Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 158

Texto(s) da Bíblia

A nova vida

1Portanto, irmãos, pelas misericórdias de Deus, peço que ofereçam o seu corpo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Este é o culto racional de vocês. 2E não vivam conforme os padrões deste mundo, mas deixem que Deus os transforme pela renovação da mente, para que possam experimentar qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

O devido uso de dons espirituais

3Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um de vocês que não pense de si mesmo além do que convém. Pelo contrário, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um. 4Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, 5assim também nós, embora sejamos muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros. 6Temos, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se é profecia, seja segundo a proporção da fé; 7se é ministério, dediquemo-nos ao ministério; o que ensina dedique-se ao ensino; 8o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com generosidade; o que preside, com zelo; quem exerce misericórdia, com alegria.

As virtudes recomendadas

9O amor seja sem hipocrisia. Odeiem o mal e apeguem-se ao bem. 10Amem uns aos outros com amor fraternal. Quanto à honra, deem sempre preferência aos outros. 11Quanto ao zelo, não sejam preguiçosos. Sejam fervorosos de espírito, servindo o Senhor. 12Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação e perseverem na oração. 13Ajudem a suprir as necessidades dos santos. Pratiquem a hospitalidade.

14Abençoem aqueles que perseguem vocês; abençoem e não amaldiçoem. 15Alegrem-se com os que se alegram e chorem com os que choram. 16Tenham o mesmo modo de pensar de uns para com os outros. Em vez de serem orgulhosos, sejam solidários com os humildes. Não sejam sábios aos seus próprios olhos.

17Não paguem a ninguém mal por mal; procurem fazer o bem diante de todos. 18Se possível, no que depender de vocês, vivam em paz com todas as pessoas. 19Meus amados, não façam justiça com as próprias mãos, mas deem lugar à ira de Deus, pois está escrito:

“A mim pertence a vingança;

eu é que retribuirei,

diz o Senhor.”

20Façam o contrário:

“Se o seu inimigo tiver fome,

dê-lhe de comer;

se tiver sede,

dê-lhe de beber;

porque, fazendo isto,

você amontoará brasas vivas

sobre a cabeça dele.”

21Não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal com o bem.

Romanos 12NAAAbrir na Bíblia

Davi livra a cidade de Queila

1Então disseram a Davi:

— Eis que os filisteus estão atacando a cidade de Queila e saqueando as eiras.

2Davi consultou o Senhor, perguntando:

— Devo ir e atacar esses filisteus?

O Senhor respondeu a Davi:

— Vá, ataque os filisteus, e livre a cidade de Queila.

3Porém os homens de Davi lhe disseram:

— Temos medo aqui em Judá, quanto mais indo a Queila lutar contra as tropas dos filisteus.

4Então Davi tornou a consultar o Senhor, e o Senhor lhe respondeu:

— Levante-se e vá até Queila, porque estou entregando os filisteus em suas mãos.

5Então Davi e os seus homens foram a Queila, lutaram contra os filisteus e tomaram todo o gado deles. E causaram grande matança entre eles. Assim, Davi salvou os moradores de Queila.

6Aconteceu que, quando Abiatar, filho de Aimeleque, fugiu para junto de Davi, em Queila, levou a estola sacerdotal.

7Foi anunciado a Saul que Davi tinha ido a Queila. Então Saul disse:

— Deus o entregou nas minhas mãos. Está cercado, pois entrou numa cidade de portões e ferrolhos.

8Então Saul mandou chamar todo o povo para a batalha, para que descessem a Queila e cercassem Davi e os seus homens. 9Quando Davi soube que Saul maquinava o mal contra ele, disse ao sacerdote Abiatar:

— Traga aqui a estola sacerdotal.

10Então Davi orou:

— Ó Senhor, Deus de Israel, teu servo ouviu que Saul, de fato, procura vir a Queila, para destruir a cidade por minha causa. 11Será que os moradores de Queila me entregarão nas mãos dele? Será que Saul virá mesmo, como o teu servo ouviu? Ah! Senhor, Deus de Israel, revela isto ao teu servo.

E o Senhor lhe disse:

— Ele virá.

12Então Davi perguntou:

— E será que os moradores de Queila me entregarão, juntamente com os meus servos, nas mãos de Saul?

O Senhor respondeu:

— Entregarão.

13Então Davi e os seus homens, que eram uns seiscentos, saíram de Queila e se foram sem rumo certo. Quando foi anunciado a Saul que Davi tinha fugido de Queila, deixou de persegui-lo.

14Davi permaneceu no deserto, nos lugares seguros, e ficou na região montanhosa no deserto de Zife. Saul buscava-o todos os dias, porém Deus não o entregou nas suas mãos.

Davi e Jônatas renovam sua aliança

15Quando Davi percebeu que Saul tinha saído para tirar-lhe a vida, ficou no deserto de Zife, em Horesa. 16Então Jônatas, filho de Saul, se levantou e foi falar com Davi, em Horesa, e lhe fortaleceu a confiança em Deus. 17Jônatas disse:

— Não tenha medo, porque a mão de Saul, meu pai, não encontrará você. Você será rei de Israel, e eu serei o segundo depois de você, o que também Saul, meu pai, bem sabe.

18E ambos fizeram aliança diante do Senhor. Davi ficou em Horesa, e Jônatas voltou para casa.

A traição dos zifeus

19Então os zifeus foram falar com Saul, em Gibeá, dizendo:

— Não é verdade que Davi está escondido entre nós, nos lugares seguros de Horesa, no monte Haquila, ao sul de Jesimom? 20Agora, ó rei, conforme o desejo do seu coração, venha, que a nós nos compete entregar Davi nas mãos do rei.

21Saul respondeu:

— Que vocês sejam benditos do Senhor, porque tiveram pena de mim. 22Vão, agora, e informem-se ainda melhor. Descubram o lugar que ele frequenta e quem o viu ali, porque me foi dito que ele é muito astuto. 23Por isso, prestem bem atenção e informem-se a respeito de todos os esconderijos em que ele se oculta. Voltem para cá com informações seguras, e então eu irei com vocês. Se ele estiver na região, irei procurá-lo entre todos os milhares de Judá.

24Então eles se levantaram e se foram a Zife, adiante de Saul. Ora, Davi e os seus homens estavam no deserto de Maom, na planície, ao sul de Jesimom. 25Saul e os seus homens foram ao encalço dele, e isto foi dito a Davi. Por isso ele foi para a rocha que está no deserto de Maom. Quando Saul soube disso, perseguiu Davi no deserto de Maom. 26Saul ia de um lado do monte, e Davi e os seus homens, do outro. Davi se apressou em fugir para escapar de Saul, porém este e os seus homens cercaram Davi e os seus homens para os prender. 27Então veio um mensageiro a Saul, dizendo:

— Venha depressa, porque os filisteus invadiram a terra.

28Por isso Saul desistiu de perseguir Davi e foi lutar contra os filisteus. Por esta razão, aquele lugar se chamou Sela-Hamalecote. 29Davi partiu daquele lugar e ficou nos lugares seguros de En-Gedi.

1Samuel 23NAAAbrir na Bíblia

Davi poupa a vida de Saul

1Quando Saul voltou de perseguir os filisteus, foi-lhe dito:

— Eis que Davi está no deserto de En-Gedi.

2Então Saul tomou três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi ao encalço de Davi e dos seus homens, nas encostas das rochas das cabras selvagens. 3Chegou a uns currais de ovelhas no caminho, onde havia uma caverna. Saul entrou nela, para fazer as suas necessidades. Ora, Davi e os seus homens estavam sentados no mais interior da caverna. 4Então eles disseram a Davi:

— Hoje é o dia do qual o Senhor lhe falou: “Eis que eu entrego o seu inimigo nas suas mãos, e você fará com ele o que bem quiser.”

Então Davi se levantou e, sem ser notado, cortou a ponta do manto de Saul. 5Mas depois Davi ficou com dor no coração por ter cortado a ponta do manto de Saul 6e disse aos seus homens:

— O Senhor Deus me livre de fazer tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele, pois é o ungido do Senhor.

7Com estas palavras, Davi conteve os seus homens e não permitiu que se levantassem contra Saul. Então Saul se levantou, saiu da caverna e seguiu o seu caminho.

8Depois, também Davi se levantou e, saindo da caverna, gritou a Saul, dizendo:

— Ó rei, meu senhor!

Quando Saul olhou para trás, Davi se inclinou e lhe fez reverência, com o rosto em terra. 9E Davi disse a Saul:

— Por que o senhor dá atenção às palavras dos que dizem que Davi quer fazer-lhe mal? 10Eis que hoje o meu senhor pode ver com os seus próprios olhos que o Senhor Deus o pôs nas minhas mãos nesta caverna, e alguns disseram que eu deveria matá-lo. Mas eu o poupei, porque disse: “Não estenderei a mão contra o meu senhor, pois é o ungido de Deus.” 11Veja, meu pai, veja aqui na minha mão a ponta do seu manto. Por eu haver cortado a ponta do seu manto sem matá-lo, reconheça e veja que não há em mim nem mal nem rebeldia. Nunca pequei contra o rei, ainda que ele esteja à caça da minha vida para tirá-la de mim. 12Que o Senhor Deus julgue entre nós dois e me vingue do rei; porém não estenderei a minha mão contra o rei. 13Como o provérbio dos antigos diz: “Dos perversos procede a perversidade.” Mas eu não estenderei a minha mão contra o senhor, meu rei. 14Atrás de quem saiu o rei de Israel? A quem persegue? A um cão morto? A uma pulga? 15Que o Senhor Deus seja o meu juiz e julgue entre nós dois. Que ele examine e defenda a minha causa, me faça justiça e me livre das mãos do rei.

16Quando Davi acabou de falar todas estas palavras, Saul disse:

— É esta a sua voz, meu filho Davi?

E Saul chorou em alta voz. 17Então disse a Davi:

— Você é mais justo do que eu, pois me recompensou com o bem, enquanto eu o recompensei com o mal. 18Hoje você mostrou que me fez o bem, pois o Senhor me havia posto em suas mãos, e você não me matou. 19Porque quem é que encontra o inimigo e o deixa ir sem lhe fazer mal? Que o Senhor lhe pague com o bem por aquilo que você fez por mim no dia de hoje. 20Agora tenho certeza de que você será rei e de que o reino de Israel se manterá firme na sua mão. 21Portanto, jure pelo Senhor que você não eliminará a minha descendência, nem apagará o meu nome da casa de meu pai.

22E Davi jurou a Saul. Este foi para casa, mas Davi e os seus homens foram ao lugar seguro.

1Samuel 24NAAAbrir na Bíblia

Convite para louvar a Deus

Ao mestre de canto. Para instrumentos de cordas. Salmo. Cântico

1Seja Deus gracioso para conosco,

e nos abençoe,

e faça resplandecer sobre nós

o seu rosto;

2para que se conheça na terra

o teu caminho

e, em todas as nações,

a tua salvação.

3Louvem-te os povos, ó Deus!

Louvem-te os povos todos!

4Alegrem-se e exultem as nações,

pois julgas os povos com justiça

e guias na terra as nações.

5Louvem-te os povos, ó Deus!

Louvem-te os povos todos!

6A terra deu o seu fruto,

e Deus, o nosso Deus, nos abençoa.

7Que Deus nos abençoe,

e todos os confins da terra

o temerão.

Salmos 67NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: