Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 249

Texto(s) da Bíblia

Jesus chora

28Depois de dizer isto, Marta foi chamar Maria, a sua irmã, e lhe disse em particular:

— O Mestre chegou e está chamando você.

29Quando Maria ouviu isso, levantou-se depressa e foi até ele, 30pois Jesus ainda não tinha entrado na aldeia, mas permanecia onde Marta o havia encontrado. 31Os judeus que estavam com Maria em casa e a consolavam, vendo-a levantar-se depressa e sair, seguiram-na, pensando que ela ia ao túmulo para chorar. 32Quando Maria chegou ao lugar onde Jesus estava, ao vê-lo, lançou-se aos seus pés, dizendo:

— Se o Senhor estivesse aqui, o meu irmão não teria morrido.

33Quando Jesus viu que ela chorava, e que os judeus que a acompanhavam também choravam, agitou-se no espírito e se comoveu. 34E perguntou:

— Onde vocês o puseram?

Eles responderam:

— Senhor, venha ver!

35Jesus chorou. 36Então os judeus disseram:

— Vejam o quanto ele o amava.

37Mas alguns disseram:

— Será que ele, que abriu os olhos ao cego, não podia fazer com que Lázaro não morresse?

A ressurreição de Lázaro

38Jesus, agitando-se novamente em si mesmo, foi até o túmulo, que era uma gruta em cuja entrada tinham colocado uma pedra. 39Então Jesus ordenou:

— Tirem a pedra.

Marta, irmã do falecido, disse a Jesus:

— Senhor, já cheira mal, porque está morto há quatro dias.

40Jesus respondeu:

— Eu não disse a você que, se cresse, veria a glória de Deus?

41Então tiraram a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse:

— Pai, graças te dou porque me ouviste. 42Eu sei que sempre me ouves, mas falei isso por causa da multidão presente, para que creiam que tu me enviaste.

43E, depois de dizer isso, clamou em alta voz:

— Lázaro, venha para fora!

44Aquele que tinha morrido saiu, tendo os pés e as mãos amarrados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então Jesus lhes ordenou:

— Desamarrem-no e deixem que ele vá.

O plano para matar Jesus

45Muitos dos judeus que tinham vindo visitar Maria, vendo o que Jesus havia feito, creram nele. 46Outros, porém, foram até os fariseus e lhes contaram o que Jesus havia feito.

47Então os principais sacerdotes e os fariseus convocaram o Sinédrio e disseram:

— O que estamos fazendo, uma vez que este homem opera muitos sinais? 48Se o deixarmos assim, todos crerão nele; depois, virão os romanos e tomarão não só o nosso lugar, mas a própria nação.

49Mas um deles, Caifás, que era sumo sacerdote naquele ano, advertiu-os, dizendo:

— Vocês não sabem nada, 50nem entendem que é melhor para vocês que morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação.

51Ora, Caifás não disse isto por conta própria, mas, sendo sumo sacerdote naquele ano, profetizou que Jesus estava para morrer pela nação. 52E não somente pela nação, mas também para reunir em um só corpo os filhos de Deus, que andam dispersos.

53Desde aquele dia, resolveram matar Jesus. 54Assim sendo, Jesus já não andava publicamente entre os judeus, mas retirou-se para uma região vizinha ao deserto, para uma cidade chamada Efraim, onde permaneceu com os discípulos.

55Estava próxima a Páscoa dos judeus, e muitos daquela região foram a Jerusalém antes da Páscoa para se purificar. 56Lá, procuravam Jesus e, estando eles no templo, diziam uns aos outros:

— O que vocês acham? Ele não virá à festa?

57Ora, os principais sacerdotes e os fariseus haviam ordenado que, se alguém soubesse onde ele estava, o denunciasse, para que pudessem prendê-lo.

João 11:28-57NAAAbrir na Bíblia

A invasão de Sisaque

1Rs 14.25-28

1Tendo Roboão confirmado o reino e havendo-se fortalecido, abandonou a Lei do Senhor, e todo o Israel fez o mesmo. 2Sisaque, rei do Egito, atacou Jerusalém no quinto ano do reinado de Roboão. Isso aconteceu porque tinham transgredido contra o Senhor. 3O rei do Egito atacou a cidade com mil e duzentos carros de guerra e sessenta mil cavaleiros; era inumerável a gente que vinha com ele do Egito, a saber, um exército de líbios, suquitas e etíopes. 4Sisaque tomou as cidades fortificadas que pertenciam a Judá e veio a Jerusalém. 5Então o profeta Semaías foi falar com Roboão e com os príncipes de Judá, que, por causa de Sisaque, se haviam ajuntado em Jerusalém, e lhes disse:

— Assim diz o Senhor: “Vocês me abandonaram, e por isso eu os abandonei, entregando-os nas mãos de Sisaque.”

6Então os príncipes de Israel e o rei se humilharam e disseram:

— O Senhor é justo.

7Quando o Senhor viu que eles se humilharam, a palavra do Senhor veio a Semaías, dizendo:

— Eles se humilharam. Não os destruirei, mas em breve lhes darei socorro, para que o meu furor não se derrame sobre Jerusalém por meio de Sisaque. 8Porém serão servos dele, para que conheçam a diferença entre o que é servir a mim e servir os reinos da terra.

9Então Sisaque, rei do Egito, atacou Jerusalém e levou embora os tesouros da Casa do Senhor e os tesouros do palácio real. Levou tudo, inclusive os escudos de ouro que Salomão tinha feito. 10Em lugar destes, o rei Roboão fez escudos de bronze e os entregou nas mãos dos capitães da guarda, que guardavam o portão do palácio real. 11Toda vez que o rei entrava na Casa do Senhor, os da guarda vinham, usavam os escudos, e depois os devolviam à câmara da guarda.

12Pelo fato de Roboão ter se humilhado, a ira do Senhor se afastou dele, e não houve destruição total. Porque em Judá ainda havia boas coisas.

O reinado de Roboão, de Judá

1Rs 14.21-31

13O rei Roboão fortificou-se em Jerusalém e continuou reinando. Roboão tinha quarenta e um anos de idade quando começou a reinar e reinou dezessete anos em Jerusalém, cidade que o Senhor escolheu dentre todas as tribos de Israel para ali estabelecer o seu nome. A mãe dele se chamava Naamá e era amonita. 14Roboão fez o que era mau, porque não dispôs o coração para buscar o Senhor.

15Quanto aos demais atos de Roboão, tanto os primeiros como os últimos, não está tudo escrito no Livro da História de Semaías, o profeta, e no Livro da História de Ido, o vidente, no registro das genealogias? Roboão e Jeroboão estiveram sempre em guerra. 16Roboão morreu e foi sepultado na Cidade de Davi. E Abias, seu filho, reinou em seu lugar.

2Crônicas 12NAAAbrir na Bíblia

O reinado de Abias, de Judá

1Rs 15.1-8

1No décimo oitavo ano do reinado de Jeroboão, Abias começou a reinar sobre Judá. Ele reinou três anos em Jerusalém. 2A mãe dele se chamava Micaía e era filha de Uriel, de Gibeá. Também houve guerra entre Abias e Jeroboão. 3Abias começou a guerra com um exército de valentes guerreiros, de quatrocentos mil homens escolhidos, e Jeroboão pôs em ordem de batalha contra ele um exército de oitocentos mil homens escolhidos, todos valentes guerreiros. 4Abias pôs-se em pé no alto do monte Zemaraim, que está na região montanhosa de Efraim, e gritou:

— Jeroboão e todo o Israel, escutem o que vou dizer! 5Será que vocês não sabem que o Senhor, o Deus de Israel, deu para sempre a Davi a soberania de Israel, a ele e aos seus filhos, por uma aliança perpétua? 6Contudo, Jeroboão, filho de Nebate, servo de Salomão, filho de Davi, se levantou e se rebelou contra o seu senhor. 7Juntaram-se a ele uns homens vadios e malignos, que desafiaram Roboão, filho de Salomão. Como Roboão era ainda jovem e indeciso, não lhes pôde resistir. 8Agora vocês pensam que podem resistir ao reino do Senhor, que está nas mãos dos filhos de Davi. Vocês são uma grande multidão e estão trazendo com vocês os bezerros de ouro que Jeroboão fez para serem os seus deuses. 9Não é verdade que vocês expulsaram os sacerdotes do Senhor, os filhos de Arão e os levitas, e escolheram para si outros sacerdotes, como fazem os povos das outras terras? Qualquer um que vem para consagrar-se com um novilho e sete carneiros logo se torna sacerdote daqueles que não são deuses.

10— Quanto a nós, o Senhor é o nosso Deus, e nunca o abandonamos. Temos sacerdotes, que ministram ao Senhor, a saber, os filhos de Arão e os levitas na sua obra. 11Cada dia, de manhã e à tarde, oferecem holocaustos e queimam incenso aromático, colocando em ordem os pães da proposição sobre a mesa puríssima e o candelabro de ouro e as suas lâmpadas para se acenderem cada tarde, porque nós guardamos o preceito do Senhor, nosso Deus, ao passo que vocês o abandonaram. 12Eis que Deus está conosco, à nossa frente, e também os seus sacerdotes, tocando com as trombetas, para darem o grito de guerra contra vocês, ó filhos de Israel. Não lutem contra o Senhor, o Deus de seus pais, porque vocês não serão bem-sucedidos.

13Mas Jeroboão ordenou aos que estavam de emboscada que fizessem uma volta e atacassem o exército de Abias pela retaguarda, de maneira que o seu exército estava em frente dos homens de Judá, e a emboscada vinha por detrás deles. 14Quando os homens de Judá olharam, viram que a batalha estava por diante e por detrás. Então clamaram ao Senhor, e os sacerdotes tocaram as trombetas. 15Os homens de Judá gritaram. Quando gritavam, Deus derrotou Jeroboão e todo o Israel diante de Abias e de Judá. 16Os filhos de Israel fugiram de diante de Judá, e Deus os entregou nas suas mãos. 17Abias e o seu povo fizeram grande matança entre eles, de maneira que morreram quinhentos mil homens escolhidos de Israel. 18Assim, os filhos de Israel foram humilhados naquele tempo, e os filhos de Judá prevaleceram, porque confiaram no Senhor, Deus de seus pais.

19Abias perseguiu Jeroboão e lhe tomou as cidades de Betel, Jesana e Efrom, com as suas respectivas vilas. 20Jeroboão não restaurou mais o seu poder no tempo de Abias. O Senhor feriu Jeroboão, e ele morreu. 21Abias, porém, se fortificou. Tomou para si catorze mulheres, e gerou vinte e dois filhos e dezesseis filhas.

22Quanto aos demais atos de Abias, tanto o que fez como o que disse, está tudo escrito no Livro da História do Profeta Ido.

2Crônicas 13NAAAbrir na Bíblia

A majestade e o poder de Deus

Ao mestre de canto, com instrumentos de cordas. Salmo de Asafe. Cântico

1Deus é conhecido em Judá;

grande é o seu nome em Israel.

2Em Salém está o seu tabernáculo,

e, em Sião, a sua morada.

3Ali, despedaçou ele as flechas,

o escudo, a espada e a batalha.

4Tu és ilustre e mais glorioso

do que os montes eternos.

5Os corajosos foram despojados;

jazem a dormir o seu sono,

e nenhum dos valentes

pode valer-se das próprias mãos.

6Ante a tua repreensão,

ó Deus de Jacó,

carros de guerra e cavalos

foram lançados

num sono profundo.

7Tu, sim, tu és terrível;

se estás irado,

quem pode permanecer

na tua presença?

8Desde os céus fizeste ouvir

o teu juízo;

a terra tremeu e se aquietou,

9quando Deus se levantou

para julgar

e salvar todos os humildes da terra.

10Pois até a ira humana

há de louvar-te;

e da ira restante te cingirás.

11Façam votos ao Senhor, seu Deus,

e tratem de cumpri-los;

todos os que o rodeiam

tragam presentes

àquele que deve ser temido.

12Ele acaba com

o orgulho dos príncipes;

ele é tremendo

para os reis da terra.

Salmos 76NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: