Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Dia 40 na Palavra

Texto(s) da Bíblia

A defesa de Pedro

1Chegou ao conhecimento dos apóstolos e dos irmãos que estavam na Judeia que também os gentios haviam recebido a palavra de Deus. 2Quando Pedro voltou para Jerusalém, os que eram da circuncisão começaram a questioná-lo, dizendo:

3— Você entrou na casa de homens incircuncisos e comeu com eles.

4Então Pedro passou a fazer-lhes uma exposição por ordem, dizendo:

5— Eu estava na cidade de Jope orando e, num êxtase, tive uma visão em que observei descer um objeto como se fosse um grande lençol baixado do céu pelas quatro pontas e vindo até perto de mim. 6E, olhando atentamente para dentro daquilo, vi quadrúpedes da terra, feras, répteis e aves do céu. 7Ouvi também uma voz que me dizia: “Levante-se, Pedro! Mate e coma.” 8Ao que eu respondi: “De modo nenhum, Senhor; porque em minha boca nunca entrou nada que fosse impuro ou imundo.” 9Pela segunda vez, a voz do céu falou: “Não considere impuro aquilo que Deus purificou.” 10Isso se repetiu três vezes, e, de novo, tudo foi recolhido para o céu. 11E eis que, na mesma hora, pararam diante da casa em que estávamos três homens enviados de Cesareia para se encontrar comigo. 12Então o Espírito me disse que eu fosse com eles, sem hesitar. Foram comigo também estes seis irmãos; e entramos na casa daquele homem. 13E ele nos contou como tinha visto na casa dele um anjo, em pé, que lhe disse: “Envie alguém a Jope e mande chamar Simão, que também é chamado de Pedro, 14o qual lhe dirá palavras mediante as quais você e toda a sua casa serão salvos.”

15— Quando comecei a falar, o Espírito Santo caiu sobre eles, como também sobre nós, no princípio. 16Então me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: “João, na verdade, batizou com água, mas vocês serão batizados com o Espírito Santo.” 17Pois, se Deus deu a eles o mesmo dom que tinha dado a nós quando cremos no Senhor Jesus, quem era eu para que pudesse resistir a Deus?

18Quando os demais ouviram isso, acalmaram-se e glorificaram a Deus, dizendo:

— Então também aos gentios Deus concedeu o arrependimento para a vida!

Os discípulos são chamados de cristãos em Antioquia

19Os que foram dispersos a partir da perseguição que começou com a morte de Estêvão se espalharam até a Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a palavra a ninguém que não fosse judeu. 20Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do Senhor Jesus. 21A mão do Senhor estava com eles, e muitos, crendo, se converteram ao Senhor.

22A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé até Antioquia. 23Quando ele chegou e viu a graça de Deus, ficou muito alegre. E exortava todos a que, com firmeza de coração, permanecessem no Senhor. 24Porque era homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor.

25Depois Barnabé foi a Tarso à procura de Saulo. 26E, quando o encontrou, levou-o para Antioquia. E, durante um ano inteiro, se reuniram naquela igreja e ensinaram numerosa multidão. Em Antioquia, os discípulos foram, pela primeira vez, chamados de cristãos.

Ágabo prediz grande fome

27Naqueles dias, alguns profetas foram de Jerusalém para Antioquia. 28E, apresentando-se um deles, chamado Ágabo, dava a entender, pelo Espírito, que haveria uma grande fome em todo o mundo. Essa fome veio nos dias do imperador Cláudio. 29Os discípulos, cada um conforme as suas posses, resolveram mandar uma ajuda aos irmãos que moravam na Judeia. 30E eles o fizeram, enviando essa ajuda aos presbíteros por meio de Barnabé e Saulo.

Atos 11NAAAbrir na Bíblia

As heranças das nove tribos e meia

A herança de Judá

1A sorte da tribo dos filhos de Judá, segundo as suas famílias, caiu para o sul, até o limite de Edom, até o deserto de Zim, até a extremidade do lado sul. 2O seu limite ao sul foi desde a extremidade do mar Salgado, desde a baía que olha para o sul; 3sai para o sul, até a subida de Acrabim, passa por Zim, sobe do sul a Cades-Barneia, 4passa por Hezrom, sobe a Adar e rodeia Carca; passa por Azmom e sai ao ribeiro do Egito; as saídas deste limite vão até o mar. Este será o limite de vocês do lado sul.

5O limite para o leste será o mar Salgado, até a foz do Jordão; e o limite para o norte será da baía do mar, começando com a embocadura do Jordão, 6limite que sobe até Bete-Hogla e passa do norte a Bete-Arabá, subindo até a pedra de Boã, filho de Rúben, 7subindo ainda este limite a Debir desde o vale de Acor, olhando para o norte, rumo a Gilgal, a qual está à subida de Adumim, que está para o sul do ribeiro; daí, o limite passa até as águas de En-Semes; e as suas saídas estarão do lado de En-Rogel. 8Deste ponto sobe pelo vale de Ben-Hinom, do lado dos jebuseus do Sul, isto é, Jerusalém; e este limite sobe até o alto do monte que está diante do vale de Hinom, para o oeste, que está no fim do vale dos Refains, do lado norte. 9Então o limite vai desde o alto do monte até a fonte das águas de Neftoa; e sai até as cidades do monte Efrom; este limite vai ainda até Baalá, isto é, Quiriate-Jearim. 10Então o limite dá volta desde Baalá, para o oeste, até o monte Seir, passa ao lado do monte de Jearim do lado norte, isto é, Quesalom, e, descendo a Bete-Semes, passa por Timna. 11Segue mais ainda o limite ao lado de Ecrom, para o norte, e, indo a Siquerom, passa o monte de Baalá, saindo em Jabneel, para terminar no mar.

12O limite do lado oeste é o mar Grande e as suas imediações.

Estes são os limites dos filhos de Judá ao redor, segundo as suas famílias.

Calebe conquista Hebrom
Jz 1.11-15

13Josué deu a Calebe, filho de Jefoné, uma parte no meio dos filhos de Judá, segundo o Senhor lhe havia ordenado, a saber, Quiriate-Arba, isto é, Hebrom. Este Arba era o pai de Anaque. 14Dali Calebe expulsou os três filhos de Anaque: Sesai, Aimã e Talmai, gerados de Anaque. 15Então Calebe avançou contra os moradores de Debir, cujo nome havia sido Quiriate-Sefer. 16Calebe disse:

— Darei a minha filha Acsa por mulher ao homem que atacar e conquistar Quiriate-Sefer.

17Quem conquistou a cidade foi Otniel, filho de Quenaz, irmão de Calebe. E Calebe lhe deu a sua filha Acsa por mulher. 18Esta, quando foi morar com Otniel, insistiu com ele para que pedisse um campo ao pai dela. Quando ela desceu do jumento, Calebe lhe perguntou:

— O que é que você quer?

19Ela respondeu:

— Quero que me dê um presente. Já que o senhor me deu uma terra seca, me dê também algumas fontes de água.

Então Calebe lhe deu as fontes superiores e as fontes inferiores.

As cidades de Judá

20Esta é a herança da tribo dos filhos de Judá, segundo as suas famílias. 21As cidades no extremo sul da tribo dos filhos de Judá, na direção do território de Edom, eram estas: Cabzeel, Éder, Jagur, 22Quiná, Dimona, Adada, 23Quedes, Hazor, Itnã, 24Zife, Telém, Bealote, 25Hazor-Hadata, Queriote-Hezrom, que é Hazor, 26Amã, Sema, Molada, 27Hazar-Gada, Hesmom, Bete-Palete, 28Hazar-Sual, Berseba, Biziotiá, 29Baalá, Iim, Ezém, 30Eltolade, Quesil, Horma, 31Ziclague, Madmana, Sansana, 32Lebaote, Silim, Aim e Rimom. Ao todo, vinte e nove cidades com as suas aldeias.

33Na Sefelá, as cidades eram Estaol, Zorá, Asná, 34Zanoa, En-Ganim, Tapua, Enã, 35Jarmute, Adulão, Socó, Azeca, 36Saaraim, Aditaim, Gedera e Gederotaim. Ao todo, catorze cidades com as suas aldeias.

37Zenã, Hadasa, Migdal-Gade, 38Dileã, Mispa, Jocteel, 39Laquis, Boscate, Eglom, 40Cabom, Laamás, Quitlis, 41Gederote, Bete-Dagom, Naamá e Maquedá. Ao todo, dezesseis cidades com as suas aldeias.

42Libna, Eter, Asã, 43Ifta, Asná, Nezibe, 44Queila, Aczibe e Maressa. Ao todo, nove cidades com as suas aldeias.

45Ecrom com as suas vilas e aldeias; 46desde Ecrom até o mar, todas as que estão do lado de Asdode, com as suas aldeias.

47Asdode, as suas vilas e aldeias; Gaza, as suas vilas e aldeias, até o rio do Egito e o mar Grande com as suas imediações.

48Na região montanhosa, as cidades eram Samir, Jatir, Socó, 49Daná, Quiriate-Sana, que é Debir, 50Anabe, Estemoa, Anim, 51Gósen, Holom e Gilo. Ao todo, onze cidades com as suas aldeias.

52Arabe, Dumá, Esã, 53Janim, Bete-Tapua, Afeca, 54Hunta, Quiriate-Arba, que é Hebrom, e Zior. Ao todo, nove cidades com as suas aldeias.

55Maom, Carmelo, Zife, Jutá, 56Jezreel, Jocdeão, Zanoa, 57Caim, Gibeá e Timna. Ao todo, dez cidades com as suas aldeias.

58Halul, Bete-Zur, Gedor, 59Maarate, Bete-Anote e Eltecom. Ao todo, seis cidades com as suas aldeias. 60Quiriate-Baal, que é Quiriate-Jearim, e Rabá. Ao todo, duas cidades com as suas aldeias.

61No deserto, as cidades eram Bete-Arabá, Midim, Secaca, 62Nibsã, Cidade do Sal e En-Gedi. Ao todo, seis cidades com as suas aldeias.

63Mas os filhos de Judá não puderam expulsar os jebuseus que viviam em Jerusalém. Assim, os jebuseus moram com os filhos de Judá em Jerusalém até o dia de hoje.

Josué 15NAAAbrir na Bíblia

Cidades dos levitas

1Cr 6.54-81

1Então os chefes das famílias dos levitas se aproximaram de Eleazar, o sacerdote, de Josué, filho de Num, e dos chefes das famílias das tribos dos filhos de Israel, 2em Siló, na terra de Canaã, e lhes disseram:

— O Senhor ordenou, por meio de Moisés, que nos fossem dadas cidades para morar e também os seus arredores para os nossos animais.

3E os filhos de Israel deram aos levitas, da sua herança, segundo o mandado do Senhor, algumas cidades e os seus arredores. 4A sorte saiu para as famílias dos coatitas. Assim, os levitas que eram descendentes do sacerdote Arão receberam, por sorteio, treze cidades das tribos de Judá, Simeão e Benjamim. 5Os outros filhos de Coate receberam, por sorteio, dez cidades das famílias da tribo de Efraim, da tribo de Dã e da meia tribo de Manassés.

6Os filhos de Gérson receberam, por sorteio, treze cidades das famílias da tribo de Issacar, da tribo de Aser, da tribo de Naftali e da meia tribo de Manassés, em Basã. 7Os filhos de Merari receberam, por sorteio, segundo as suas famílias, doze cidades das tribos de Rúben, Gade e Zebulom.

8Os filhos de Israel deram aos levitas estas cidades e os seus arredores, por sorteio, como o Senhor havia ordenado por meio de Moisés.

9Das tribos dos filhos de Judá e dos filhos de Simeão, os filhos de Israel deram mais algumas cidades que, nominalmente, foram designadas, 10para que fossem dos filhos de Arão, das famílias dos coatitas, dos filhos de Levi, porque a primeira sorte foi deles. 11Assim, lhes deram Quiriate-Arba (Arba era pai de Anaque), que é Hebrom, na região montanhosa de Judá, e, em torno dela, os seus arredores. 12Porém o campo da cidade, com as suas aldeias, deram a Calebe, filho de Jefoné, como sua propriedade.

13Assim, aos filhos de Arão, o sacerdote, deram Hebrom, cidade de refúgio do homicida, com os seus arredores, Libna com os seus arredores, 14Jatir com os seus arredores, Estemoa com os seus arredores, 15Holom com os seus arredores, Debir com os seus arredores, 16Aim com os seus arredores, Jutá com os seus arredores e Bete-Semes com os seus arredores. Ao todo, nove cidades dessas duas tribos. 17Da tribo de Benjamim, deram Gibeão com os seus arredores, Gaba com os seus arredores, 18Anatote com os seus arredores e Almom com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 19O total das cidades dos sacerdotes, filhos de Arão, foi treze cidades com os seus arredores.

20As outras famílias dos levitas de Coate receberam as cidades da sua sorte da tribo de Efraim. 21Deram-lhes Siquém, cidade de refúgio do homicida, com os seus arredores, na região montanhosa de Efraim, Gezer com os seus arredores, 22Quibzaim com os seus arredores e Bete-Horom com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 23Da tribo de Dã, deram Elteque com os seus arredores, Gibetom com os seus arredores, 24Aijalom com os seus arredores e Gate-Rimom com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 25Da meia tribo de Manassés, deram Taanaque com os seus arredores e Gate-Rimom com os seus arredores. Ao todo, duas cidades. 26No total, dez cidades com os seus arredores, para as famílias dos demais filhos de Coate.

27Aos filhos de Gérson, das famílias dos levitas, deram, em Basã, da tribo de Manassés, Golã, a cidade de refúgio para o homicida, com os seus arredores, e Beesterá com os seus arredores. Ao todo, duas cidades. 28Da tribo de Issacar, deram Quisião com os seus arredores, Daberate com os seus arredores, 29Jarmute com os seus arredores e En-Ganim com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 30Da tribo de Aser, deram Misal com os seus arredores, Abdom com os seus arredores, 31Helcate com os seus arredores e Reobe com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 32Da tribo de Naftali, deram, na Galileia, Quedes, cidade de refúgio para o homicida, com os seus arredores, Hamote-Dor com os seus arredores e Cartã com os seus arredores. Ao todo, três cidades. 33Total das cidades dos gersonitas, segundo as suas famílias: treze cidades com os seus arredores.

34Às famílias dos demais levitas dos filhos de Merari deram, da tribo de Zebulom, Jocneão com os seus arredores, Cartá com os seus arredores, 35Dimna com os seus arredores e Naalal com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 36Da tribo de Rúben, deram Bezer com os seus arredores, Jaza com os seus arredores, 37Quedemote com os seus arredores e Mefaate com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 38Da tribo de Gade, deram, em Gileade, Ramote, cidade de refúgio para o homicida, com os seus arredores, Maanaim com os seus arredores, 39Hesbom com os seus arredores e Jazer com os seus arredores. Ao todo, quatro cidades. 40Todas estas cidades tocaram por sorteio aos filhos de Merari, segundo as suas famílias, que ainda restavam das famílias dos levitas: doze cidades.

41O total das cidades dos levitas, no meio da herança dos filhos de Israel, foram quarenta e oito cidades com os seus arredores. 42Cada uma dessas cidades tinha pastagens ao seu redor. Era assim com todas elas.

O povo de Israel toma posse da terra

43Desta maneira, o Senhor deu a Israel toda a terra que, sob juramento, havia prometido dar a seus pais; eles tomaram posse dela e habitaram nela. 44O Senhor lhes deu repouso ao redor, segundo tudo o que havia jurado a seus pais. Nenhum de todos os seus inimigos resistiu diante deles; a todos eles o Senhor entregou nas mãos dos filhos de Israel. 45Nenhuma promessa falhou de todas as boas palavras que o Senhor havia falado à casa de Israel; tudo se cumpriu.

Josué 21NAAAbrir na Bíblia

Elogio da sabedoria

Cap. 28

Os seus olhos veem o que há de precioso

1“Na verdade, a prata

tem as suas minas,

e o ouro, que se refina,

tem o seu lugar.

2O ferro é tirado da terra,

e da pedra se funde o cobre.

3Os homens põem termo

à escuridão

e até os últimos confins procuram

as pedras ocultas nas trevas

e na densa escuridão.

4Abrem entrada para minas

longe da habitação

dos homens;

são esquecidos

pelos que passam por cima;

e, assim, longe de todos,

dependurados em cordas,

balançam de um lado

para outro.

5Da terra procede o alimento,

mas embaixo ela é revolvida

como que pelo fogo.

6Nas suas pedras

se encontra safira,

e há pó que contém ouro.

7Essa vereda,

a ave de rapina a ignora,

e os olhos do falcão nunca a viram.

8Feras majestosas nunca pisaram

essa vereda,

e nenhum leão passou por ali.

9O homem estende a sua mão

contra o rochedo

e revolve os montes

desde as suas raízes.

10Abre canais nas pedras,

e os seus olhos veem tudo

o que há de mais precioso.

11Tapa os veios de água,

e nem uma gota sai deles;

e traz à luz

o que estava escondido.”

O valor da sabedoria

12“Mas onde se achará

a sabedoria?

E em que lugar estará

o entendimento?

13O ser humano não conhece

o valor da sabedoria,

e ela não se encontra

na terra dos viventes.

14O abismo diz:

‘Ela não está em mim.’

E o mar diz: ‘Não está comigo.’

15Não se compra a sabedoria

com ouro fino;

ela também não pode

ser paga com prata.

16O seu valor

não pode ser avaliado

pelo ouro de Ofir,

nem pelo precioso ônix,

nem pela safira.

17O ouro não se iguala a ela,

nem o cristal;

não se pode trocá-la

por joias de ouro fino.

18Ela faz esquecer o coral

e o cristal;

o preço da sabedoria

é maior que o das pérolas.

19O topázio da Etiópia

não se compara com ela;

não se compra a sabedoria

nem com ouro puro.”

O temor do Senhor é a sabedoria

20“Mas de onde vem a sabedoria?

E em que lugar

estará o entendimento?

21Está encoberta aos olhos

de todos os seres vivos,

e oculta às aves do céu.

22O abismo e a morte dizem:

‘Ouvimos com os nossos ouvidos

a sua fama.’”

23“Deus lhe entende o caminho,

e ele é quem sabe o seu lugar.

24Porque o seu olhar

alcança as extremidades

da terra;

ele vê tudo o que há

debaixo dos céus.

25Quando Deus regulou

o peso do vento

e fixou a medida das águas;

26quando determinou leis

para a chuva

e caminho para o relâmpago

dos trovões,

27então ele viu a sabedoria

e a manifestou;

estabeleceu-a

e também a examinou.

28E disse ao ser humano:

‘Eis que o temor do Senhor

é a sabedoria,

e afastar-se do mal

é o entendimento.’”

Todos zombam de mim

1“Mas agora zombam de mim

os que têm menos idade

do que eu,

cujos pais eu não teria aceito

nem para colocar ao lado

dos cães do meu rebanho.

2De que também me serviria

a força de suas mãos,

se eles são homens

cujo vigor já desapareceu?

3Enfraqueceram de tanto

passar fome e necessidade;

roem a terra seca,

desde muito em ruínas

e desolada.

4Apanham malvas

e folhas de arbustos

e se alimentam

de raízes de zimbro.

5São expulsos

do meio das pessoas;

grita-se contra eles,

como se grita

atrás de um ladrão.

6Têm de morar

nos desfiladeiros sombrios,

nas cavernas da terra

e das rochas.

7Uivam entre os arbustos

e se ajuntam

debaixo dos espinheiros.

8São filhos de doidos,

gente sem nome,

e são escorraçados da terra.”

9“Mas agora sou

a canção de deboche

dessa gente;

sirvo de provérbio

no meio deles.

10Eles me detestam,

fogem para longe de mim

e não têm receio de me cuspir

no rosto.

11Deus afrouxou a corda

do meu arco e me oprimiu;

por isso, sacudiram de si

o freio diante de mim.

12À minha direita se levanta

um bando e me empurra,

e contra mim prepara

o seu caminho de destruição.

13Arruínam o meu caminho;

promovem a minha destruição

sem a ajuda de ninguém.

14Vêm contra mim

como por uma grande brecha

e se revolvem avante

no meio das ruínas.

15Sobrevieram-me pavores;

a minha honra é como que varrida

pelo vento;

como nuvem passou

a minha felicidade.”

Tu foste cruel comigo

16“Agora a minha alma

se derrama dentro de mim;

os dias da aflição

se apoderam de mim.

17A noite perfura os meus ossos,

e o mal que me corrói

não descansa.

18Pela grande violência

do meu mal está desfigurada

a minha roupa;

este mal me envolve

como a gola da minha túnica.

19Deus me lançou na lama,

e me tornei semelhante

ao pó e à cinza.”

20“Clamo a ti, ó Deus,

e não me respondes;

estou em pé,

mas apenas olhas para mim.

21Tu foste cruel comigo;

e, com a força da tua mão,

me atacas.

22Tu me levantas sobre o vento

e me fazes cavalgá-lo;

no estrondo da tempestade

me jogas de um lado

para outro.

23Pois eu sei que me levarás

à morte

e à casa destinada

a todos os vivos.”

24“Não é fato que

de um montão de ruínas

um homem estenderá

a sua mão?

E, na sua desventura,

não levantará

um grito por socorro?

25Por acaso, não chorei

por aquele que atravessava

dias difíceis?

Não se angustiou a minha alma

pelo necessitado?

26Quando eu esperava o bem,

eis que me veio o mal;

esperava a luz,

e veio a escuridão.”

Eu clamo por socorro

27“O meu íntimo se agita

sem cessar;

e dias de aflição me sobrevêm.

28Tenho a pele queimada,

mas não pelo sol;

levanto-me na congregação

e clamo por socorro.

29Sou irmão dos chacais

e companheiro de avestruzes.

30A minha pele escurece e cai;

os meus ossos queimam de febre.

31Por isso, a minha harpa é usada

para fazer lamentações,

e a minha flauta, para acompanhar

os que choram.”

Sociedade Bíblica do Brasilv.4.19.1
SIGA A SBB: