Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 68 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

1Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.

2Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei.

3E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, isso de nada me adiantará.

4O amor é paciente e bondoso. O amor não arde em ciúmes, não se envaidece, não é orgulhoso, 5não se conduz de forma inconveniente, não busca os seus interesses, não se irrita, não se ressente do mal. 6O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. 7O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

8O amor jamais acaba. Havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará. 9Pois o nosso conhecimento é incompleto e a nossa profecia é incompleta. 10Mas, quando vier o que é completo, então o que é incompleto será aniquilado.

11Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino. 12Porque agora vemos como num espelho, de forma obscura; depois veremos face a face. Agora meu conhecimento é incompleto; depois conhecerei como também sou conhecido.

13Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior deles é o amor.

1Coríntios 13NAAAbrir na Bíblia

A ressurreição de Cristo

1Irmãos, venho lembrar-lhes o evangelho que anunciei a vocês, o qual vocês receberam e no qual continuam firmes. 2Por meio dele vocês também são salvos, se retiverem a palavra assim tal como a preguei a vocês, a menos que tenham crido em vão.

3Antes de tudo, entreguei a vocês o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, 4e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. 5E apareceu a Cefas e, depois, aos doze. 6Depois, foi visto por mais de quinhentos irmãos de uma só vez, dos quais a maioria ainda vive; porém alguns já dormem. 7Depois, foi visto por Tiago e, mais tarde, por todos os apóstolos.

8Por último, depois de todos, foi visto também por mim, como por um nascido fora de tempo. 9Porque eu sou o menor dos apóstolos, e nem mesmo sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a igreja de Deus. 10Mas, pela graça de Deus, sou o que sou. E a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã. Pelo contrário, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo. 11Portanto, seja eu ou sejam eles, assim pregamos e assim vocês creram.

A nossa ressurreição

12Ora, se o que se prega é que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês afirmam que não há ressurreição de mortos? 13E, se não há ressurreição de mortos, então Cristo não ressuscitou. 14E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e é vã a fé que vocês têm. 15Além disso, somos tidos por falsas testemunhas de Deus, porque temos testemunhado contra Deus que ele ressuscitou a Cristo, ao qual ele não ressuscitou, se é certo que os mortos não ressuscitam. 16Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. 17E, se Cristo não ressuscitou, é vã a fé que vocês têm, e vocês ainda permanecem nos seus pecados. 18E ainda mais: os que adormeceram em Cristo estão perdidos. 19Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos as pessoas mais infelizes deste mundo.

20Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. 21Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. 22Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. 23Cada um, porém, na sua ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. 24E então virá o fim, quando ele entregar o Reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. 25Porque é necessário que ele reine até que tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. 26O último inimigo a ser destruído é a morte. 27Porque “ele sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés”. E, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, certamente exclui aquele que tudo lhe sujeitou. 28Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.

29De outra maneira, que farão os que se batizam por causa dos mortos? Se de fato os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles? 30E por que também nós nos expomos a perigos a toda hora? 31Dia após dia, morro! Eu afirmo isso, irmãos, pelo orgulho que tenho de vocês, em Cristo Jesus, nosso Senhor. 32Se, como homem, lutei em Éfeso contra feras, qual foi o meu proveito? Se os mortos não ressuscitam, “comamos e bebamos, porque amanhã morreremos”. 33Não se enganem: “As más companhias corrompem os bons costumes.” 34Voltem à sobriedade, como convém, e não pequem. Porque alguns ainda não têm conhecimento de Deus. Digo isto para vergonha de vocês.

A ressurreição do corpo

35Mas alguém dirá: “Como é que os mortos ressuscitam? E com que corpo virão?” 36Insensato! O que você semeia não nasce, se primeiro não morrer. 37E, quando semeia, você não semeia o corpo que há de ser, mas o simples grão, como de trigo ou de qualquer outra semente. 38Mas Deus lhe dá corpo como ele quer dar e a cada uma das sementes dá o seu corpo apropriado.

39Nem toda carne é a mesma; porém uma é a carne dos seres humanos; outra, a dos animais; outra, a das aves; e outra, a dos peixes. 40Também há corpos celestiais e corpos terrestres; e, sem dúvida, uma é a glória dos celestiais, e outra, a dos terrestres. 41Uma é a glória do sol; outra, a glória da lua; e outra, a das estrelas. Porque até entre estrela e estrela há diferenças de glória.

42Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. 43Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. 44Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. 45Pois assim está escrito: “O primeiro homem, Adão, se tornou um ser vivente.” Mas o último Adão é espírito vivificante. 46O que vem primeiro não é o espiritual, e sim o natural; depois vem o espiritual. 47O primeiro homem, formado do pó da terra, é terreno; o segundo homem é do céu. 48Como foi o homem terreno, assim também são os demais que são feitos do pó da terra; e, como é o homem celestial, assim também são os celestiais. 49E, assim como trouxemos a imagem do homem terreno, traremos também a imagem do homem celestial.

50Com isto quero dizer, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o Reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção.

51Eis que vou lhes revelar um mistério: nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados 52num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. 54E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade e o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita:

“Tragada foi a morte

pela vitória.”

55“Onde está, ó morte,

a sua vitória?

Onde está, ó morte,

o seu aguilhão?”

56O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. 57Graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

58Portanto, meus amados irmãos, sejam firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o trabalho de vocês não é vão.

1Coríntios 15NAAAbrir na Bíblia

O reinado de Joás, de Judá

2Cr 24.1-14

1No sétimo ano do reinado de Jeú, Joás começou a reinar. Ele reinou quarenta anos em Jerusalém. A mãe dele se chamava Zíbia e era de Berseba. 2Joás fez o que era reto aos olhos do Senhor, todos os dias em que o sacerdote Joiada o dirigia. 3Apenas os lugares altos não foram tirados, e o povo ainda sacrificava e queimava incenso nesses altos.

4Joás disse aos sacerdotes:

— Todo o dinheiro das coisas santas que for trazido à Casa do Senhor, a saber, a taxa pessoal, o resgate de pessoas segundo a sua avaliação e todo o dinheiro que cada um trouxer voluntariamente para a Casa do Senhor, 5deverá ser recebido pelos sacerdotes, cada um dos seus conhecidos; e que os sacerdotes reparem os estragos do templo, sempre que houver um reparo a fazer.

6Mas, no vigésimo terceiro ano do reinado de Joás, os sacerdotes ainda não tinham reparado os estragos do templo. 7Então o rei Joás chamou o sacerdote Joiada e os outros sacerdotes e lhes disse:

— Por que vocês não estão reparando os estragos do templo? Agora, pois, não recebam mais dinheiro de seus conhecidos, mas entreguem-no para a reparação dos estragos do templo.

8Os sacerdotes concordaram em não mais receber dinheiro do povo e concordaram também que não ficariam encarregados de reparar os estragos do templo.

9Então o sacerdote Joiada pegou uma caixa, fez um buraco na tampa, e a pôs junto ao altar, à direita de quem entrava na Casa do Senhor. Os sacerdotes que guardavam a entrada da porta depositavam ali todo o dinheiro que era trazido à Casa do Senhor. 10Quando viam que já havia muito dinheiro na caixa, o escrivão do rei e o sumo sacerdote vinham, contavam e ensacavam o dinheiro que se achava na Casa do Senhor. 11O dinheiro, depois de pesado, era entregue aos que dirigiam a obra e tinham a seu encargo a Casa do Senhor. Estes pagavam aos carpinteiros e aos construtores que reparavam a Casa do Senhor, 12e também aos pedreiros e aos cortadores de pedras. Também compravam madeira e pedras lavradas para repararem os estragos da Casa do Senhor, e custeavam todo o necessário para a conservação da Casa do Senhor. 13Mas, do dinheiro que era trazido à Casa do Senhor, não se faziam nem taças de prata, nem apagadores, nem bacias, nem trombetas, nem qualquer outro vaso de ouro ou de prata para a Casa do Senhor. 14Porque davam o dinheiro aos que dirigiam a obra e reparavam com ele a Casa do Senhor. 15Também não pediam contas aos homens em cujas mãos entregavam aquele dinheiro, para o dar aos que faziam a obra, porque eram honestos. 16Mas o dinheiro de oferta pela culpa e o dinheiro de oferta pelos pecados não era trazido à Casa do Senhor; ficava para os sacerdotes.

17Nessa época Hazael, rei da Síria, atacou e conquistou a cidade de Gate. Depois Hazael resolveu marchar contra Jerusalém. 18Porém Joás, rei de Judá, pegou todas as coisas santas que Josafá, Jeorão e Acazias, seus pais, reis de Judá, haviam dedicado, bem como todo o ouro que havia nos tesouros da Casa do Senhor e no palácio real e os mandou a Hazael, rei da Síria; e este se retirou de Jerusalém.

19Quanto aos demais atos de Joás e a tudo o que fez, não está tudo escrito no Livro da História dos Reis de Judá?

A conspiração contra o rei Joás

2Cr 24.25-27

20Os servos de Joás se levantaram, fizeram uma conspiração e mataram Joás na casa de Milo, que fica na descida para Sila. 21Jozacar, filho de Simeate, e Jozabade, filho de Somer, servos de Joás, o atacaram, e ele morreu. Joás foi sepultado no túmulo de seus pais na Cidade de Davi, e Amazias, seu filho, reinou em seu lugar.

2Reis 12NAAAbrir na Bíblia

O reinado de Oseias, de Israel

1No décimo segundo ano do reinado de Acaz, rei de Judá, Oseias, filho de Elá, começou a reinar; e reinou sobre Israel, em Samaria, nove anos. 2Fez o que era mau aos olhos do Senhor, porém não como os reis de Israel que vieram antes dele.

A queda de Samaria e o cativeiro de Israel

3Salmaneser, rei da Assíria, fez guerra contra Oseias, e este ficou sendo servo dele e lhe pagava tributo. 4Porém o rei da Assíria descobriu que Oseias estava conspirando contra ele. Oseias tinha mandado mensageiros a Sô, rei do Egito, e não mais pagava tributo ao rei da Assíria, como anteriormente fazia de ano em ano. Por isso, o rei da Assíria prendeu Oseias e o lançou num cárcere.

5Depois, o rei da Assíria passou por toda a terra, foi até a cidade de Samaria e a sitiou por três anos. 6No nono ano do reinado de Oseias, o rei da Assíria conquistou Samaria e levou os israelitas para a Assíria. Ele os fez habitar em Hala, junto a Habor, rio de Gozã, e nas cidades dos medos.

A causa do cativeiro

7Isso aconteceu porque os filhos de Israel pecaram contra o Senhor, seu Deus, que os tirou da terra do Egito e os livrou do poder de Faraó, rei do Egito; e temeram outros deuses. 8Andaram nos estatutos das nações que o Senhor expulsou de diante dos filhos de Israel e nos costumes estabelecidos pelos reis de Israel. 9Os filhos de Israel fizeram contra o Senhor, seu Deus, o que não era reto; edificaram para si lugares altos em todas as suas cidades, desde a torre dos vigias até a cidade fortificada. 10Levantaram para si colunas e postes da deusa Aserá, em todas as colinas mais elevadas e debaixo de todas as árvores frondosas. 11Queimaram ali incenso em todos os lugares altos, como as nações que o Senhor havia expulsado de diante deles. Cometeram ações perversas para provocarem o Senhor à ira 12e serviram os ídolos, dos quais o Senhor lhes tinha dito: “Não façam estas coisas.”

13O Senhor advertiu Israel e Judá por meio de todos os profetas e de todos os videntes, dizendo: “Voltem-se dos seus maus caminhos e guardem os meus mandamentos e os meus estatutos, segundo toda a Lei que ordenei aos pais de vocês e que lhes enviei por meio dos meus servos, os profetas.” 14Porém eles não quiseram ouvir; se tornaram obstinados e foram teimosos como os seus pais, que não creram no Senhor, seu Deus. 15Rejeitaram os estatutos e a aliança que Deus tinha feito com os pais deles, e desprezaram as suas advertências. Seguiram os ídolos sem valor, e assim eles mesmos se tornaram sem valor. Seguiram as nações que estavam ao redor deles, das quais o Senhor lhes havia ordenado que não as imitassem. 16Desprezaram todos os mandamentos do Senhor, seu Deus, e fizeram para si imagens de fundição, dois bezerros; fizeram um poste da deusa Aserá, e adoraram todo o exército do céu, e serviram Baal. 17Também queimaram os seus filhos e as suas filhas como sacrifício, deram-se à prática de adivinhações e acreditaram em agouros; e venderam-se para fazer o que era mau aos olhos do Senhor, para o provocarem à ira. 18Por isso o Senhor muito se indignou contra Israel e o afastou da sua presença; e nada mais ficou, a não ser a tribo de Judá.

19Também Judá não guardou os mandamentos do Senhor, seu Deus; pelo contrário, andaram nos costumes que Israel introduziu. 20Por isso o Senhor rejeitou toda a descendência de Israel, e os afligiu, e os entregou nas mãos dos espoliadores, até que os expulsou da sua presença.

21Pois, quando ele separou Israel da casa de Davi, e eles fizeram de Jeroboão, filho de Nebate, o seu rei, Jeroboão levou Israel a abandonar o Senhor e o levou a cometer grande pecado. 22Assim, os filhos de Israel andaram em todos os pecados que Jeroboão tinha cometido; nunca se afastaram deles, 23até que o Senhor afastou Israel da sua presença, como havia falado pelo ministério de todos os seus servos, os profetas. E assim Israel foi levado cativo da sua terra para a Assíria, onde permanece até o dia de hoje.

O rei da Assíria renova a população de Samaria

24O rei da Assíria trouxe gente da Babilônia, de Cuta, de Ava, de Hamate e de Sefarvaim e os fez morar nas cidades de Samaria, em lugar dos filhos de Israel. Tomaram posse de Samaria e habitaram nas suas cidades. 25A princípio, quando passaram a morar ali, não temeram o Senhor. Então o Senhor mandou para o meio deles leões, que mataram alguns do povo. 26Por isso disseram ao rei da Assíria:

— Os povos que o senhor, ó rei, transportou e fez habitar nas cidades de Samaria não sabem a maneira de servir o deus daquela terra e por isso ele mandou leões para o meio deles. Os leões estão matando aquelas pessoas, porque elas não sabem como servir o deus daquela terra.

27Então o rei da Assíria mandou dizer:

— Levem para lá um dos sacerdotes que vocês trouxeram de lá. Que ele vá, fique morando lá, e lhes ensine a maneira de servir o deus daquela terra.

28Assim um dos sacerdotes que havia sido levado de Samaria foi e ficou morando em Betel. E lhes ensinava como deviam temer o Senhor.

O culto misto dos samaritanos

29Porém cada nação fez ainda os seus próprios deuses nas cidades em que morava, e os puseram nos santuários dos lugares altos que os samaritanos tinham feito. 30Os da Babilônia fizeram Sucote-Benote; os de Cuta fizeram Nergal; os de Hamate fizeram Asima; 31os aveus fizeram Nibaz e Tartaque; e os sefarvitas queimavam seus filhos a Adrameleque e a Anameleque, deuses de Sefarvaim. 32Mas adoravam também o Senhor. Constituíram como sacerdotes dos lugares altos homens tirados do meio do povo, os quais oficiavam a favor deles nos santuários dos altos. 33E assim eles adoravam o Senhor e, ao mesmo tempo, serviam os seus próprios deuses, segundo o costume das nações do meio das quais tinham sido trazidos.

34Até o dia de hoje fazem segundo os antigos costumes. Não temem o Senhor, não fazem segundo os seus estatutos e juízos, nem segundo a lei e o mandamento que o Senhor ordenou aos filhos de Jacó, a quem deu o nome de Israel.

35Ora, o Senhor tinha feito uma aliança com eles e lhes havia ordenado o seguinte: “Não temam outros deuses; não se prostrem diante deles, não os sirvam, nem lhes ofereçam sacrifícios. 36Mas temam o Senhor, que os tirou da terra do Egito com grande poder e com braço estendido; prostrem-se diante dele e a ele ofereçam sacrifícios. 37Tenham o cuidado de observar todos os dias os estatutos e os juízos, a lei e o mandamento que ele lhes deu por escrito. Não adorem outros deuses. 38Não se esqueçam da aliança que fiz com vocês e não adorem outros deuses. 39Mas adorem o Senhor, seu Deus, e ele os livrará das mãos de todos os seus inimigos.”

40Eles, porém, não deram ouvidos a isso e continuaram a fazer segundo o seu antigo costume. 41Assim, estas nações adoravam o Senhor e serviam as suas próprias imagens de escultura. Como fizeram os seus pais, assim fazem também os seus filhos e os filhos de seus filhos, até o dia de hoje.

2Reis 17NAAAbrir na Bíblia

Ameaças contra os maus governantes e os falsos profetas

1Eu disse:

Escutem agora,

governantes de Jacó

e chefes da casa de Israel:

Por acaso não é a vocês

que compete

conhecer a justiça?

2Mas vocês odeiam o bem

e amam o mal;

arrancam a pele do meu povo

e a carne de cima dos seus ossos.

3Vocês comem a carne

do meu povo

e lhes arrancam a pele;

quebram os seus ossos,

e os repartem em pedaços

que vão para a panela

e em carne que vai

para o caldeirão.

4Um dia eles hão de invocar

o Senhor,

mas ele não os ouvirá;

naquele tempo, esconderá deles

a sua face,

por causa do mal que praticaram.

5Assim diz o Senhor

a respeito dos profetas

que fazem o meu povo

andar errante

e que clamam: “Paz”,

quando têm o que mastigar,

mas apregoam guerra santa

contra aqueles

que não lhes dão nada para comer:

6“Por isso, vocês terão noites

sem visões;

vocês terão trevas

sem adivinhações.

O sol se porá sobre os profetas,

e o dia se transformará em escuridão.

7Os videntes serão envergonhados,

e os adivinhos serão humilhados.

Todos eles colocarão a mão

sobre a boca,

porque não haverá resposta

de Deus.”

8Quanto a mim, estou cheio

do poder do Espírito do Senhor,

cheio de justiça e de força,

para declarar a Jacó

a sua transgressão

e a Israel, o seu pecado.

9Escutem agora isto,

governantes da casa de Jacó

e chefes da casa de Israel,

vocês que detestam a justiça

e pervertem tudo o que é correto,

10que edificam Sião com sangue

e Jerusalém, com iniquidade.

11Os seus cabeças dão

as sentenças por suborno,

os seus sacerdotes ensinam

por interesse,

e os seus profetas adivinham

por dinheiro.

E ainda se apoiam no Senhor,

dizendo:

“Não está o Senhor

no meio de nós?

Nenhum mal nos sobrevirá.”

12Portanto, por causa de vocês,

Sião será lavrada como um campo,

e Jerusalém se tornará

um montão de ruínas,

e o monte do templo,

numa colina coberta de mato.

Miqueias 3NAAAbrir na Bíblia

Deus entrará em juízo com o seu povo

1Escutem agora

o que diz o Senhor:

“Levante-se, defenda a sua causa

diante dos montes,

e que as colinas ouçam a sua voz.

2Ó montes, escutem

a controvérsia do Senhor,

e vocês, duráveis fundamentos

da terra,

prestem atenção, porque o Senhor

tem uma controvérsia

com o seu povo

e entrará em juízo com Israel.”

3“Meu povo,

o que foi que eu lhe fiz?

E como foi que eu

o levei a ficar cansado?

Responda!

4Pois eu o tirei da terra do Egito

e o resgatei da casa da servidão,

e enviei adiante de você

Moisés, Arão e Miriã.

5Meu povo,

lembre-se do que Balaque,

rei de Moabe, havia planejado

e do que Balaão, filho de Beor,

lhe respondeu.

Lembre-se também

do que aconteceu

desde Sitim até Gilgal,

para que você conheça

os atos de justiça do Senhor.”

O que Deus exige

6Com que me apresentarei

ao Senhor

e me inclinarei diante

do Deus excelso?

Virei diante dele com holocaustos,

com bezerros de um ano?

7Será que o Senhor se agrada

com milhares de carneiros,

com dez mil ribeiros de azeite?

Darei o meu primogênito

pela minha transgressão,

o fruto do meu corpo,

pelo pecado da minha alma?

8Ele já mostrou a você o que é bom;

e o que o Senhor pede de você?

Que pratique a justiça,

ame a misericórdia

e ande humildemente

com o seu Deus.

A injustiça terá seu castigo

9A voz do Senhor

se dirige à cidade,

e é verdadeira sabedoria

temer o seu nome.

“Escutem, ó tribo

e todos os moradores!

10Ainda se encontram,

na casa dos ímpios,

os tesouros da impiedade

e a medida falsa que eu detesto?

11Poderei eu inocentar

balanças desonestas

e uma bolsa

com pesos adulterados?

12Porque os ricos da cidade

estão cheios de violência;

os seus habitantes falam mentiras

e a língua deles é enganosa.

13Assim, também

eu passarei a feri-los

e os destruirei

por causa dos seus pecados.

14Vocês comerão,

mas não ficarão satisfeitos;

a fome continuará

nas suas entranhas.

Tentarão pôr os seus bens a salvo,

mas não conseguirão preservá-los;

e aquilo que preservarem,

eu entregarei à espada.

15Vocês irão semear,

mas não colherão nada;

vocês esmagarão as azeitonas,

mas não se ungirão com o azeite;

pisarão as uvas,

mas não beberão o vinho.

16Vocês observaram

os estatutos de Onri

e todas as obras da casa de Acabe

e andaram nos conselhos deles.

Por isso, farei de Jerusalém

um lugar desolado,

e dos seus moradores

um objeto de vaias.

E vocês terão de suportar

a zombaria dos povos.”

Miqueias 6NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.20.14
SIGA A SBB: