Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 80 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

Jesus aparece a sete discípulos

1Depois disso, Jesus se manifestou outra vez aos discípulos junto ao mar de Tiberíades. Foi assim que ele se manifestou: 2Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael, que era de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e mais dois discípulos de Jesus. 3Simão Pedro disse aos outros:

— Vou pescar.

Os outros responderam:

— Nós também vamos com você.

Foram e entraram no barco, mas, naquela noite, não pegaram nada.

4Ao romper o dia, Jesus estava na praia, mas os discípulos não reconheceram que era ele. 5Jesus lhes perguntou:

— Filhos, será que vocês têm aí alguma coisa para comer?

Eles responderam:

— Não.

6Então Jesus disse:

— Joguem a rede à direita do barco e vocês acharão.

Assim fizeram e já não podiam puxar a rede, tão grande era a quantidade de peixes. 7E o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro:

— É o Senhor!

Simão Pedro, ouvindo que era o Senhor, cingiu-se com a sua túnica, porque tinha tirado a roupa, e lançou-se ao mar. 8Os outros discípulos vieram no barquinho puxando a rede com os peixes, porque estavam somente a uns noventa metros da margem.

9Ao saltarem em terra, viram ali umas brasas com peixe por cima; e também havia pão. 10Jesus lhes disse:

— Tragam alguns dos peixes que vocês acabaram de pegar.

11Simão Pedro entrou no barco e arrastou a rede para a terra. A rede estava cheia, com cento e cinquenta e três grandes peixes. E, mesmo sendo tantos peixes, a rede não se rompeu. 12Jesus disse a eles:

— Venham comer.

Nenhum dos discípulos ousava perguntar: “Quem é você?” Porque sabiam que era o Senhor. 13Jesus veio, pegou o pão e deu a eles. Depois fez a mesma coisa com o peixe. 14E esta já era a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos depois de ressuscitado dentre os mortos.

Jesus e Pedro

15Depois de terem comido, Jesus perguntou a Simão Pedro:

— Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros me amam?

Ele respondeu:

— Sim, o Senhor sabe que eu o amo.

Jesus lhe disse:

— Apascente os meus cordeiros.

16Jesus perguntou pela segunda vez:

— Simão, filho de João, você me ama?

Ele respondeu:

— Sim, o Senhor sabe que eu o amo.

Jesus lhe disse:

— Pastoreie as minhas ovelhas.

17Pela terceira vez Jesus lhe perguntou:

— Simão, filho de João, você me ama?

Pedro ficou triste por Jesus ter perguntado pela terceira vez: “Você me ama?” E respondeu:

— O Senhor sabe todas as coisas; sabe que eu o amo.

Jesus lhe disse:

— Apascente as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade lhe digo que, quando era mais moço, você se cingia e andava por onde queria. Mas, quando você for velho, estenderá as mãos, e outro o cingirá e o levará para onde você não quer ir.

19Jesus disse isso para significar com que tipo de morte Pedro havia de glorificar a Deus. Depois de falar assim, Jesus acrescentou:

— Siga-me.

Jesus e o outro discípulo

20Então Pedro, voltando-se, viu que o discípulo a quem Jesus amava vinha seguindo; era o mesmo que na ceia havia se reclinado sobre o peito de Jesus para perguntar: “Senhor, quem é o traidor?” 21Ao vê-lo, Pedro perguntou a Jesus:

— Senhor, e quanto a este?

22Jesus respondeu:

— Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, o que você tem com isso? Quanto a você, siga-me.

23Então se espalhou entre os irmãos a notícia de que aquele discípulo não morreria. Ora, Jesus não tinha dito que tal discípulo não morreria, mas: “Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, o que você tem com isso?”

O testemunho de João

24Este é o discípulo que dá testemunho a respeito destas coisas e que as escreveu; e sabemos que o seu testemunho é verdadeiro.

25Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez. Se todas elas fossem relatadas uma por uma, penso que nem no mundo inteiro caberiam os livros que seriam escritos.

João 21NAAAbrir na Bíblia

Prólogo. O Verbo da vida e a comunhão com Deus

1O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos próprios olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2— e a vida se manifestou, e nós a vimos e dela damos testemunho, e anunciamos a vocês a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada —, 3o que vimos e ouvimos anunciamos também a vocês, para que também vocês tenham comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com o seu Filho, Jesus Cristo. 4E escrevemos estas coisas para que a nossa alegria seja completa.

Deus é luz

5A mensagem que dele ouvimos e que anunciamos a vocês é esta: Deus é luz, e não há nele treva nenhuma. 6Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. 7Se andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.

O pecado, a confissão, o perdão

8Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos enganamos, e a verdade não está em nós. 9Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. 10Se dissermos que não cometemos pecado, fazemos dele um mentiroso, e a sua palavra não está em nós.

1João 1NAAAbrir na Bíblia

1Vejam que grande amor o Pai nos tem concedido, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por essa razão, o mundo não nos conhece, porque não o conheceu. 2Amados, agora somos filhos de Deus, mas ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. 3E todo o que tem essa esperança nele purifica a si mesmo, assim como ele é puro. 4Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei. 5E vocês sabem que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado. 6Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu.

Os filhos de Deus e os filhos do diabo

7Filhinhos, não se deixem enganar por ninguém. Aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. 8Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.

9Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado, porque nele permanece a semente divina; esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. 10Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica a justiça não procede de Deus, e o mesmo vale para aquele que não ama o seu irmão.

O amor aos irmãos

11Porque a mensagem que vocês ouviram desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros. 12Não sejamos como Caim, que era do Maligno e matou o seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão eram justas.

13Irmãos, não se admirem se o mundo odeia vocês. 14Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama permanece na morte. 15Todo aquele que odeia o seu irmão é assassino, e vocês sabem que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si. 16Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; portanto, também nós devemos dar a nossa vida pelos irmãos. 17Ora, se alguém possui recursos deste mundo e vê seu irmão passar necessidade, mas fecha o coração para essa pessoa, como pode permanecer nele o amor de Deus? 18Filhinhos, não amemos de palavra, nem da boca para fora, mas de fato e de verdade.

19E nisto conheceremos que somos da verdade, bem como, diante dele, tranquilizaremos o nosso coração. 20Pois, se o nosso coração nos acusar, Deus é maior do que o nosso coração e conhece todas as coisas. 21Amados, se o coração não nos acusar, temos confiança diante de Deus; 22e aquilo que pedimos dele recebemos, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos diante dele o que lhe é agradável. 23E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, segundo o mandamento que nos ordenou. 24Quem guarda os seus mandamentos permanece em Deus, e Deus permanece nele. E nisto conhecemos que ele permanece em nós, pelo Espírito que nos deu.

1João 3NAAAbrir na Bíblia

O decreto de Ciro

2Cr 36.22-23

1No primeiro ano do reinado de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor, por boca de Jeremias, o Senhor despertou o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que ordenou que se proclamasse em todo o seu reino e que se pusesse por escrito o seguinte:

2“Assim diz Ciro, rei da Pérsia:

O Senhor, Deus dos céus, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe edificar um templo em Jerusalém, que fica em Judá. 3Aquele dentre vocês que for do seu povo, que o seu Deus esteja com ele e que suba para Jerusalém, que fica em Judá, e edifique a Casa do Senhor, Deus de Israel; ele é o Deus que está em Jerusalém. 4Todo aquele que restar, seja qual for o lugar em que habita, que os homens desse lugar o ajudem com prata, ouro, bens e gado, além das dádivas voluntárias para a Casa de Deus, em Jerusalém.”

5Então se levantaram os chefes de famílias de Judá e de Benjamim, os sacerdotes e os levitas e todos aqueles cujo espírito Deus despertou, para subirem a edificar a Casa do Senhor, em Jerusalém. 6Todos os que moravam nos arredores os ajudaram com objetos de prata e de ouro, bens, gado e coisas preciosas, além de todas as ofertas voluntárias.

7Também o rei Ciro entregou os utensílios da Casa do Senhor, os quais Nabucodonosor tinha trazido de Jerusalém e colocado na casa de seus deuses. 8Ciro, rei da Pérsia, tirou esses utensílios sob a direção do tesoureiro Mitredate, que os entregou contados a Sesbazar, príncipe de Judá. 9Eis o número deles: trinta bacias de ouro, mil bacias de prata, vinte e nove facas, 10trinta taças de ouro, quatrocentas e dez taças de prata de menor qualidade e mil outros objetos. 11Todos os utensílios de ouro e de prata foram cinco mil e quatrocentos. Sesbazar levou todos esses consigo, quando os exilados voltaram da Babilônia para Jerusalém.

Esdras 1NAAAbrir na Bíblia

A lista dos que voltaram com Esdras

1Estes são os chefes de famílias e esta é a genealogia dos que voltaram comigo da Babilônia, no reinado do rei Artaxerxes: 2dos filhos de Fineias, Gérson; dos filhos de Itamar, Daniel; dos filhos de Davi, Hatus; 3dos filhos de Secanias, dos filhos de Parós, Zacarias, e com ele foram registrados cento e cinquenta homens. 4Dos filhos de Paate-Moabe, Elioenai, filho de Zeraías, e, com ele, duzentos homens. 5Dos filhos de Secanias, o filho de Jaaziel, e, com ele, trezentos homens. 6Dos filhos de Adim, Ebede, filho de Jônatas, e, com ele, cinquenta homens. 7Dos filhos de Elão, Jesaías, filho de Atalias, e, com ele, setenta homens. 8Dos filhos de Sefatias, Zebadias, filho de Micael, e, com ele, oitenta homens. 9Dos filhos de Joabe, Obadias, filho de Jeiel, e, com ele, duzentos e dezoito homens. 10Dos filhos de Bani, Selomite, filho de Josifias, e, com ele, cento e sessenta homens. 11Dos filhos de Bebai, Zacarias, o filho de Bebai, e, com ele, vinte e oito homens. 12Dos filhos de Azgade, Joanã, o filho de Hacatã, e, com ele, cento e dez homens. 13Dos filhos de Adonicão, últimos a chegar, seus nomes eram estes: Elifelete, Jeiel e Semaías, e, com eles, sessenta homens. 14Dos filhos de Bigvai, Utai e Zabude, e, com eles, setenta homens.

Esdras manda buscar levitas

15Eu os reuni perto do rio que corre para Aava, onde ficamos acampados três dias. Atentando para o povo e para os sacerdotes e não tendo achado nenhum dos filhos de Levi, 16mandei chamar Eliézer, Ariel, Semaías, Elnatã, Jaribe, Elnatã, Natã, Zacarias e Mesulão, os chefes, bem como Joiaribe e Elnatã, que eram sábios. 17Eu os enviei a Ido, chefe em Casifia, e lhes dei as palavras que deveriam dizer a Ido e aos servidores do templo, seus irmãos, em Casifia, para que nos enviassem ministros para o templo do nosso Deus. 18E, como a mão bondosa de Deus estava sobre nós, eles nos enviaram um homem sábio, dos filhos de Mali, filho de Levi, filho de Israel, a saber, Serebias, com os seus filhos e irmãos, em número de dezoito. 19Também mandaram Hasabias e, com ele, Jesaías, dos filhos de Merari, com os seus irmãos e os filhos deles, em número de vinte. 20E dos servidores do templo, que Davi e os príncipes haviam escolhido para ajudar os levitas, duzentos e vinte, todos eles mencionados nominalmente.

O jejum

21Então ali, junto ao rio Aava, proclamei um jejum, para nos humilharmos diante do nosso Deus, para lhe pedirmos uma boa viagem para nós, para os nossos filhos e para tudo o que era nosso. 22Porque tive vergonha de pedir ao rei exército e cavaleiros para nos defenderem do inimigo no caminho, porque já lhe havíamos dito: “A mão do nosso Deus está sobre todos os que o buscam, para o bem deles; mas a sua força e a sua ira são contra todos os que o abandonam.” 23Assim nós jejuamos e pedimos isto ao nosso Deus, e ele nos atendeu.

A entrega das contribuições aos sacerdotes

24Então separei doze dos principais sacerdotes, isto é, Serebias, Hasabias e dez dos seus irmãos. 25Pesei-lhes a prata, o ouro e os utensílios que o rei, os seus conselheiros, os seus príncipes e todo o Israel que ali estava tinham contribuído para o templo do nosso Deus. 26Entreguei-lhes nas mãos vinte e dois mil quilos de prata, três mil e quatrocentos quilos em objetos de prata e três mil e quatrocentos quilos de ouro. 27Além disso, entreguei vinte taças de ouro de oito quilos e meio e dois objetos de bronze lustroso e fino, tão precioso como ouro.

28Então eu lhes disse:

— Vocês são santos ao Senhor, e santos são estes objetos, bem como esta prata e este ouro, oferta voluntária ao Senhor, Deus dos seus pais. 29Vigiem e guardem essas coisas até que as pesem na presença dos principais sacerdotes, dos levitas e dos chefes de famílias de Israel, em Jerusalém, nas câmaras da Casa do Senhor.

30Então os sacerdotes e os levitas receberam a prata, o ouro e os objetos, para os trazerem a Jerusalém, ao templo do nosso Deus.

A chegada a Jerusalém

31Partimos do rio Aava no dia doze do primeiro mês, a fim de irmos para Jerusalém. E a mão do nosso Deus estava sobre nós e nos livrou das mãos dos inimigos e dos que nos armavam ciladas pelo caminho. 32Chegamos a Jerusalém e descansamos três dias. 33No quarto dia, pesamos, no templo do nosso Deus, a prata, o ouro e os objetos e os entregamos a Meremote, filho do sacerdote Urias. Com ele estavam Eleazar, filho de Fineias, e os levitas Jozabade, filho de Jesua, e Noadias, filho de Binui. 34Tudo foi contado e pesado, e o peso total foi imediatamente registrado.

35Os exilados que voltaram do cativeiro ofereceram holocaustos ao Deus de Israel: doze novilhos por todo o Israel, noventa e seis carneiros, setenta e sete cordeiros e, como oferta pelo pecado, doze bodes; tudo em holocausto ao Senhor. 36Então deram as ordens do rei aos seus sátrapas e aos governadores da região deste lado do Eufrates, e estes ajudaram o povo na reconstrução da Casa de Deus.

Esdras 8NAAAbrir na Bíblia

Sob a sombra do Altíssimo

1Aquele que habita

no esconderijo do Altíssimo

e descansa à sombra do Onipotente

2diz ao Senhor:

“Tu és o meu refúgio

e a minha fortaleza,

o meu Deus, em quem confio.”

3Pois ele livrará você

do laço do passarinheiro

e da peste perniciosa.

4Ele o cobrirá com as suas penas,

e, sob as suas asas,

você estará seguro;

a sua verdade é proteção e escudo.

5Você não terá medo

do terror noturno,

nem da flecha que voa de dia,

6nem da peste

que se propaga nas trevas,

nem da mortandade

que assola ao meio-dia.

7Caiam mil ao seu lado,

e dez mil, à sua direita;

você não será atingido.

8Somente com os seus olhos

você contemplará

e verá o castigo dos ímpios.

9Você disse:

“O Senhor é o meu refúgio.”

Você fez do Altíssimo a sua morada.

10Nenhum mal lhe sucederá,

praga nenhuma chegará

à sua tenda.

11Porque aos seus anjos

ele dará ordens a seu respeito,

para que guardem você

em todos os seus caminhos.

12Eles o sustentarão

nas suas mãos,

para que você não tropece

em alguma pedra.

13Você pisará o leão e a cobra;

com os pés esmagará o leãozinho

e a serpente.

14Deus diz: “Porque a mim

se apegou com amor,

eu o livrarei;

eu o protegerei,

porque conhece o meu nome.

15Ele me invocará,

e eu lhe responderei;

na sua angústia eu estarei com ele;

eu o livrarei e o glorificarei.

16Vou saciá-lo com longevidade

e lhe mostrarei a minha salvação.”

Salmos 91NAAAbrir na Bíblia

Apelo para a justiça de Deus

1Ó Senhor, Deus das vinganças,

ó Deus das vinganças, resplandece.

2Levanta-te, ó juiz da terra,

e dá aos soberbos o castigo

que eles merecem.

3Até quando, Senhor, os ímpios,

até quando os ímpios exultarão?

4Fazem alarde

e falam com arrogância;

todos os que praticam a iniquidade

se vangloriam.

5Esmagam o teu povo, Senhor,

e oprimem a tua herança.

6Matam as viúvas e os estrangeiros

e assassinam os órfãos.

7E dizem:

“O Senhor não está vendo;

o Deus de Jacó não faz caso disso.”

8Prestem atenção,

ó estúpidos dentre o povo;

e vocês, tolos,

quando se tornarão sábios?

9Aquele que fez o ouvido

será que não ouve?

Aquele que formou os olhos

será que não enxerga?

10Aquele que repreende as nações

será que não vai punir?

Aquele que dá aos seres humanos

o conhecimento

será que não tem sabedoria?

11O Senhor conhece

os pensamentos do ser humano,

e sabe que são pensamentos vãos.

12Bem-aventurado, Senhor,

é aquele a quem tu repreendes,

a quem ensinas a tua lei,

13para lhe dares descanso

dos dias maus,

até que se abra a cova

para o ímpio.

14Pois o Senhor não abandonará

o seu povo;

ele não irá desamparar

a sua herança.

15Nos tribunais voltará a imperar

a justiça,

e todos os de coração reto

a seguirão.

16Quem se levantará a meu favor

contra os perversos?

Quem estará comigo

contra os que praticam

a iniquidade?

17Se não fosse o auxílio do Senhor,

a minha alma já estaria

na região do silêncio.

18Quando eu digo:

“Os meus pés vão resvalar”,

a tua bondade, Senhor, me sustém.

19Multiplicando-se em mim

as inquietações,

as tuas consolações

me alegram a alma.

20Será que pode associar-se

contigo o trono da perversidade,

que forja o mal,

tendo uma lei por pretexto?

21Ajuntam-se

contra a vida dos justos

e condenam à morte os inocentes.

22Mas o Senhor

é o meu alto refúgio;

o meu Deus é o rochedo

em que me abrigo.

23Sobre eles faz recair

a sua iniquidade

e pela maldade deles próprios

os destruirá;

o Senhor, nosso Deus,

os destruirá.

Salmos 94NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.14
SIGA A SBB: