Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 250

Texto(s) da Bíblia

Jesus é ungido em Betânia

1Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi para Betânia, onde estava Lázaro, a quem ele tinha ressuscitado dentre os mortos. 2Prepararam-lhe, ali, uma ceia. Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com Jesus. 3Então Maria, pegando um frasco de perfume de nardo puro, muito precioso, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos. E toda a casa se encheu com o cheiro do perfume. 4Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que estava para trair Jesus, disse:

5— Por que este perfume não foi vendido por trezentos denários e o valor não foi dado aos pobres?

6Ele disse isso não porque se preocupava com os pobres, mas porque era ladrão e, tendo a bolsa do dinheiro, tirava o que era colocado nela. 7Mas Jesus disse:

— Deixe-a! Que ela guarde isto para o dia do meu sepultamento. 8Porque os pobres estão sempre com vocês, mas a mim vocês nem sempre terão.

O plano para matar Lázaro

9Uma numerosa multidão dos judeus ficou sabendo que Jesus estava em Betânia. Eles foram até lá não só por causa dele, mas também para ver Lázaro, a quem ele tinha ressuscitado dentre os mortos. 10Mas os principais sacerdotes resolveram matar também Lázaro, 11porque muitos dos judeus, por causa dele, voltavam crendo em Jesus.

Jesus entra em Jerusalém

12No dia seguinte, a numerosa multidão que tinha vindo à festa, tendo ouvido que Jesus estava a caminho de Jerusalém, 13pegou ramos de palmeiras e saiu ao encontro dele, clamando:

“Hosana!

Bendito o que vem

em nome do Senhor

e que é Rei de Israel!”

14E Jesus, tendo conseguido um jumentinho, montou-o, segundo está escrito:

15“Não tema, filha de Sião,

eis que o seu Rei está vindo,

montado num filho de jumenta.”

16Seus discípulos a princípio não compreenderam isso. Mas, quando Jesus foi glorificado, então eles se lembraram de que essas coisas estavam escritas a respeito dele e também de que tinham feito isso com ele. 17A multidão que estava com Jesus quando ele chamou Lázaro do túmulo e o levantou dentre os mortos dava testemunho. 18Por causa disso, também, a multidão saiu ao encontro de Jesus, pois ouviu que ele tinha feito esse sinal. 19Então os fariseus disseram entre si:

— Vocês podem ver que não estão conseguindo nada! Eis que o mundo vai atrás dele.

Alguns gregos desejam ver Jesus

20Ora, entre os que foram para adorar durante a festa, havia alguns gregos. 21Estes se dirigiram a Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e lhe pediram:

— Senhor, queremos ver Jesus.

22Filipe foi dizê-lo a André, e André e Filipe o comunicaram a Jesus. 23Então Jesus se dirigiu a eles, dizendo:

— É chegada a hora de ser glorificado o Filho do Homem. 24Em verdade, em verdade lhes digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. 25Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo irá preservá-la para a vida eterna. 26Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará.

João 12:1-26NAAAbrir na Bíblia

O reinado de Asa, de Judá

1Rs 15.9-24

1Abias morreu, e eles o sepultaram na Cidade de Davi. E Asa, seu filho, reinou em seu lugar. Nos dias dele, a terra esteve em paz durante dez anos. 2Asa fez o que era bom e reto aos olhos do Senhor, seu Deus. 3Porque aboliu os altares dos deuses estranhos e o culto nos lugares altos, quebrou as colunas e cortou os postes da deusa Aserá. 4Ordenou a Judá que buscasse o Senhor, Deus de seus pais, e que observasse a lei e o mandamento. 5Também aboliu de todas as cidades de Judá o culto nos lugares altos e os altares do incenso. E houve paz no seu reinado.

6Asa construiu cidades fortificadas em Judá, pois havia paz na terra, e não houve guerra contra ele naqueles anos, porque o Senhor lhe tinha dado repouso. 7Ele disse a Judá:

— Vamos construir estas cidades, cercá-las de muralhas e torres, portões e ferrolhos, enquanto a terra ainda está em paz diante de nós, pois temos buscado o Senhor, nosso Deus. Nós o temos buscado, e ele nos deu repouso por todos os lados.

8Então eles construíram e prosperaram. O rei Asa tinha um exército de trezentos mil homens de Judá, que traziam grandes escudos e lança, e duzentos e oitenta mil homens de Benjamim, que traziam escudo e atiravam com arco; todos eram homens valentes.

Asa vence Zerá, o etíope

9Zerá, o etíope, saiu contra eles com um exército de um milhão de homens e trezentos carros de guerra, e chegou até Maressa. 10Então Asa saiu contra ele, e eles se prepararam para a batalha no vale de Zefatá, perto de Maressa. 11Asa clamou ao Senhor, seu Deus, e disse:

Senhor, além de ti não há quem possa socorrer numa batalha entre o poderoso e o fraco. Ajuda-nos, Senhor, nosso Deus, porque em ti confiamos e no teu nome viemos contra esta multidão. Senhor, tu és o nosso Deus; que não prevaleça contra ti o homem.

12O Senhor derrotou os etíopes diante de Asa e diante de Judá; e eles fugiram. 13Asa e o povo que estava com ele os perseguiram até Gerar, e os etíopes foram mortos, sem restar nem um sequer, porque foram destroçados diante do Senhor e diante do seu exército; e eles levaram dali muitos despojos. 14Atacaram todas as cidades ao redor de Gerar, porque o terror do Senhor as havia invadido; e saquearam todas as cidades, porque nelas havia muitos despojos. 15Também atacaram as tendas dos donos do gado, levaram ovelhas em abundância e camelos e voltaram para Jerusalém.

2Crônicas 14NAAAbrir na Bíblia

As reformas religiosas de Asa

1O Espírito de Deus veio sobre Azarias, filho de Odede, 2que saiu ao encontro de Asa e lhe disse:

— Asa e todo o Judá e Benjamim, escutem! O Senhor está com vocês, enquanto vocês estão com ele. Se o buscarem, ele se deixará achar; mas, se o deixarem, ele também os deixará. 3Israel esteve por muito tempo sem o verdadeiro Deus, sem sacerdote que o ensinasse e sem Lei. 4Mas quando, na sua angústia, eles voltaram ao Senhor, Deus de Israel, e o buscaram, foi por eles achado. 5Naqueles tempos, não havia paz nem para os que saíam nem para os que entravam, mas muitas perturbações sobre todos os moradores daquelas terras. 6Porque nação contra nação e cidade contra cidade se despedaçavam, porque Deus os afligiu com todo tipo de angústia. 7Mas sejam fortes e não deixem que as suas mãos desfaleçam, porque a obra de vocês será recompensada.

8Ao ouvir estas palavras e a profecia do profeta, filho de Odede, Asa se animou e tirou as abominações de toda a terra de Judá e de Benjamim, bem como das cidades que havia conquistado na região montanhosa de Efraim. Ele renovou o altar do Senhor, que estava diante do pórtico do Senhor. 9Congregou todo o Judá e Benjamim e também os de Efraim, Manassés e Simeão que estavam morando entre eles, porque muitos de Israel passaram para o lado de Asa, vendo que o Senhor, seu Deus, estava com ele. 10Eles se reuniram em Jerusalém no terceiro mês do décimo quinto ano do reinado de Asa. 11Naquele dia, ofereceram em sacrifício ao Senhor, do despojo que trouxeram, setecentos bois e sete mil ovelhas. 12Entraram em aliança de buscar o Senhor, Deus de seus pais, de todo o coração e de toda a alma, 13e de condenar à morte todos aqueles que não buscassem o Senhor, Deus de Israel, tanto os pequenos como os grandes, tanto homens como mulheres. 14Juraram ao Senhor, em alta voz, com júbilo e ao som de clarins e trombetas. 15Todo o Judá se alegrou por causa deste juramento, porque eles juraram de todo o coração e, de toda a boa vontade, buscaram o Senhor, e por eles foi achado. O Senhor lhes deu paz por toda parte.

16O rei Asa depôs também Maaca, sua mãe, da dignidade de rainha-mãe, porque ela havia feito uma abominável imagem para servir de poste da deusa Aserá. O rei Asa destruiu essa imagem, que ele reduziu a pó e queimou no vale do Cedrom. 17Os lugares altos, porém, não foram tirados de Israel. No entanto, o coração de Asa foi fiel ao Senhor durante toda a sua vida. 18Ele trouxe à Casa de Deus as coisas consagradas por seu pai e as coisas que ele mesmo havia consagrado: prata, ouro e utensílios. 19Não houve guerra até o trigésimo quinto ano do reinado de Asa.

2Crônicas 15NAAAbrir na Bíblia

Consolo em tempo de angústia

Ao mestre de canto, Jedutum. Salmo de Asafe

1Elevo a Deus a minha voz

e clamo,

elevo a Deus a minha voz,

para que me atenda.

2No dia da minha angústia,

procuro o Senhor;

erguem-se as minhas mãos

durante a noite

e não se cansam;

a minha alma

não encontra consolo.

3Lembro-me de Deus

e começo a gemer;

medito, e o meu espírito desfalece.

4Não me deixas pregar os olhos;

tão perturbado estou,

que nem posso falar.

5Penso nos dias de outrora,

trago à lembrança os anos

de tempos passados.

6De noite indago o meu íntimo,

e o meu espírito pergunta:

7“Será que o Senhor nos rejeitará

para sempre?

Acaso, não voltará a ser propício?

8Cessou perpetuamente

a sua graça?

Caducou a sua promessa

para todas as gerações?

9Será que Deus se esqueceu

de ser bondoso?

Ou será que encerrou

as suas misericórdias

na sua ira?”

10Então eu disse:

“Esta é a minha aflição:

o poder do Altíssimo

não é mais o mesmo.”

11Recordarei os feitos do Senhor;

certamente me lembrarei

das tuas maravilhas

da antiguidade.

12Meditarei em todas as tuas obras

e pensarei em todos

os teus feitos poderosos.

13O teu caminho, ó Deus,

é de santidade.

Que deus é tão grande

como o nosso Deus?

14Tu és o Deus

que operas maravilhas

e, entre os povos,

tens feito notório o teu poder.

15Com o teu braço

remiste o teu povo,

os filhos de Jacó e de José.

16As águas te viram, ó Deus,

as águas te viram e temeram;

até os abismos se abalaram.

17Grossas nuvens

se desfizeram em água;

houve trovões nos espaços;

também as tuas setas cruzaram

de uma parte para outra.

18O estrondo do teu trovão

ecoou na redondeza;

os relâmpagos

iluminaram o mundo;

a terra se abalou e tremeu.

19O teu caminho foi pelo mar;

as tuas veredas passaram

pelas grandes águas,

mas ninguém encontrou

as tuas pegadas.

20O teu povo, tu o conduziste,

como rebanho,

pelas mãos de Moisés e de Arão.

Salmos 77NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.8
SIGA A SBB: