Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 109

Texto(s) da Bíblia

23— Quando completou quarenta anos, Moisés teve a ideia de visitar os seus irmãos, os filhos de Israel. 24Vendo um homem ser maltratado, saiu em defesa dele e vingou o oprimido, matando o egípcio. 25Ora, Moisés pensava que seus irmãos entenderiam que Deus queria salvá-los por meio dele; eles, porém, não entenderam. 26No dia seguinte, Moisés aproximou-se de uns que brigavam e procurou reconduzi-los à paz, dizendo: “Homens, vocês são irmãos; por que estão maltratando um ao outro?” 27Mas o que agredia o seu próximo repeliu Moisés, dizendo: “Quem colocou você como chefe e juiz sobre nós? 28Será que quer me matar, assim como ontem matou o egípcio?” 29Ao ouvir isto, Moisés fugiu e se tornou peregrino na terra de Midiã, onde lhe nasceram dois filhos.

30— Passados quarenta anos, apareceu-lhe, no deserto do monte Sinai, um anjo, por entre as chamas de uma sarça que estava queimando. 31Moisés ficou maravilhado diante daquela visão e, aproximando-se para contemplá-la, ouviu-se a voz do Senhor, que disse: 32“Eu sou o Deus dos seus pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó.” Moisés, tremendo de medo, não ousava contemplar a sarça. 33Então o Senhor disse: “Tire as sandálias dos pés, porque o lugar em que você está é terra santa. 34Certamente vi o sofrimento do meu povo no Egito, ouvi o seu gemido e desci para libertá-lo. Venha, agora; vou mandar você para o Egito.”

35— A este Moisés, a quem tinham rejeitado, dizendo: “Quem colocou você como chefe e juiz?”, Deus enviou como chefe e libertador, com a assistência do anjo que lhe apareceu na sarça. 36Foi Moisés quem os tirou de lá, fazendo prodígios e sinais na terra do Egito, no mar Vermelho e no deserto, durante quarenta anos. 37Foi ainda Moisés quem disse aos filhos de Israel: “Deus fará com que, do meio dos irmãos de vocês, se levante um profeta semelhante a mim.” 38É este Moisés quem esteve na congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no monte Sinai e com os nossos pais. Foi ele quem recebeu palavras vivas para nos transmitir.

39— Nossos pais não quiseram obedecer a Moisés, mas o rejeitaram e, no seu coração, voltaram para o Egito, 40dizendo a Arão: “Faça para nós deuses que vão adiante de nós; porque, quanto a este Moisés, que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.” 41Naqueles dias, fizeram um bezerro e ofereceram sacrifício ao ídolo, alegrando-se com as obras das suas mãos. 42Mas Deus se afastou e os entregou à adoração das estrelas do céu, como está escrito no Livro dos Profetas:

“Ó casa de Israel,

será que foi para mim

que vocês ofereceram vítimas

e sacrifícios no deserto,

durante quarenta anos?

43Não é verdade

que vocês levantaram

o tabernáculo de Moloque

e a estrela de Renfã,

o deus de vocês,

imagens que vocês fizeram

para as adorar?

Por isso, vou mandar vocês

ao exílio

para além da Babilônia.”

44— O tabernáculo do testemunho estava entre nossos pais no deserto, como havia ordenado aquele que disse a Moisés que o fizesse segundo o modelo que tinha visto. 45Também nossos pais, com Josué, tendo recebido o tabernáculo, o levaram, quando tomaram posse das nações que Deus expulsou da presença deles. Foi assim até os dias de Davi, 46que obteve o favor de Deus e pediu autorização para construir uma casa para o Deus de Jacó. 47Mas foi Salomão quem lhe edificou a casa. 48Entretanto, o Altíssimo não habita em casas feitas por mãos humanas. Como diz o profeta:

49“O céu é o meu trono,

e a terra é o estrado dos meus pés.

Que casa vocês edificarão

para mim, diz o Senhor,

ou qual é o lugar do meu repouso?

50Não é fato que a minha mão

fez todas estas coisas?”

51— Homens teimosos e incircuncisos de coração e de ouvidos, vocês sempre resistem ao Espírito Santo. Vocês fazem exatamente o mesmo que fizeram os seus pais. 52Qual dos profetas os pais de vocês não perseguiram? Eles mataram os que anteriormente anunciavam a vinda do Justo, do qual vocês agora se tornaram traidores e assassinos, 53vocês que receberam a lei por ministério de anjos e não a guardaram.

A morte de Estêvão

54Ao ouvirem isto, ficaram com o coração cheio de raiva e rangiam os dentes contra ele. 55Mas Estêvão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória de Deus e Jesus, que estava à direita de Deus. 56Então disse:

— Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à direita de Deus.

57Eles, porém, gritando bem alto, taparam os ouvidos e, unânimes, avançaram contra ele. 58E, expulsando-o da cidade, o apedrejaram. As testemunhas deixaram as capas deles aos pés de um jovem chamado Saulo. 59E enquanto o apedrejavam, Estêvão orava, dizendo:

— Senhor Jesus, recebe o meu espírito!

60Então, ajoelhando-se, gritou bem alto:

— Senhor, não os condenes por causa deste pecado!

E, depois que ele disse isso, morreu.

Atos 7:23-60NAAAbrir na Bíblia

1E Saulo consentia na morte de Estêvão.

Saulo persegue a igreja

Naquele dia, teve início uma grande perseguição contra a igreja em Jerusalém. Todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judeia e da Samaria.

Atos 8:1NAAAbrir na Bíblia

As últimas disposições

31.1—32.47

Josué, sucessor de Moisés

1Moisés foi e falou estas palavras a todo o Israel. 2Ele disse:

— Hoje estou com cento e vinte anos de idade. Já não tenho forças para fazer o meu trabalho, e o Senhor me disse: “Você não passará o Jordão.” 3O Senhor, o Deus de vocês, passará adiante de vocês. Ele destruirá as nações que estão diante de vocês, e vocês tomarão posse delas. Josué passará adiante de vocês, como o Senhor falou. 4O Senhor fará com essas nações o que fez com Seom e Ogue, reis dos amorreus, e com a terra deles, que ele destruiu. 5Quando, pois, o Senhor entregar nas suas mãos esses povos que estão diante de vocês, façam com eles segundo todo o mandamento que ordenei a vocês. 6Sejam fortes e corajosos, não tenham medo, nem fiquem apavorados diante deles, porque o Senhor, seu Deus, é quem vai com vocês; ele não os deixará, nem os abandonará.

7Moisés chamou Josué e lhe disse na presença de todo o Israel:

— Seja forte e corajoso, porque, com este povo, você entrará na terra que o Senhor, sob juramento, prometeu dar a seus pais; e você os fará herdá-la. 8O Senhor é quem irá à sua frente. Ele estará com você, não o deixará, nem o abandonará. Não tenha medo, nem fique assustado.

A leitura da Lei

9Moisés escreveu esta Lei e a entregou aos sacerdotes, filhos de Levi, que levavam a arca da aliança do Senhor, e a todos os anciãos de Israel. 10Moisés lhes deu a seguinte ordem:

— Ao final de cada sete anos, precisamente no ano do perdão das dívidas, na Festa dos Tabernáculos, 11quando todo o Israel se apresentar diante do Senhor, seu Deus, no lugar que este escolher, vocês devem ler esta Lei diante de todo o Israel. 12Reúnam o povo, os homens, as mulheres, as crianças e os estrangeiros que se encontram nas cidades onde vocês moram, para que ouçam, aprendam e temam o Senhor, o Deus de vocês, e cuidem de cumprir todas as palavras desta Lei, 13e para que os seus filhos que não a souberem ouçam e aprendam a temer o Senhor, seu Deus, todos os dias que viverem na terra em que, passando o Jordão, vocês vão entrar e da qual tomarão posse.

A futura rebeldia de Israel

14O Senhor disse a Moisés:

— Eis que está chegando o dia em que você vai morrer. Chame Josué, e apresentem-se na tenda do encontro, para que eu lhe dê ordens.

Assim, Moisés e Josué foram e se apresentaram na tenda do encontro. 15Então o Senhor apareceu, ali, na coluna de nuvem, a qual se deteve sobre a porta da tenda. 16O Senhor disse a Moisés:

— Eis que em breve você vai morrer e então este povo se levantará, e se prostituirá, seguindo deuses estranhos na terra em que vão entrar. Eles me deixarão, e anularão a aliança que fiz com eles. 17Nesse dia, a minha ira se acenderá contra eles; eu os abandonarei e deles esconderei o rosto, para que sejam destruídos. E tantos males e angústias os alcançarão, que naquele dia dirão: “Não é verdade que estes males nos alcançaram porque o nosso Deus não está entre nós?” 18Certamente esconderei o rosto naquele dia, por todo o mal que tiverem feito, por terem se voltado para outros deuses.

19— Escrevam para vocês este cântico e tratem de ensiná-lo aos filhos de Israel. Ponham este cântico na boca de cada um deles, para que me seja por testemunha contra os filhos de Israel. 20Quando eu tiver introduzido o meu povo na terra que mana leite e mel, a qual, sob juramento, prometi aos pais deles, e eles tiverem comido, se fartado e engordado, então eles se voltarão para outros deuses, os servirão e me desprezarão, anulando a minha aliança. 21E, quando muitos males e angústias os tiverem alcançado, este cântico será minha testemunha contra eles, pois os descendentes deles sempre o trarão na boca. Porque conheço os desígnios que hoje estão formulando, antes que os leve para a terra que, sob juramento, prometi.

22Assim, naquele mesmo dia, Moisés escreveu este cântico e o ensinou aos filhos de Israel.

23O Senhor deu esta ordem a Josué, filho de Num:

— Seja forte e corajoso, porque você levará os filhos de Israel para a terra que, sob juramento, lhes prometi; e eu estarei com você.

O Livro da Lei é posto ao lado da arca

24Tendo Moisés acabado de escrever, integralmente, as palavras desta Lei num livro, 25deu ordem aos levitas que levavam a arca da aliança do Senhor, dizendo:

26— Peguem este Livro da Lei e coloquem-no ao lado da arca da aliança do Senhor, seu Deus, para que fique ali como testemunha contra vocês. 27Porque conheço a rebeldia e teimosia de vocês. Porque se hoje, durante a minha vida, enquanto ainda estou aqui, vocês já são rebeldes contra o Senhor, o que vai acontecer depois da minha morte? 28Reúnam diante de mim todos os anciãos das tribos e os oficiais, para que eu fale aos seus ouvidos estas palavras e tome o céu e a terra por testemunhas contra eles. 29Porque sei que, depois da minha morte, vocês certamente se deixarão corromper e se desviarão do caminho que lhes tenho ordenado. Então, nos últimos dias, este mal os alcançará, porque vocês farão o que é mau aos olhos do Senhor, provocando-o à ira com as obras das suas mãos.

O cântico de Moisés

30Então Moisés pronunciou, integralmente, as palavras deste cântico aos ouvidos de toda a congregação de Israel:

Deuteronômio 31NAAAbrir na Bíblia

1“Inclinem os ouvidos, ó céus,

e falarei;

e ouça a terra as palavras

da minha boca.

2Goteje a minha doutrina

como a chuva,

destile a minha palavra

como o orvalho,

como chuvisco sobre a relva

e como gotas de água sobre a erva.”

3“Porque proclamarei

o nome do Senhor.

Louvem a grandeza do nosso Deus.

4Eis a Rocha!

Suas obras são perfeitas,

porque todos os seus caminhos

são juízo.

Deus é fidelidade,

e nele não há injustiça;

é justo e reto.”

5“Procederam corruptamente

contra ele,

já não são seus filhos,

e sim suas manchas;

é geração perversa e deformada.

6É assim que vocês

retribuem ao Senhor,

povo tolo e insensato?

Não é ele o Pai de vocês,

que os adquiriu,

que os fez e estabeleceu?”

7“Lembrem-se

dos dias da antiguidade,

atentem para os anos

de sucessivas gerações.

Perguntem aos seus pais,

e eles informarão;

aos seus anciãos,

e eles lhes dirão.

8Quando o Altíssimo distribuía

as heranças às nações,

quando separava

os filhos dos homens

uns dos outros,

fixou as fronteiras dos povos,

segundo o número

dos filhos de Israel.

9Porque a porção do Senhor

é o seu povo;

Jacó é a parte da sua herança.”

10“Ele o encontrou

numa terra deserta

e num ermo solitário

povoado de uivos;

rodeou-o e cuidou dele,

guardou-o

como a menina dos olhos.

11Como a águia desperta

a sua ninhada

e voeja sobre os seus filhotes,

estende as asas e, tomando-os,

os leva sobre elas,

12assim, só o Senhor guiou

o seu povo,

e não havia com ele

deus estranho.”

13“Ele o fez cavalgar

sobre os altos da terra,

comer o produto do campo,

chupar mel da rocha

e azeite da pedra dura;

14alimentou-o com

coalhada de vacas

e leite de ovelhas,

com a gordura dos cordeiros,

dos carneiros que pastam em Basã

e dos bodes,

com o melhor trigo.

E vocês beberam

o sangue das uvas, o vinho.”

15“Mas Jesurum engordou

e deu coices —

vocês engordaram, engrossaram,

se estufaram!

Ele abandonou a Deus, que o fez,

desprezou a Rocha da sua salvação.

16Com deuses estranhos

eles provocaram ciúmes,

com abominações o irritaram.

17Ofereceram sacrifícios

aos demônios, não a Deus;

sacrificaram a deuses

que não conheceram,

novos deuses

que vieram há pouco,

diante dos quais os seus pais não tremeram.

18Não se lembraram da Rocha

que os gerou;

e se esqueceram do Deus

que os fez nascer.”

19“O Senhor viu isso

e os desprezou,

por causa da provocação

de seus filhos e suas filhas.

20Ele disse: ‘Esconderei deles

o rosto,

verei qual será o seu fim;

porque são uma geração perversa,

filhos em quem não há lealdade.

21Provocaram ciúmes em mim

com aquilo que não é Deus;

com seus ídolos

me provocaram à ira.

Portanto, provocarei ciúmes neles

com aquele que não é povo;

com uma nação tola

os despertarei à ira.

22Porque um fogo se acendeu

no meu furor

e queimará até o mais profundo

do inferno,

consumirá a terra

e as suas colheitas

e incendiará os fundamentos

dos montes.’”

23“‘Amontoarei males sobre eles;

esgotarei as minhas flechas

contra eles.

24Consumidos serão pela fome,

devorados pela febre

e peste violenta.

Contra eles enviarei

animais selvagens

e veneno de criaturas

que se arrastam no pó.

25Do lado de fora,

a espada causará devastação;

em casa, o pavor,

tanto ao jovem como à virgem,

tanto à criança de peito

como ao homem

de cabelos brancos.

26Eu disse que os espalharia

por todos os cantos

e que faria cessar a sua memória

dentre os homens,

27se eu não tivesse receado

a provocação do inimigo,

para que os seus adversários

não se iludam,

para que não digam:

A nossa mão prevaleceu,

e não foi o Senhor

quem fez tudo isto.’”

28“‘Porque o meu povo

é gente sem juízo,

e neles não há entendimento.

29Quem dera fossem eles sábios!

Então entenderiam isto

e compreenderiam

qual será o seu fim.

30Como poderia

um só perseguir mil,

e dois fazerem fugir dez mil,

se a sua Rocha

não os tivesse vendido,

se o Senhor

não os tivesse entregue?’”

31“‘Porque a rocha deles

não é como a nossa Rocha;

e os próprios inimigos o atestam.

32Porque a vinha deles

é da vinha de Sodoma

e dos campos de Gomorra;

as suas uvas são uvas de veneno,

seus cachos são amargos;

33o vinho deles

é veneno de serpentes

e peçonha terrível de víboras.’”

34“‘Não está isto guardado comigo,

selado nos meus tesouros?

35A mim pertence a vingança,

a retribuição,

a seu tempo, quando o pé deles

resvalar;

porque o dia da sua calamidade

está próximo,

e o seu destino

se apressa em chegar.’

36Porque o Senhor fará justiça

ao seu povo

e se compadecerá dos seus servos,

quando notar que o poder deles

se foi,

e já não há nem escravo nem livre.

37Então dirá: ‘Onde estão

os seus deuses?

E a rocha em quem confiavam?

38Deuses que comiam

a gordura de seus sacrifícios

e bebiam o vinho de suas libações?

Que eles se levantem e os ajudem,

para que haja um esconderijo

para vocês!’”

39“‘Vejam, agora, que eu,

sim, eu sou Ele,

e que não há nenhum deus

além de mim;

eu mato e eu faço viver;

eu firo e eu saro;

e não há quem possa livrar

alguém da minha mão.

40Levanto a mão aos céus

e afirmo por minha vida eterna:

41se eu afiar

a minha espada reluzente,

e a minha mão exercitar o juízo,

tomarei vingança

contra os meus adversários

e retribuirei aos que me odeiam.

42Embriagarei as minhas setas

de sangue

— a minha espada

comerá carne —,

do sangue dos mortos

e dos prisioneiros,

das cabeças cabeludas do inimigo.’”

43“Ó nações,

louvem com o povo de Deus,

porque o Senhor vingará

o sangue dos seus servos,

tomará vingança

dos seus adversários

e fará expiação

pela terra do seu povo.”

44Moisés veio e falou todas as palavras deste cântico aos ouvidos do povo, ele e Josué, filho de Num. 45Quando Moisés acabou de falar todas estas palavras a todo o Israel, 46disse-lhes:

— Guardem no coração todas as palavras que hoje testifico entre vocês, para que ordenem a seus filhos que tratem de cumprir todas as palavras desta Lei. 47Porque esta palavra não é para vocês coisa vã; pelo contrário, é a sua vida; e, por esta mesma palavra, vocês prolongarão os dias na terra em que, passando o Jordão, vocês vão entrar e da qual tomarão posse.

O fim da vida de Moisés

32.48—34.12

Moisés vê a terra de Canaã

48Naquele mesmo dia, o Senhor falou a Moisés, dizendo:

49— Suba a este monte de Abarim, ao monte Nebo, que está na terra de Moabe, em frente de Jericó, e veja a terra de Canaã, que dou como propriedade aos filhos de Israel. 50Você vai morrer no monte, ao qual terá subido, e será reunido ao seu povo, como Arão, o seu irmão, morreu no monte Hor e foi reunido ao seu povo. 51Porque vocês foram infiéis a mim no meio dos filhos de Israel, nas águas de Meribá de Cades, no deserto de Zim, pois não me santificaram no meio dos filhos de Israel. 52Por isso você verá a terra à sua frente, mas não entrará nela, na terra que dou aos filhos de Israel.

Deuteronômio 32NAAAbrir na Bíblia

Resposta de Jó

Cap. 19

Vocês me insultaram

1Então Jó respondeu:

2“Até quando vocês vão

me atormentar

e me esmagar

com as suas palavras?

3Já dez vezes vocês

me insultaram

e não se envergonham

de me injuriar.

4Se eu tivesse realmente

cometido algum erro,

isso interessaria somente a mim.

5Se vocês querem se engrandecer

contra mim

e usam a minha vergonha

como argumento contra mim,

6então saibam que Deus

foi injusto comigo

e me cercou com a sua rede.”

Deus me arruinou

7“Eis que clamo: ‘Violência!’,

mas não sou ouvido;

grito: ‘Socorro!’,

porém não há justiça.

8Deus fechou o meu caminho,

e não consigo passar;

e nas minhas veredas pôs trevas.

9Despojou-me da minha honra

e tirou a coroa da minha cabeça.

10Arruinou-me de todos os lados,

e eu me vou;

tirou-me a esperança,

como se arranca uma árvore.

11Acendeu contra mim a sua ira

e me trata como um

dos seus adversários.

12Juntas vieram as suas tropas;

prepararam contra mim

o seu caminho

e acamparam

ao redor da minha tenda.”

Todos me abandonaram

13“Deus levou os meus irmãos

para longe de mim,

e os que me conhecem,

como estranhos,

se afastaram de mim.

14Os meus parentes

me abandonaram,

e os meus conhecidos

se esqueceram de mim.

15Os que se abrigam

na minha casa

e as minhas servas me consideram

como um estranho;

vim a ser um estrangeiro

aos olhos deles.

16Chamo o meu servo,

e ele não me responde;

tenho de suplicar-lhe, eu mesmo.

17O meu hálito é intolerável

à minha mulher,

e pelo mau cheiro sou repugnante

aos meus irmãos.

18Até as crianças me desprezam,

e, quando tento me levantar,

zombam de mim.

19Todos os meus amigos íntimos

me detestam,

e até os que eu amava

se voltaram contra mim.

20Os meus ossos se apegam

à minha pele e à minha carne;

escapei só com a pele

dos meus dentes.

21Tenham pena de mim,

meus amigos,

tenham pena de mim,

porque a mão de Deus

me atingiu.

22Por que vocês me perseguem

como Deus me persegue

e não cessam de devorar

a minha carne?”

Eu sei que o meu Redentor vive

23“Quem dera fossem agora

escritas as minhas palavras!

Quem dera fossem gravadas

em livro!

24Que, com pena de ferro

e com chumbo,

para sempre fossem esculpidas

na rocha!

25Porque eu sei

que o meu Redentor vive

e por fim se levantará

sobre a terra.

26Depois, revestido

este meu corpo

da minha pele,

em minha carne verei a Deus.

27Eu o verei por mim mesmo,

os meus olhos o verão,

e não outros;

de saudade o meu coração

desfalece dentro de mim.”

28“Se vocês disserem:

‘Como o perseguiremos?’

E: ‘A causa deste mal

se acha nele mesmo’,

29então tenham medo da espada,

porque tais acusações

merecem o seu furor,

para que vocês saibam

que há um juízo.”

Sociedade Bíblica do Brasilv.4.19.1
SIGA A SBB: