Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 156

Texto(s) da Bíblia

O futuro de Israel

1Então eu pergunto: será que Deus rejeitou o seu povo? De modo nenhum! Porque eu também sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim. 2Deus não rejeitou o seu povo, a quem de antemão conheceu. Ou vocês não sabem o que a Escritura diz a respeito de Elias, como pediu com insistência diante de Deus contra Israel, dizendo: 3“Senhor, mataram os teus profetas, derrubaram os teus altares. Sou o único que sobrou, e procuram tirar-me a vida.” 4Mas qual foi a resposta divina? Foi esta: “Reservei para mim sete mil homens que não dobraram os joelhos diante de Baal.” 5Assim também nos dias de hoje sobrevive um remanescente segundo a eleição da graça. 6E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça.

7Que diremos, então? O que Israel buscava, isso não alcançou; mas a eleição conseguiu isso. Os demais foram endurecidos, 8como está escrito:

“Deus lhes deu um espírito

de profundo sono,

olhos para não ver

e ouvidos para não ouvir,

até o dia de hoje.”

9E Davi disse:

“Que a mesa deles se transforme

em laço e armadilha,

em tropeço e punição;

10que os olhos deles se escureçam,

para que não vejam,

e fiquem para sempre encurvadas

as suas costas.”

11Então eu pergunto: será que eles tropeçaram para que caíssem? De modo nenhum! Mas, pela transgressão deles, a salvação chegou aos gentios, para fazer com que os judeus ficassem com ciúmes. 12Ora, se a transgressão deles resultou em riqueza para o mundo, e a diminuição deles resultou em riqueza para os gentios, quanto mais a plenitude deles!

13Dirijo-me a vocês que são gentios. Visto que eu sou apóstolo dos gentios, glorifico o meu ministério, 14para ver se de algum modo posso fazer com que os do meu povo fiquem com ciúmes e alguns deles se salvem. 15Porque, se o fato de eles terem sido rejeitados trouxe reconciliação ao mundo, que será o seu restabelecimento, senão vida dentre os mortos? 16E, se forem santas as primícias da massa, igualmente será santa a sua totalidade; se for santa a raiz, também os ramos o serão.

17Se, porém, alguns dos ramos foram quebrados, e você, sendo oliveira brava, foi enxertado no meio deles e se tornou participante da raiz e da seiva da oliveira, 18não se glorie contra os ramos. Mas, se você se gloriar, lembre que não é você que sustenta a raiz, mas é a raiz que sustenta você.

19Então você dirá: “Alguns ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.” 20Correto! Eles foram quebrados por causa da incredulidade, mas você continua firme mediante a fé. Não fique orgulhoso, mas tema. 21Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, também não poupará você.

22Considere, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas, para com você, a bondade de Deus, desde que você permaneça nessa bondade. Do contrário, também você será cortado. 23Eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; pois Deus é poderoso para os enxertar de novo. 24Pois, se você foi cortado daquela que, por natureza, era uma oliveira brava e, contra a natureza, foi enxertado numa oliveira boa, quanto mais esses, que são ramos naturais, serão enxertados na sua própria oliveira!

Romanos 11:1-24NAAAbrir na Bíblia

Jônatas ajuda Davi

1Então Davi fugiu da casa dos profetas, em Ramá, foi até o lugar onde Jônatas estava e lhe perguntou:

— O que foi que eu fiz? Qual é a minha culpa? E qual é o meu pecado diante de seu pai, que procura tirar-me a vida?

2Jônatas respondeu:

— Nada disso! Você não será morto. Meu pai não faz coisa nenhuma, nem grande nem pequena, sem primeiro me dizer. Por que, então, meu pai esconderia isso de mim? Não há nada disso.

3Então Davi respondeu enfaticamente:

— Seu pai sabe muito bem que encontrei favor diante de você. Assim, ele resolveu que você não deve ficar sabendo disso, para não se entristecer. Mas tão certo como vive o Senhor, e como você vive, Jônatas, há apenas um passo entre mim e a morte.

4Jônatas disse a Davi:

— Farei tudo o que você quiser que eu faça.

5Davi disse a Jônatas:

— Amanhã é a Festa da Lua Nova, em que sem falta deveria assentar-me com o rei para comer. Mas deixe que eu vá embora, para me esconder no campo, até a tarde do terceiro dia. 6Se o seu pai notar a minha ausência, diga o seguinte: “Davi me pediu muito que o deixasse ir a toda pressa a Belém, sua cidade, porque lá será oferecido o sacrifício anual para toda a família.” 7Se ele disser: “Está bem”, então este seu servo terá paz. Porém, se ficar com muita raiva, saiba que ele já decidiu me fazer mal. 8Use, pois, de misericórdia para com este seu servo, porque você me fez entrar em aliança no Senhor com você. Mas, se sou culpado, mate-me você mesmo. Por que você me levaria ao seu pai?

9Então Jônatas disse:

— Nada disso! Se eu de algum modo soubesse que o meu pai está determinado a trazer esse mal sobre você, acha que eu não avisaria você?

10Então Davi perguntou:

— Quem irá me avisar, se, por acaso, o seu pai lhe responder asperamente?

11Jônatas respondeu:

— Venha, vamos ao campo.

E eles foram.

12Jônatas disse a Davi:

— O Senhor, Deus de Israel, seja testemunha. Amanhã ou depois de amanhã, a estas horas sondarei meu pai. Se houver algo favorável a Davi, eu lhe mandarei dizer. 13Mas, se meu pai quiser fazer mal a você, que o Senhor faça com Jônatas o que bem quiser, se eu não o avisar disso e não o deixar ir embora, para que você siga em paz. E que o Senhor esteja com você, como tem estado com o meu pai. 14E, se eu, então, ainda viver, use para comigo da bondade do Senhor, para que eu não morra. 15Nem tampouco jamais afaste da minha casa a sua bondade; nem ainda quando o Senhor eliminar da face da terra todos os inimigos de Davi.

16Assim, Jônatas fez aliança com a casa de Davi, dizendo:

— Que o Senhor vingue os inimigos de Davi.

17Jônatas fez com que Davi jurasse de novo, pelo amor que lhe tinha, porque Jônatas o amava com todo o amor da sua alma. 18Jônatas disse a Davi:

— Amanhã é a Festa da Lua Nova. Eles vão perguntar por você, porque o seu lugar estará vazio. 19No terceiro dia, vá depressa ao lugar onde você se escondeu no dia do combinado e fique junto à pedra de Ezel. 20Atirarei três flechas para aquele lado, como quem atira ao alvo. 21Eis que mandarei o moço e lhe direi: “Vá, procure as flechas.” Se eu disser ao moço: “Olhe, as flechas estão para cá de você; traga-as”, então venha, Davi, porque, tão certo como vive o Senhor, você terá paz, e nada há que temer. 22Porém, se eu disser ao moço: “Olhe, as flechas estão mais para lá de você”, vá embora, porque o Senhor manda que você vá. 23Quanto àquilo de que eu e você falamos, eis que o Senhor é nossa testemunha para sempre.

24Então Davi se escondeu no campo. E, sendo a Festa da Lua Nova, o rei se pôs à mesa para comer. 25O rei sentou-se na sua cadeira, segundo o costume, no lugar junto à parede. Jônatas ficou na frente dele, e Abner sentou-se ao lado de Saul. Mas o lugar de Davi estava desocupado. 26Porém, naquele dia, Saul não disse nada, pois pensava: “Deve ter acontecido alguma coisa com ele. Ele está cerimonialmente impuro. Certamente está impuro.”

27No dia seguinte, o segundo dia da Festa da Lua Nova, o lugar de Davi continuava desocupado. Então Saul perguntou a Jônatas, seu filho:

— Por que o filho de Jessé não veio comer, nem ontem nem hoje?

28Jônatas respondeu:

— Davi me pediu, encarecidamente, que o deixasse ir a Belém. 29Ele me disse: “Peço que você me deixe ir, porque a nossa família tem um sacrifício na cidade, e um de meus irmãos insiste comigo para que eu vá. Portanto, se encontrei favor aos seus olhos, peço que me deixe partir, para que eu veja os meus irmãos.” Por isso, não veio à mesa do rei.

Saul fica irado com Jônatas

30Então Saul ficou irado com Jônatas e lhe disse:

— Seu filho de mulher vadia e rebelde! Você acha que eu não sei que você elegeu o filho de Jessé, para vergonha sua e para vergonha de sua mãe? 31Pois, enquanto o filho de Jessé viver sobre a terra, nem você estará seguro, nem seguro estará o seu reino. Por isso, mande buscá-lo, agora, porque deve morrer.

32Então Jônatas perguntou a Saul, seu pai:

— Por que ele deve morrer? O que foi que ele fez?

33Então Saul atirou a sua lança contra Jônatas para matá-lo. Com isso Jônatas entendeu que, de fato, seu pai já havia decidido matar Davi. 34Por isso, Jônatas, com muita raiva, se levantou da mesa e, neste segundo dia da Festa da Lua Nova, não comeu pão, pois ficou muito sentido por causa de Davi, a quem seu pai havia insultado.

Jônatas se despede de Davi

35Na manhã seguinte, Jônatas saiu ao campo, no tempo combinado com Davi, e levou consigo um rapazinho. 36Então disse ao seu rapaz:

— Corra e busque as flechas que eu atirar.

O rapaz correu, e ele atirou uma flecha, que fez passar além do rapaz. 37Quando o rapaz chegou ao lugar da flecha que Jônatas havia atirado, Jônatas gritou atrás dele:

— A flecha não está mais para lá de você?

38Jônatas gritou mais uma vez:

— Vamos! Depressa! Não fique aí parado!

O rapaz de Jônatas apanhou as flechas e voltou ao seu senhor. 39O rapaz não entendeu coisa alguma, pois só Jônatas e Davi sabiam deste combinado. 40Então Jônatas deu as suas armas ao rapaz que o acompanhava e lhe disse:

— Vá, leve-as para a cidade.

41Quando o rapaz foi embora, Davi se levantou do lado do monte de pedras e se prostrou com o rosto em terra três vezes. E beijaram um ao outro e choraram juntos; Davi, porém, muito mais. 42Então Jônatas disse a Davi:

— Vá em paz, porque ambos juramos em nome do Senhor, dizendo: “O Senhor seja para sempre testemunha entre mim e você e entre a minha descendência e a sua descendência.”

43Então Davi se levantou e foi embora. E Jônatas voltou para a cidade.

1Samuel 20NAAAbrir na Bíblia

Gratidão pelas colheitas

Ao mestre de canto. De Davi. Cântico

1A ti, ó Deus, o louvor

é devido em Sião,

e a ti se pagarão os votos.

2Ó tu que escutas a oração,

a ti virão todas as pessoas,

3por causa de suas iniquidades.

Se prevalecem

as nossas transgressões,

tu as perdoas.

4Bem-aventurado

aquele a quem escolhes

e aproximas de ti, para que habite

nos teus átrios.

Ficaremos satisfeitos

com a bondade de tua casa —

o teu santo templo.

5Com tremendos feitos

nos respondes

em tua justiça,

ó Deus, Salvador nosso,

esperança de todos os confins

da terra

e dos mares longínquos.

6Com a tua força

consolidas os montes,

cingido de poder.

7Tu acalmas o rugido dos mares,

o ruído das suas ondas

e o tumulto dos povos.

8Os que habitam

nos confins da terra

temem os teus sinais;

os que vêm do Oriente

e do Ocidente,

tu os fazes exultar de júbilo.

9Tu visitas a terra e a regas;

tu a enriqueces grandemente.

Os ribeiros de Deus

são abundantes de água;

provês o cereal,

porque para isso preparas a terra,

10regando-lhe os sulcos

e desmanchando os torrões.

Tu a amoleces com chuviscos

e lhe abençoas a produção.

11Coroas o ano da tua bondade;

as tuas pegadas destilam fartura,

12destilam sobre as pastagens

do deserto,

e de júbilo se revestem as colinas.

13Os campos se cobrem

de rebanhos,

e os vales se enchem de espigas;

exultam de alegria e cantam.

Salmos 65NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: