Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 329

Texto(s) da Bíblia

A vinda do Senhor

1Amados, esta é, agora, a segunda carta que escrevo a vocês. Em ambas, procuro, com lembranças, despertar a mente esclarecida de vocês, 2para que se lembrem das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, e também se lembrem do mandamento do Senhor e Salvador, que os apóstolos de vocês lhes ensinaram. 3Antes de tudo, saibam que, nos últimos dias, virão escarnecedores com as suas zombarias, andando segundo as próprias paixões 4e dizendo: “Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais morreram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.”

5Acontece que, de propósito, esquecem que os céus existem desde muito tempo, e que a terra surgiu da água e através da água pela palavra de Deus. 6Com base nesta palavra também o mundo daquele tempo foi destruído, afogado em água. 7Pela mesma palavra, os céus e a terra que agora existem têm sido guardados para o fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e da destruição dos ímpios.

8Mas há uma coisa, amados, que vocês não devem esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos são como um dia. 9O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a julguem demorada. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. 10Porém, o Dia do Senhor virá como um ladrão. Naquele dia os céus passarão com grande estrondo, e os elementos se desfarão pelo fogo. Também a terra e as obras que nela existem desaparecerão.

Como esperar o Senhor

11Uma vez que tudo será assim desfeito, vocês devem ser pessoas que vivem de maneira santa e piedosa, 12esperando e apressando a vinda do Dia de Deus. Por causa desse dia, os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos se derreterão pelo calor. 13Nós, porém, segundo a promessa de Deus, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita a justiça.

14Por essa razão, amados, esperando estas coisas, esforcem-se para que Deus os encontre sem mácula, sem culpa e em paz. 15E considerem a longanimidade do nosso Senhor como oportunidade de salvação, como também o nosso amado irmão Paulo escreveu a vocês, segundo a sabedoria que lhe foi dada, 16ao falar a respeito destes assuntos, como, de fato, costuma fazer em todas as suas cartas. Nelas há certas coisas difíceis de entender, que aqueles que não têm instrução e são instáveis deturparão, como também deturparão as demais Escrituras, para a própria destruição deles.

17Portanto, vocês, meus amados, visto que já sabem disso, tenham cuidado para que não sejam arrastados pelo erro desses insubordinados e caiam da posição segura em que se encontram. 18Pelo contrário, cresçam na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno.

2Pedro 3NAAAbrir na Bíblia

A mensagem de Jeremias a Baruque

1Palavra que o profeta Jeremias falou a Baruque, filho de Nerias, quando este escrevia num livro as palavras ditadas por Jeremias, no quarto ano do reinado de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá:

2— Assim diz o Senhor, Deus de Israel, a respeito de você, Baruque: 3Você disse: “Ai de mim! Porque o Senhor acrescentou tristeza ao meu sofrimento. Estou cansado de gemer e não encontro descanso.” 4Diga-lhe o seguinte: Assim diz o Senhor: “Aquilo que construí eu vou demolir e aquilo que plantei eu vou arrancar, e isto em toda a terra. 5E você está buscando coisas grandes para si mesmo? Não faça isto! Porque eis que trarei mal sobre toda a humanidade”, diz o Senhor, “mas a você darei a sua vida como despojo, em qualquer lugar para onde você for.”

Jeremias 45NAAAbrir na Bíblia

Profecia a respeito do Egito

1Palavra do Senhor que veio ao profeta Jeremias a respeito das nações.

2A respeito do Egito, contra o exército de Faraó Neco, rei do Egito, exército que estava junto ao rio Eufrates em Carquemis e que foi derrotado por Nabucodonosor, rei da Babilônia, no quarto ano do reinado de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá:

3“Preparem os escudos

e as couraças

e entrem na batalha!

4Ponham arreios nos cavalos

e montem, cavaleiros!

Tomem posição

e ponham os capacetes!

Afiem as lanças

e vistam as armaduras!”

5“Mas o que vejo?” —

diz o Senhor.

“Eles ficaram com medo

e viraram as costas.

Os seus valentes estão derrotados

e vão fugindo, sem olhar para trás;

há terror por todos os lados.

6Aqueles que são ligeiros

não podem fugir,

e os valentes

não conseguem escapar.

No Norte, junto ao rio Eufrates,

tropeçaram e caíram.”

7“Quem é este que vem subindo

como o Nilo,

como rios cujas águas se agitam?

8O Egito vem subindo como o Nilo,

como rios cujas águas se agitam.

Ele disse: ‘Subirei, cobrirei a terra,

destruirei as cidades

e os seus moradores.’

9Avancem, cavalos!

Corram furiosamente,

carros de guerra!

Que saiam os valentes:

os etíopes e os de Pute,

que manejam o escudo,

e os lídios, que manejam

e entesam o arco.”

10“Porque este dia é

o Dia do Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

dia de vingança

contra os seus adversários.

A espada os devorará,

ficará saciada e embriagada

com o sangue deles.

Porque o Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

tem um sacrifício

na terra do Norte,

junto ao rio Eufrates.

11Suba a Gileade

e consiga bálsamo,

ó virgem filha do Egito!

É em vão que você

multiplica remédios,

pois não há cura para você.

12As nações ouviram falar

da vergonha que você passou,

e os seus gritos encheram a terra.

Porque um soldado

tropeçou no outro,

e ambos caíram no chão.”

A vinda de Nabucodonosor

13Palavra que o Senhor falou ao profeta Jeremias a respeito da vinda de Nabucodonosor, rei da Babilônia, para atacar a terra do Egito:

14“Anunciem no Egito

e proclamem isto em Migdol,

Mênfis e Tafnes.

Digam: ‘Tomem posição

e estejam preparados!

Porque a espada já devorou

o que está ao redor de vocês.

15Por que o seu Touro

está caído no chão?

Não pôde se manter em pé,

porque o Senhor o abateu.’

16O Senhor multiplicou

os que tropeçavam;

caíram uns sobre os outros

e disseram:

‘Levantem-se, e voltemos

ao nosso povo

e à terra onde nascemos,

por causa da espada que oprime.’

17Ali, darão a Faraó, rei do Egito,

o apelido de ‘Espalhafatoso

Que Perdeu A Oportunidade’.”

18“Tão certo como eu vivo”,

diz o Rei,

cujo nome é Senhor dos Exércitos,

“e tão certo como o Tabor

está entre os montes

e o Carmelo está junto ao mar,

assim ele virá.”

19“Prepare a sua bagagem

para o exílio,

ó moradora, filha do Egito.

Porque Mênfis se tornará

em desolação,

ficará em ruínas e desabitada.

20O Egito é uma bela novilha,

mas uma mutuca do Norte

já vem atacá-la; sim, já vem.

21Até os soldados mercenários

no meio deles,

que são como bezerros gordos,

viraram as costas e fugiram juntos;

não resistiram,

porque veio sobre eles

o dia da sua ruína

e o tempo do seu castigo.

22O Egito faz um ruído

como o da serpente que foge,

porque os seus inimigos

vêm contra ele, com machados,

como se fossem cortadores de lenha.

23Cortarão a sua floresta”,

diz o Senhor,

“ainda que impenetrável,

porque se multiplicaram

mais do que os gafanhotos;

são inumeráveis.

24A filha do Egito

está envergonhada;

foi entregue nas mãos

do povo do Norte.”

25O Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel, diz:

— Eis que eu castigarei Amom, deus de Tebas, e também Faraó, o Egito, os seus deuses e os seus reis, o próprio Faraó e os que confiam nele. 26Eu os entregarei nas mãos dos que querem matá-los, nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e nas mãos dos seus servos. Porém mais tarde voltará a ser habitada, como nos dias antigos, diz o Senhor.

Deus salvará o seu povo

27“Não tenha medo,

meu servo Jacó,

nem fique assustado, ó Israel.

Pois eis que eu o livrarei

dessa terra distante

e salvarei a sua descendência

da terra do exílio;

Jacó voltará e ficará tranquilo

e sossegado;

e não haverá quem o atemorize.

28Não tenha medo,

meu servo Jacó”,

diz o Senhor,

“porque eu estou com você.

Por isso, destruirei completamente

todas as nações

por onde o dispersei.

A você eu não destruirei

completamente,

mas castigarei em justa medida;

de modo nenhum deixarei

você impune.”

Jeremias 46NAAAbrir na Bíblia

Oração vespertina

Salmo de Davi

1Senhor, eu clamo a ti;

apressa-te em me socorrer!

Inclina os ouvidos à minha voz,

quando te invoco.

2Suba à tua presença

a minha oração como incenso,

e seja o erguer de minhas mãos

como oferenda vespertina.

3Põe guarda à minha boca, Senhor;

vigia a porta dos meus lábios.

4Não permitas que o meu coração

se incline para o mal,

para a prática da perversidade

na companhia de malfeitores;

e que eu não coma

das suas iguarias.

5Fira-me o justo,

e isso será um favor;

repreenda-me, e será como óleo

sobre a minha cabeça,

a qual não há de rejeitá-lo.

Continuarei a orar

enquanto os perversos

praticam maldade.

6Quando os seus juízes

forem lançados

do alto de uma rocha,

eles ouvirão as minhas palavras,

que são agradáveis.

7Como quando se lavra

e sulca a terra,

assim os nossos ossos

são espalhados

à boca da sepultura.

8Pois em ti, ó Deus, meu Senhor,

estão os meus olhos:

em ti confio; não desampares

a minha alma.

9Guarda-me dos laços

que me armaram

e das armadilhas

dos que praticam iniquidade.

10Que os ímpios caiam

nas suas próprias redes,

enquanto eu escapo ileso.

Salmos 141NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: