhores”.

17Então vi um anjo posto em pé no sol. Ele gritou com voz forte, dizendo a todas as aves que voam pelo meio do céu:

— Venham, reúnam-se para a grande ceia de Deus, 18para comer carne de reis, carne de comandantes, carne de poderosos, carne de cavalos e seus cavaleiros, carne de todos, quer livres, quer escravos, tanto pequenos como grandes.

19E vi a besta e os reis da terra, com os seus exércitos, reunidos para fazer guerra contra aquele que estava montado no cavalo e contra o seu exército. 20Mas a besta foi presa, e com ela foi preso o falso profeta que, com os sinais feitos diante da besta, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que queima com enxofre. 21Os outros foram mortos com a espada que saía da boca daquele que estava montado no cavalo. E todas as aves se fartaram das suas carnes.

Apocalipse 19NAAAbrir na Bíblia

A parábola da vinha

1Agora cantarei ao meu amado

o seu cântico a respeito

da sua vinha.

O meu amado teve uma vinha

numa colina fértil.

2Ele cavou a terra, tirou as pedras

e plantou as melhores mudas

de videira.

No meio da vinha

ele construiu uma torre

e fez também um lagar.

Ele esperava que desse uvas boas,

mas deu uvas bravas.

3“E agora,

ó moradores de Jerusalém

e homens de Judá,

peço que julguem entre mim

e a minha vinha.

4Que mais se podia fazer

à minha vinha,

que eu não lhe tenha feito?

E como, esperando eu

que desse uvas boas,

veio a produzir uvas bravas?”

5“E agora lhes darei a conhecer

o que pretendo fazer

com a minha vinha:

vou tirar a cerca que está ao redor,

para que a vinha sirva de pasto;

derrubarei o seu muro,

para que ela seja pisoteada.

6Farei dela um lugar abandonado;

não será podada, nem cavada,

mas crescerão nela espinheiros

e ervas daninhas.

Também darei ordem às nuvens

para que não derramem

chuva sobre ela.”

7Porque a vinha

do Senhor dos Exércitos

é a casa de Israel,

e os homens de Judá são

a planta preferida do Senhor.

Este esperava retidão,

mas eis aí opressão;

esperava justiça, mas eis aí clamor

por causa da injustiça.

Ai dos maus!

8Ai dos que ajuntam casas

e mais casas,

reúnem para si campos

e mais campos,

até que não haja mais lugar,

e ficam como únicos moradores

no meio da terra!

9Eu ouvi o Senhor dos Exércitos

dizer isto:

“Na verdade, muitas casas

ficarão desertas,

até as grandes e belas

ficarão sem moradores.

10Uma grande vinha produzirá

somente alguns litros de vinho,

e um saco cheio de semente

não dará mais do que

alguns quilos de trigo.”

11Ai dos que se levantam

pela manhã

para logo se embriagarem,

e continuam até alta noite,

até que o vinho os esquente!

12Liras e harpas, tamborins e flautas

— e vinho — não faltam

nos seus banquetes;

porém não consideram

os feitos do Senhor,

nem olham para as obras

das suas mãos.

13Portanto, o meu povo

será levado cativo

por falta de entendimento;

os seus nobres passarão fome,

e o povo simples morrerá de sede.

14Por isso, a sepultura aumentou

o seu apetite

e abriu ao máximo a sua boca.

Para lá desce

o esplendor de Jerusalém

e a sua multidão,

o seu ruído

e os que nela se alegram.

15Então o povo será abatido

e as pessoas se humilharão;

e os olhos dos orgulhosos

serão humilhados.

16Mas o Senhor dos Exércitos

será exaltado em juízo;

Deus, o Santo,

será santificado em justiça.

17Então os cordeiros pastarão ali

como se estivessem no seu pasto;

e os nômades se nutrirão

dos campos

que os ricos deixaram

abandonados.

18Ai dos que puxam para si

a iniquidade

com cordões de injustiça,

que puxam o pecado como se faz

com as cordas de uma carroça!

19E dizem: “Que Deus se apresse

e termine logo a sua obra,

para que a vejamos!

Que se aproxime

e se manifeste o conselho

do Santo de Israel,

para que o conheçamos!”

20Ai dos que ao mal chamam bem

e ao bem chamam mal;

que fazem das trevas luz

e da luz fazem trevas;

que mudam o amargo em doce

e o doce mudam em amargo!

21Ai dos que são sábios

aos seus próprios olhos

e inteligentes

em seu próprio conceito!

22Ai dos que são heróis

para beber vinho

e valentes para misturar

bebida forte;

23que por suborno

justificam o ímpio,

mas ao justo negam justiça!

Deus castigará o seu povo

24Portanto, assim como as labaredas

consomem a palha,

e a erva seca se desfaz pela chama,

assim a raiz deles

será como podridão,

e a flor deles subirá como pó;

porque rejeitaram a lei

do Senhor dos Exércitos

e desprezaram a palavra

do Santo de Israel.

25Por isso, a ira do Senhor

se acendeu contra o seu povo,

povo contra o qual estendeu a mão

e ao qual castigou.

Os montes tremeram

e os seus cadáveres são como lixo

no meio das ruas.

Nem com tudo isto

se desviou a ira de Deus,

e a mão dele continua estendida.

26Ele levantará um estandarte

para as nações distantes

e lhes assobiará para que venham

das extremidades da terra;

e eis que elas vêm rapidamente,

com toda pressa.

27Não há entre elas

quem esteja cansado,

nem quem tropece;

ninguém dormita, nem dorme.

Eles não desatam

o cinto dos seus lombos,

e as correias das suas sandálias

não se rompem.

28As suas flechas são afiadas,

e todos os seus arcos, entesados.

Os cascos dos seus cavalos

são duros como pedra,

e as rodas dos seus carros de guerra

são como um redemoinho.

29O rugido deles é como o do leão;

rugem como filhos de leão,

e, rosnando, arrebatam a presa

e a levam, e não há quem a livre.

30Naquele dia,

o bramido contra eles

será como o bramido do mar;

se alguém olhar para a terra,

eis que só haverá trevas e angústia;

a luz se escurecerá

em densas nuvens.

Isaías 5NAAAbrir na Bíblia

A visão de Isaías e o seu chamado

1No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. 2Serafins estavam por cima dele. Cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os pés e com duas voava. 3E clamavam uns para os outros, dizendo:

“Santo, santo, santo

é o Senhor dos Exércitos;

toda a terra está cheia

da sua glória.”

4Os umbrais das portas se moveram com a voz do que clamava, e o templo se encheu de fumaça. 5Então eu disse:

— Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!

6Então um dos serafins voou para mim, trazendo na mão uma brasa viva, que havia tirado do altar com uma pinça. 7Com a brasa tocou a minha boca e disse:

— Eis que esta brasa tocou os seus lábios. A sua iniquidade foi tirada, e o seu pecado, perdoado.

8Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia:

— A quem enviarei, e quem há de ir por nós?

Eu respondi:

— Eis-me aqui, envia-me a mim.

9Então ele disse:

— Vá e diga a este povo:

“Ouçam; ouçam, mas sem entender.

Vejam; vejam, mas sem perceber.”

10Torne insensível

o coração deste povo,

endureça-lhes os ouvidos

e feche os olhos deles,

para que não venham a

ver com os olhos,

ouvir com os ouvidos

e entender com o coração,

e se convertam, e sejam curados.

11Então eu perguntei:

“Até quando, Senhor?”

Ele respondeu:

“Até que as cidades

estejam em ruínas

e fiquem sem habitantes,

as casas fiquem sem moradores

e a terra esteja

em ruínas e devastada,

12e o Senhor afaste dela

o povo,

e no meio da terra sejam muitos

os lugares abandonados.

13Mas, se ainda ficar

a décima parte dela,

tornará a ser destruída.

Como o terebinto

e como o carvalho,

dos quais, depois de derrubados,

ainda fica o toco,

assim a santa semente

será o seu toco.”

Isaías 6NAAAbrir na Bíblia

20Que esta seja,

da parte do Senhor,

a recompensa dos que me acusam

e dos que falam mal de mim.

21Mas tu, ó Deus, meu Senhor,

age por mim,

por amor do teu nome;

livra-me, porque é boa

a tua misericórdia.

22Porque sou pobre e necessitado

e, dentro de mim,

sinto ferido o coração.

23Vou passando,

como a sombra que declina;

sou atirado para longe,

como um gafanhoto.

24De tanto jejuar,

os meus joelhos vacilam,

e o meu corpo definha de magreza.

25Tornei-me para eles

objeto de zombaria;

quando me veem,

balançam a cabeça.

26Socorre-me, Senhor, meu Deus!

Salva-me

segundo a tua misericórdia.

27Para que saibam que isso vem

das tuas mãos;

que tu, Senhor, o fizeste.

28Amaldiçoem eles,

mas tu, abençoa.

Sejam envergonhados

os que se levantam contra mim;

alegre-se, porém, o teu servo.

29Cubram-se de vexame

os meus adversários,

e a sua própria vergonha

os envolva como um manto.

30Muitas graças darei ao Senhor

com os meus lábios;

eu o louvarei no meio da multidão;

31porque ele se põe

à direita do pobre,

para o livrar

daqueles que o condenam.

Salmos 109:20-31NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: