Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 7 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

Arrepender-se ou perecer

1Naquela mesma ocasião, estavam ali algumas pessoas que falaram para Jesus a respeito dos galileus cujo sangue Pilatos havia misturado com os sacrifícios que os mesmos realizavam. 2Então Jesus lhes disse:

— Vocês pensam que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem padecido estas coisas? 3Digo a vocês que não eram; se, porém, não se arrependerem, todos vocês também perecerão. 4E, quanto àqueles dezoito sobre os quais desabou a torre de Siloé e os matou, vocês pensam que eles eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? 5Digo a vocês que não eram; mas, se não se arrependerem, todos vocês também perecerão.

A parábola da figueira estéril

6E Jesus contou a seguinte parábola:

— Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. 7Então disse ao homem que cuidava da vinha: “Já faz três anos que venho procurar fruto nesta figueira e não encontro nada. Portanto, corte-a! Por que ela ainda está ocupando inutilmente a terra?” 8Mas o homem que cuidava da vinha respondeu: “Senhor, deixe-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e ponha estrume. 9Se vier a dar fruto, muito bem. Se não der fruto, o senhor poderá cortá-la.”

A cura de uma mulher enferma num sábado

10Num sábado, Jesus estava ensinando numa das sinagogas. 11E chegou ali uma mulher possuída de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; ela andava encurvada, sem poder se endireitar de modo nenhum. 12Ao vê-la, Jesus a chamou e lhe disse:

— Mulher, você está livre da sua enfermidade.

13E, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. 14O chefe da sinagoga, indignado por ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão:

— Há seis dias em que se deve trabalhar. Venham nesses dias para serem curados, mas não no sábado.

15Porém o Senhor lhe respondeu:

— Hipócritas! Cada um de vocês não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? 16Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?

17Tendo Jesus dito estas palavras, todos os seus adversários ficaram envergonhados. Entretanto, o povo se alegrava por todos os feitos gloriosos que Jesus realizava.

A parábola do grão de mostarda

Mt 13.31-32; Mc 4.30-32

18Jesus disse:

— A que é semelhante o Reino de Deus, e a que o compararei? 19É semelhante a um grão de mostarda, que um homem plantou na sua horta; e cresceu e fez-se árvore; e as aves do céu se aninharam nos seus ramos.

A parábola do fermento

Mt 13.33

20Disse mais:

— A que compararei o Reino de Deus? 21É semelhante ao fermento que uma mulher pegou e misturou em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado.

A porta estreita

Mt 7.13-14,21-23

22Jesus passava por cidades e aldeias, ensinando e caminhando para Jerusalém. 23E alguém lhe perguntou:

— Senhor, são poucos os que são salvos?

24Jesus respondeu:

— Esforcem-se por entrar pela porta estreita! Pois eu afirmo a vocês que muitos procurarão entrar, mas não conseguirão. 25Quando o dono da casa se tiver levantado e fechado a porta, e vocês, do lado de fora, começarem a bater, dizendo: “Senhor, abra a porta para nós”, ele responderá: “Não sei de onde vocês são.” 26Então vocês dirão: “Comíamos e bebíamos com o senhor. Além disso, o senhor ensinava em nossas ruas.” 27Mas ele dirá a vocês: “Não sei de onde vocês são; afastem-se de mim, vocês todos que praticam o mal.” 28Ali haverá choro e ranger de dentes, quando vocês virem Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no Reino de Deus, mas vocês lançados fora. 29Muitos virão do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. 30Porém, de fato, há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos.

O lamento sobre Jerusalém

Mt 23.37-39

31Naquela mesma hora, alguns fariseus vieram para dizer a Jesus:

— Vá embora daqui, porque Herodes quer matá-lo.

32Ele, porém, lhes respondeu:

— Vão e digam a essa raposa que hoje e amanhã expulso demônios e curo doentes, e no terceiro dia terminarei. 33Porém, preciso caminhar hoje, amanhã e depois, porque não se espera que um profeta morra fora de Jerusalém.

34— Jerusalém, Jerusalém! Você mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados! Quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha ajunta os do seu próprio ninho debaixo das asas, mas vocês não quiseram! 35Eis que a casa de vocês ficará deserta. E eu afirmo a vocês que não me verão mais, até que venham a dizer: “Bendito o que vem em nome do Senhor!”

Lucas 13NAAAbrir na Bíblia

A cura de um hidrópico

1Num sábado, ao entrar Jesus na casa de um dos principais fariseus para tomar uma refeição, eles o estavam observando. 2E eis que diante dele se achava um homem hidrópico. 3Então Jesus, dirigindo-se aos intérpretes da Lei e aos fariseus, perguntou:

— É ou não é lícito curar no sábado?

4Eles, porém, não disseram nada. Então Jesus pegou na mão daquele homem, curou-o e o mandou embora. 5A seguir, Jesus lhes perguntou:

— Quem de vocês, se o filho ou o boi cair num poço, não irá tirá-lo imediatamente, mesmo em dia de sábado?

6A isto nada puderam responder.

Os primeiros lugares

7Reparando como os convidados escolhiam os primeiros lugares, Jesus contou-lhes uma parábola:

8— Quando alguém convidá-lo para um casamento, não sente no lugar de honra, pois pode haver um convidado mais importante do que você. 9Então aquele que convidou os dois dirá a você: “Dê o lugar a este aqui.” Então você irá, envergonhado, ocupar o último lugar. 10Pelo contrário, quando alguém convidá-lo, vá sentar no último lugar, para que, quando vier aquele que o convidou, diga a você: “Amigo, venha sentar num lugar melhor.” Isso será uma honra para você diante de todos os demais convidados. 11Porque todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado.

12Depois Jesus disse ao que o havia convidado:

— Quando você der um jantar ou uma ceia, não convide os seus amigos, nem os seus irmãos, nem os seus parentes, nem os vizinhos ricos; para não acontecer que eles retribuam o convite e você seja recompensado. 13Pelo contrário, ao dar um banquete, convide os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos, 14e você será bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensá-lo. A sua recompensa você receberá na ressurreição dos justos.

A parábola da grande ceia

Mt 22.1-10

15Ao ouvir tais palavras, um dos que estavam à mesa com Jesus lhe disse:

— Bem-aventurado aquele que participar do banquete no Reino de Deus.

16Jesus, porém, respondeu:

— Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. 17À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: “Venham, porque tudo já está preparado.” 18Mas todos eles, um por um, começaram a apresentar desculpas. O primeiro disse: “Comprei um campo e preciso ir vê-lo; peço que me desculpe.” 19Outro disse: “Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; peço que me desculpe.” 20E outro disse: “Casei-me e, por isso, não posso ir.”

21— O servo voltou e contou tudo ao seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse ao seu servo: “Saia depressa para as ruas e becos da cidade e traga para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos.” 22Mais tarde, o servo lhe disse: “Patrão, já fiz o que o senhor mandou, e ainda há lugar.” 23Então o senhor disse ao servo: “Saia pelos caminhos e atalhos e obrigue todos a entrar, para que a minha casa fique cheia. 24Porque digo a vocês que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia.”

As condições para ser seguidor de Jesus

Mt 10.37-38

25Grandes multidões acompanhavam Jesus, e ele, voltando-se, lhes disse:

26— Se alguém vem a mim e não me ama mais do que ama o seu pai, a sua mãe, a sua mulher, os seus filhos, os seus irmãos, as suas irmãs e até a sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27E quem não tomar a sua cruz e vier após mim não pode ser meu discípulo. 28Pois qual de vocês, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? 29Para não acontecer que, tendo lançado os alicerces e não podendo terminar a construção, todos os que a virem zombem dele, 30dizendo: “Este homem começou a construir e não pôde acabar.” 31Ou qual é o rei que, indo para combater outro rei, não se assenta primeiro para calcular se com dez mil homens poderá enfrentar o que vem contra ele com vinte mil? 32Caso contrário, estando o outro ainda longe, envia-lhe uma embaixada, pedindo condições de paz. 33Assim, pois, qualquer um de vocês que não renuncia a tudo o que tem não pode ser meu discípulo.

Sal insípido

Mt 5.13; Mc 9.50

34— O sal é certamente bom; mas, se o sal se tornar insípido, como lhe restaurar o sabor? 35Não presta mais nem para a terra nem para o monte de estrume; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

Lucas 14NAAAbrir na Bíblia

Isaque na terra dos filisteus

1Sobreveio fome à terra, assim como tinha acontecido nos dias de Abraão. Então Isaque foi a Gerar, encontrar-se com Abimeleque, rei dos filisteus. 2O Senhor apareceu a Isaque e lhe disse:

— Não desça ao Egito, mas fique na terra que eu lhe indicar. 3Habite nela, e estarei com você e o abençoarei. Porque a você e à sua descendência darei todas estas terras e confirmarei o juramento que fiz a Abraão, o seu pai. 4Multiplicarei a sua descendência como as estrelas dos céus e a ela darei todas estas terras. Na sua descendência serão benditas todas as nações da terra, 5porque Abraão obedeceu à minha palavra e guardou os meus mandamentos, os meus preceitos, os meus estatutos e as minhas leis.

6Isaque, pois, ficou em Gerar. 7Quando os homens daquele lugar perguntaram a respeito de sua mulher, ele disse: “É minha irmã.” Ele tinha medo de dizer: “É minha mulher”, porque pensava assim: “Os homens do lugar me matarão por causa de Rebeca, porque ela é muito bonita.”

8Depois que Isaque havia permanecido ali por muito tempo, Abimeleque, rei dos filisteus, olhou por uma janela e viu que Isaque acariciava Rebeca, sua mulher. 9Então Abimeleque chamou Isaque e lhe disse:

— É evidente que ela é a sua mulher! Como é que você disse que ela era a sua irmã?

Isaque respondeu:

— É que eu pensei que poderiam me matar por causa dela.

10Então Abimeleque disse:

— O que é isso que você fez conosco? Facilmente alguém do povo poderia ter se deitado com a sua mulher, e você teria trazido culpa sobre nós.

11Então Abimeleque deu esta ordem a todo o povo:

— Quem tocar neste homem ou na sua mulher certamente morrerá.

12Isaque semeou naquela terra e, no mesmo ano, recolheu cem por um, porque o Senhor o abençoava. 13Ele enriqueceu, continuou prosperando, ficou riquíssimo. 14Tinha ovelhas e bois e grande número de servos, de maneira que os filisteus tinham inveja dele. 15E, por isso, lhe entulharam todos os poços que os servos de seu pai haviam cavado, nos dias de Abraão, enchendo-os de terra. 16Abimeleque disse a Isaque:

— Saia da nossa terra, porque você já é muito mais poderoso do que nós.

17Então Isaque saiu dali e se acampou no vale de Gerar, onde ficou morando. 18Isaque tornou a abrir os poços que haviam sido cavados nos dias de Abraão, seu pai, porque os filisteus os haviam entulhado depois da morte de Abraão, e lhes deu os mesmos nomes que o seu pai já lhes tinha dado. 19Os servos de Isaque cavaram no vale e acharam um poço de água nascente. 20Mas os pastores de Gerar entraram em conflito com os pastores de Isaque, dizendo:

— Esta água é nossa!

Por isso, Isaque chamou o poço de Eseque, porque entraram em conflito com ele. 21Então cavaram outro poço e também por causa desse houve conflito. Por isso, recebeu o nome de Sitna. 22Partindo dali, Isaque cavou ainda outro poço. E, como por esse não houve conflito, deu-lhe o nome de Reobote. Ele disse:

— Porque agora o Senhor abriu espaço para nós e vamos prosperar nesta terra.

23Dali Isaque foi para Berseba. 24Na mesma noite, o Senhor lhe apareceu e disse:

— Eu sou o Deus de seu pai Abraão. Não tenha medo, porque eu estou com você. Eu o abençoarei e multiplicarei a sua descendência por amor de Abraão, meu servo.

25Então Isaque levantou ali um altar e, tendo invocado o nome do Senhor, armou a sua tenda; e os servos de Isaque abriram ali um poço.

Isaque faz aliança com Abimeleque

26Abimeleque, seu amigo Austate e Ficol, comandante do seu exército, saíram de Gerar para encontrar Isaque. 27Isaque perguntou:

— Por que vocês vieram à minha presença, se me odeiam e me expulsaram do meio de vocês?

28Eles responderam:

— Vimos claramente que o Senhor está com você. Então pensamos que seria bom se houvesse um juramento entre nós e você. Queremos fazer uma aliança com você. 29Você jura que não nos fará mal, assim como nós também não fizemos nenhum mal a você, mas fizemos somente o bem e o deixamos ir em paz. Você é agora o abençoado do Senhor.

30Então Isaque lhes deu um banquete, e comeram e beberam. 31Levantando-se de madrugada, juraram de parte a parte. Isaque os despediu, e eles se foram em paz. 32Nesse mesmo dia, vieram os servos de Isaque e, dando-lhe notícia do poço que tinham cavado, lhe disseram:

— Achamos água.

33Ao poço, Isaque deu o nome de Seba. Por isso, Berseba é o nome daquela cidade até o dia de hoje.

34Quando Esaú tinha quarenta anos de idade, tomou por esposa Judite, filha de Beeri, heteu, e Basemate, filha de Elom, heteu. 35Essas duas se tornaram amargura de espírito para Isaque e para Rebeca.

Gênesis 26NAAAbrir na Bíblia

Isaque abençoa Jacó

1Quando Isaque envelheceu e os seus olhos se enfraqueceram, a ponto de não mais poder ver, chamou Esaú, seu filho mais velho, e lhe disse:

— Meu filho!

Esaú respondeu:

— Aqui estou!

2O pai lhe disse:

— Estou velho e não sei o dia da minha morte. 3Pegue agora as suas armas, a sua aljava e o seu arco, vá ao campo e apanhe para mim alguma caça. 4Faça uma comida saborosa, como eu aprecio, e traga aqui para mim, para que eu coma e abençoe você antes que eu morra.

5Rebeca esteve escutando enquanto Isaque falava com Esaú, seu filho. E Esaú foi ao campo para apanhar a caça e trazê-la. 6Então Rebeca disse a Jacó, seu filho:

— Ouvi seu pai falar com Esaú, o seu irmão. Ele disse: 7“Traga uma caça e faça uma comida saborosa para mim, para que eu coma e o abençoe na presença do Senhor, antes que eu morra.” 8Agora, meu filho, escute as minhas palavras e faça o que lhe ordeno. 9Vá ao rebanho e traga-me dois bons cabritos. Deles farei uma saborosa comida para o seu pai, como ele aprecia. 10Você a levará ao seu pai, para que a coma e o abençoe, antes que ele morra.

11Mas Jacó disse a Rebeca, sua mãe:

— Esaú, meu irmão, é um homem peludo, e eu sou um homem de pele lisa. 12Se o meu pai me apalpar, passarei a ser visto por ele como zombador e trarei sobre mim maldição e não bênção.

13A mãe respondeu:

— Caia sobre mim essa maldição, meu filho. Faça somente o que eu digo: vá e traga os cabritos para mim.

14Ele foi, pegou os cabritos e os trouxe a sua mãe, que fez uma saborosa comida, como o pai dele apreciava. 15Depois, Rebeca pegou a melhor roupa de Esaú, seu filho mais velho, roupa que tinha consigo em casa, e vestiu Jacó, seu filho mais novo. 16Com a pele dos cabritos cobriu-lhe as mãos e a lisura do pescoço. 17Então entregou a Jacó, seu filho, a comida saborosa e o pão que havia preparado.

18Jacó foi a seu pai e disse:

— Meu pai!

Ele respondeu:

— Fale! Quem é você, meu filho?

19Jacó respondeu a seu pai:

— Sou Esaú, seu filho primogênito. Fiz o que o senhor ordenou. Levante-se, por favor; sente-se e coma da minha caça, para que depois o senhor me abençoe.

20Isaque perguntou a seu filho:

— Como foi que você conseguiu achar a caça tão depressa, meu filho?

Ele respondeu:

— Porque o Senhor, seu Deus, a mandou ao meu encontro.

21Então Isaque disse a Jacó:

— Chegue mais perto, para que eu o apalpe, meu filho, e veja se você é meu filho Esaú ou não.

22Jacó se aproximou de Isaque, seu pai, que o apalpou e disse:

— A voz é de Jacó, mas as mãos são de Esaú.

23E não o reconheceu, porque as mãos realmente estavam peludas como as de seu irmão Esaú. E o abençoou. 24Então perguntou:

— Você é mesmo o meu filho Esaú?

Ele respondeu:

— Eu sou.

25Então disse:

— Traga isso para perto de mim, para que eu coma da caça de meu filho e o abençoe.

Jacó a levou até ele e o pai comeu. Trouxe-lhe também vinho, e ele bebeu. 26Então Isaque, seu pai, lhe disse:

— Venha cá e me dê um beijo, meu filho.

27Ele se aproximou e o beijou. Então o pai aspirou o cheiro da roupa dele e o abençoou. Ele disse:

“Eis que o cheiro do meu filho

é como o cheiro do campo,

que o Senhor abençoou;

28Deus lhe dê do orvalho do céu,

e da exuberância da terra,

e fartura de trigo e de vinho.

29Que povos sirvam você,

e nações o reverenciem.

Que você seja senhor

de seus irmãos,

e os filhos de sua mãe

se curvem diante de você.

Maldito seja quem o amaldiçoar,

e bendito quem o abençoar.”

30E aconteceu que, depois que Isaque abençoou Jacó e este tinha acabado de sair da presença de seu pai, chegou Esaú, seu irmão, vindo da sua caçada. 31Ele também fez uma comida saborosa e a levou ao seu pai. E lhe disse:

— Levante-se, meu pai, e coma da caça de seu filho, para que o senhor me abençoe.

32Então Isaque, o pai dele, perguntou:

— Quem é você?

Ele respondeu:

— Sou o seu filho, o seu primogênito; sou Esaú.

33Isaque estremeceu, sentindo uma violenta comoção. E disse:

— Mas então quem foi aquele que apanhou a caça e trouxe para mim? Eu comi tudo, antes que você chegasse, e o abençoei, e ele será abençoado.

34Ao ouvir tais palavras de seu pai, Esaú deu um grito cheio de amargura e disse:

— Abençoe também a mim, meu pai!

35Mas Isaque respondeu:

— Seu irmão veio e, com astúcia, tomou a bênção que era sua.

36Esaú disse:

— Não é com razão que ele se chama Jacó? Pois já duas vezes me enganou: tirou-me o direito de primogenitura e agora tomou a bênção que era minha.

E perguntou:

— Então o senhor não reservou nenhuma bênção para mim?

37Isaque respondeu a Esaú:

— Eis que o constituí senhor sobre você, e fiz com que todos os parentes sejam servos dele; de trigo e de vinho o supri. Assim, o que posso fazer por você, meu filho?

38Esaú disse a seu pai:

— Será que o senhor, meu pai, tem somente uma bênção? Abençoe também a mim, meu pai.

E, levantando Esaú a voz, chorou. 39Então Isaque, seu pai, disse:

“Sua habitação será longe

dos lugares férteis da terra,

longe do orvalho que cai do alto.

40Você viverá da sua espada

e servirá o seu irmão;

quando, porém, você se libertar,

sacudirá do seu pescoço

o jugo dele.”

41Esaú passou a odiar Jacó por causa da bênção com que seu pai o tinha abençoado. E disse em seu íntimo:

— Os dias de luto por meu pai se aproximam; então matarei meu irmão Jacó.

42Chegaram aos ouvidos de Rebeca estas palavras de Esaú, seu filho mais velho. Então ela mandou chamar Jacó, seu filho mais moço, e lhe disse:

— Eis que o seu irmão Esaú se consola fazendo planos para matá-lo. 43Agora, pois, meu filho, ouça bem o que vou dizer: levante-se e fuja para a casa de Labão, meu irmão, em Harã. 44Fique com ele alguns dias, até que passe o furor de seu irmão, 45e cesse o rancor dele contra você, e se esqueça do que você lhe fez. Quando isso acontecer, enviarei alguém para trazer você de volta. Não posso perder os meus dois filhos num só dia!

46Então Rebeca disse a Isaque:

— Estou aborrecida da vida por causa das filhas de Hete. Se Jacó tomar esposa dentre as filhas de Hete, tais como estas, as filhas desta terra, de que me servirá a vida?

Gênesis 27NAAAbrir na Bíblia

A excelência da criação e da palavra de Deus

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1Os céus proclamam

a glória de Deus,

e o firmamento anuncia

as obras das suas mãos.

2Um dia discursa a outro dia,

e uma noite revela conhecimento

a outra noite.

3Não há linguagem,

nem há palavras,

e deles não se ouve

nenhum som.

4No entanto, por toda a terra

se faz ouvir a sua voz,

e as suas palavras chegam

até os confins do mundo.

Aí, pôs uma tenda para o sol,

5que é como um noivo

que sai dos seus aposentos,

e se alegra como um herói

a percorrer o seu caminho.

6Principia numa extremidade

dos céus,

e até a outra vai o seu percurso;

e nada pode se esconder

do seu calor.

7A lei do Senhor é perfeita

e restaura a alma;

o testemunho do Senhor é fiel

e dá sabedoria aos simples.

8Os preceitos do Senhor são retos

e alegram o coração;

o mandamento do Senhor é puro

e ilumina os olhos.

9O temor do Senhor é límpido

e permanece para sempre;

os juízos do Senhor são verdadeiros

e todos igualmente, justos.

10São mais desejáveis do que ouro,

mais do que muito ouro depurado;

e são mais doces do que o mel

e o destilar dos favos.

11Além disso, por eles

se admoesta o teu servo;

em os guardar

há grande recompensa.

12Quem há que possa discernir

as suas próprias faltas?

Absolve-me

das que me são ocultas.

13Também da soberba

guarda o teu servo;

que ela não me domine.

Então serei irrepreensível

e ficarei livre

de grande transgressão.

14As palavras dos meus lábios

e o meditar do meu coração

sejam agradáveis na tua presença,

Senhor, rocha minha

e redentor meu!

Salmos 19NAAAbrir na Bíblia

Gratidão pela vitória

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1Na tua força, Senhor,

o rei se alegra!

E como exulta com a tua salvação!

2Tu lhe satisfizeste

o desejo do coração

e não lhe negaste

as súplicas dos seus lábios.

3Pois o supres

das bênçãos de bondade;

e lhe pões na cabeça

uma coroa de ouro puro.

4Ele te pediu vida,

e tu lhe deste;

sim, longevidade

para todo o sempre.

5Grande é a glória dele

por causa da tua salvação;

de esplendor e majestade

o cobriste.

6Pois o puseste por bênção

para sempre

e o encheste de alegria

com a tua presença.

7O rei confia no Senhor

e pela misericórdia do Altíssimo

jamais vacilará.

8A mão dele alcançará

todos os seus inimigos,

a sua mão direita apanhará

os que o odeiam.

9Tu os farás

como uma fornalha ardente,

quando te manifestares;

o Senhor, na sua indignação,

os consumirá,

o fogo os devorará.

10Destruirás da terra

a sua posteridade

e a sua descendência,

de entre os filhos dos homens.

11Se contra ti planejarem o mal

e armarem ciladas,

não obterão êxito;

12porque tu os porás em fuga

e mirarás o rosto deles

com o teu arco.

13Exalta-te, Senhor, na tua força!

Nós cantaremos

e louvaremos o teu poder.

Salmos 21NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.14
SIGA A SBB: