Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 294

Texto(s) da Bíblia

O novo céu e a nova terra

1E vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva enfeitada para o seu noivo. 3Então ouvi uma voz forte que vinha do trono e dizia:

— Eis o tabernáculo de Deus com os seres humanos. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles e será o Deus deles. 4E lhes enxugará dos olhos toda lágrima. E já não existirá mais morte, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.

5E aquele que estava sentado no trono disse:

— Eis que faço novas todas as coisas.

E acrescentou:

— Escreva, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.

6Disse-me ainda:

— Tudo está feito! Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida. 7O vencedor herdará estas coisas, e eu serei o Deus dele e ele será o meu filho. 8Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos imorais, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que está queimando com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.

A nova Jerusalém

9Então veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias dos últimos sete flagelos e falou comigo, dizendo:

— Venha, vou mostrar-lhe a noiva, a esposa do Cordeiro.

10E ele me levou, no Espírito, a uma grande e elevada montanha e me mostrou a cidade santa, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, 11a qual tem a glória de Deus. O seu brilho era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina. 12Tinha uma muralha grande e alta, com doze portões, e, junto aos portões, doze anjos. Sobre os portões estavam escritos nomes, a saber, os nomes das doze tribos dos filhos de Israel. 13Três portões se achavam a leste, três, ao norte, três, ao sul, e três, a oeste. 14A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e sobre estes estavam os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.

15Aquele que falava comigo tinha por medida uma vara de ouro para medir a cidade, os seus portões e a sua muralha. 16A cidade tinha a forma de um quadrado, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara, e tinha doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais. 17Mediu também a sua muralha, e tinha cento e quarenta e quatro côvados, pela medida humana que o anjo usava. 18A muralha é feita de jaspe e a cidade é de ouro puro, semelhante a vidro límpido. 19Os alicerces da muralha da cidade estão enfeitados de todo tipo de pedras preciosas. O primeiro alicerce é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda; 20o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o décimo primeiro, de jacinto; e o décimo segundo, de ametista. 21Os doze portões são doze pérolas, e cada um desses portões é feito de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente.

22Não vi nenhum santuário na cidade, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro. 23A cidade não precisa do sol nem da lua para lhe dar claridade, pois a glória de Deus a ilumina, e o Cordeiro é a sua lâmpada. 24As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória. 25Os seus portões jamais se fecharão de dia, pois nela não haverá noite. 26E lhe trarão a glória e a honra das nações. 27Nela não entrará nada que seja impuro, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro.

Apocalipse 21NAAAbrir na Bíblia

1Então o anjo me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. 2No meio da praça da cidade, e de um e de outro lado do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês. E as folhas da árvore são para a cura dos povos. 3Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o adorarão, 4contemplarão a sua face, e na sua testa terão gravado o nome dele. 5Então já não haverá noite, e não precisarão de luz de lamparina, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão para todo o sempre.

A certeza do cumprimento da profecia deste livro

6Então o anjo me disse:

— Estas palavras são fiéis e verdadeiras. O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou o seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer.

7— Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.

Conselhos e promessas finais

8Eu, João, sou quem ouviu e viu estas coisas. E, depois de ter ouvido e visto, prostrei-me diante dos pés do anjo que me mostrou essas coisas, para adorá-lo. 9Mas ele me disse:

— Não faça isso! Sou um servo de Deus, assim como são você e os seus irmãos, os profetas, e como são os que guardam as palavras deste livro. Adore a Deus!

10Disse-me ainda:

— Não sele as palavras da profecia deste livro, porque o tempo está próximo. 11Continue o injusto a fazer injustiça, e continue o imundo a ser imundo. O justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se.

12— Eis que venho sem demora, e comigo está a recompensa que tenho para dar a cada um segundo as suas obras. 13Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim.

14Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestes, para que tenham direito à árvore da vida e entrem na cidade pelos portões. 15Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira.

16— Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar testemunho destas coisas a vocês nas igrejas. Eu sou a Raiz e a Geração de Davi, a brilhante Estrela da Manhã.

17O Espírito e a noiva dizem:

— Vem!

Aquele que ouve, diga:

— Vem!

Aquele que tem sede venha, e quem quiser receba de graça a água da vida.

Conclusão do livro

18Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro. 19E, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que estão escritas neste livro.

20Aquele que dá testemunho destas coisas diz:

— Certamente venho sem demora.

Amém! Vem, Senhor Jesus!

Bênção

21A graça do Senhor Jesus esteja com todos.

Apocalipse 22NAAAbrir na Bíblia

O Príncipe da Paz

1Mas para a terra que estava aflita não continuará a escuridão. Deus, nos primeiros tempos, tornou desprezível a terra de Zebulom e a terra de Naftali, mas, nos últimos tempos, tornará glorioso o caminho do mar, além do Jordão, Galileia dos gentios.

2O povo que andava em trevas

viu grande luz,

e aos que viviam

na região da sombra da morte

resplandeceu-lhes a luz.

3Tu, Senhor, tens multiplicado

este povo

e aumentaste a sua alegria;

eles se alegram diante de ti,

como se alegram

no tempo da colheita

e como exultam quando repartem

os despojos.

4Porque tu quebraste o jugo

que pesava sobre eles,

a vara que lhes feria os ombros

e o cetro do seu opressor,

como no dia da vitória

sobre os midianitas.

5Porque toda bota

com que o guerreiro

anda no tumulto da batalha

e toda roupa revolvida em sangue

serão queimadas,

servirão de pasto ao fogo.

6Porque um menino nos nasceu,

um filho se nos deu.

O governo está

sobre os seus ombros,

e o seu nome será:

“Maravilhoso Conselheiro”,

“Deus Forte”, “Pai da Eternidade”,

“Príncipe da Paz”.

7Ele estenderá o seu governo,

e haverá paz sem fim

sobre o trono de Davi

e sobre o seu reino,

para o estabelecer e para o firmar

com juízo e com justiça,

desde agora e para sempre.

O zelo do Senhor dos Exércitos

fará isto.

Profecia contra o reino de Israel

8O Senhor enviou

uma palavra contra Jacó,

e ela caiu em Israel.

9Todo o povo o saberá,

Efraim e os moradores de Samaria,

que com soberba

e orgulho de coração dizem:

10“Os tijolos ruíram por terra,

mas nós vamos reconstruir

com pedras lavradas;

os sicômoros foram cortados,

mas nós os trocaremos por cedros.”

11Por isso, o Senhor suscitou

contra ele

os adversários de Rezim

e instigou os inimigos.

12Do Oriente vieram os sírios,

do Ocidente vieram os filisteus

e devoraram Israel

com a boca escancarada.

Nem com tudo isto

se desviou a ira de Deus,

e a mão dele continua estendida.

13Mas este povo não se voltou

para aquele que o feria,

nem buscou o Senhor dos Exércitos.

14Por isso, num só dia,

o Senhor corta de Israel

a cabeça e a cauda,

a palma e o junco.

15O ancião e o homem de respeito

são a cabeça,

e o profeta que ensina a mentira

é a cauda.

16Porque os guias deste povo

são enganadores,

e os que por eles são guiados

são destruídos.

17Por isso, o Senhor não se alegra

com os seus jovens

e não se compadece dos seus órfãos

e das suas viúvas,

porque todos eles

são ímpios e maus,

e todos falam tolices.

Nem com tudo isto

se desviou a ira de Deus,

e a mão dele continua estendida.

18Porque a maldade

queima como um fogo,

ela devora os espinheiros

e as ervas daninhas;

incendeia as árvores do bosque,

e estas sobem em espessas nuvens

de fumaça.

19Por causa da ira do Senhor

dos Exércitos,

a terra está em chamas,

e o povo é como lenha para o fogo;

ninguém poupa o seu irmão.

20Abocanham à direita

e ainda têm fome,

devoram à esquerda

e não se fartam;

cada um come a carne

do seu próprio braço.

21Manassés ataca Efraim,

e Efraim ataca Manassés,

e ambos, juntos, atacam Judá.

Nem com tudo isto

se desviou a ira de Deus,

e a mão dele continua estendida.

Isaías 9NAAAbrir na Bíblia

1Ai dos que decretam leis injustas,

dos que escrevem

decretos opressivos,

2para negarem justiça aos pobres,

para privarem do seu direito

os aflitos do meu povo,

a fim de despojarem as viúvas

e roubarem os órfãos!

3Mas o que vocês vão fazer

no dia do castigo,

na calamidade que vem de longe?

A quem vão pedir socorro

e onde deixarão a sua glória?

4Nada mais lhes resta a fazer,

a não ser curvar-se

entre os prisioneiros

e cair entre os mortos.

Nem com tudo isto

se desviou a ira de Deus,

e a mão dele continua estendida.

Profecia contra a Assíria

5“Ai da Assíria, cetro da minha ira!

A vara em sua mão

é o instrumento do meu furor.

6Eu a envio contra uma nação ímpia,

e contra o povo da minha indignação

lhe dou ordens,

para que dele roube a presa

e lhe tome o despojo,

e o ponha para ser pisado aos pés,

como a lama das ruas.

7Ela, porém, assim não pensa,

o seu coração não entende assim;

pelo contrário, em seu coração

só pensa em destruir

e exterminar não poucas nações.

8Porque diz: ‘Não são

meus comandantes todos eles reis?

9Não é Calno como Carquemis?

Não é Hamate como Arpade?

E Samaria, como Damasco?

10O meu poder atingiu

os reinos dos ídolos,

ainda que as suas imagens

de escultura

eram melhores

do que as de Jerusalém

e do que as de Samaria.

11Será que não posso fazer

com Jerusalém e os seus ídolos

o mesmo que fiz com Samaria

e os seus ídolos?’”

12Por isso, quando o Senhor tiver acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então castigará a arrogância do coração do rei da Assíria e o excessivo orgulho dos seus olhos. 13Porque o rei disse:

“Eu fiz isso com o poder

da minha mão

e com a minha sabedoria,

porque sou inteligente.

Removi os limites dos povos,

roubei os seus tesouros,

e como valente abati

os que se assentavam em tronos.

14Meti a mão nas riquezas

dos povos

como se mete a mão num ninho;

e, como se ajuntam

os ovos abandonados,

assim eu ajuntei toda a terra,

e não houve quem batesse as asas,

ou abrisse o bico, ou desse um pio.”

15Será que o machado

pode se gloriar

contra aquele que corta com ele?

Ou será que a serra

pode se engrandecer

contra o que a maneja?

Seria como se o cetro

movesse quem o segura

ou o bastão levantasse

quem não é madeira!

16Por isso, o Senhor, o Senhor

dos Exércitos,

fará definhar os soldados deles,

todos robustos,

e debaixo da sua glória

acenderá uma chama,

como a chama de fogo.

17Porque a Luz de Israel

virá a ser como fogo,

e o seu Santo, como labareda,

que, num só dia,

queimará e consumirá

as ervas daninhas

e os espinheiros da Assíria.

18Também destruirá totalmente

a glória da sua floresta

e do seu campo fértil;

e será como quando um doente

vai definhando.

19As árvores que restarem

na sua floresta

serão tão poucas,

que até uma criança

poderá contá-las.

Um resto voltará

20Naquele dia, os restantes de Israel e os da casa de Jacó que tiverem escapado nunca mais se apoiarão naquele que os feriu, mas se apoiarão no Senhor, o Santo de Israel. 21Um resto voltará; sim, um resto de Jacó voltará para o Deus Forte. 22Porque ainda que o seu povo, ó Israel, seja como a areia do mar, apenas um resto voltará. Uma destruição está determinada, transbordante de justiça. 23Porque essa destruição, já determinada, o Senhor, o Senhor dos Exércitos, a executará no meio de toda esta terra.

24Por isso, assim diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos:

— Povo meu, que mora em Sião, não tenha medo da Assíria, quando ela castigar você com uma vara e levantar contra você o seu bastão à maneira dos egípcios. 25Pois daqui a bem pouco se cumprirá a minha indignação e a minha ira, para a consumir. 26Porque o Senhor dos Exércitos suscitará contra ela um flagelo, como a matança de Midiã junto ao rochedo de Orebe. O seu bordão estará sobre o mar, e ele o levantará como fez no Egito. 27Naquele dia, o peso deles será tirado dos ombros de vocês, e o jugo deles será removido do pescoço de vocês, jugo que será despedaçado por causa da gordura.

28A Assíria vem a Aiate,

passa por Migrom

e em Micmás larga a sua bagagem.

29Passa o desfiladeiro,

aloja-se em Geba,

já Ramá treme, Gibeá de Saul foge.

30Grite bem alto, ó filha de Galim!

Escute, ó Laís! Pobre Anatote!

31Madmena se dispersa;

os moradores de Gebim

fogem para salvar-se.

32Nesse mesmo dia,

a Assíria parará em Nobe;

agitará o punho fechado

para o monte da filha de Sião,

a colina de Jerusalém.

33Mas eis que o Senhor,

o Senhor dos Exércitos,

cortará os ramos com violência;

as árvores de grande porte

serão derrubadas,

e as mais altas serão abatidas.

34Cortará com o machado

as árvores da floresta,

e o Líbano cairá

pela mão de um poderoso.

Isaías 10NAAAbrir na Bíblia

As obras magníficas de Deus

1Aleluia!

De todo o coração

louvarei o Senhor,

na companhia dos justos

e na assembleia.

2Grandes são as obras do Senhor,

consideradas por todos

os que se alegram

por causa delas.

3Em suas obras

há glória e majestade,

e a sua justiça

permanece para sempre.

4Ele fez memoráveis

as suas maravilhas;

bondoso e compassivo é o Senhor.

5Ele dá sustento aos que o temem;

sempre se lembra da sua aliança.

6Manifestou ao seu povo

o poder das suas obras,

dando-lhe a herança das nações.

7As obras de suas mãos

são verdade e justiça;

fiéis são todos os seus preceitos.

8Estáveis são eles

para todo o sempre,

instituídos em fidelidade e retidão.

9Enviou ao seu povo a redenção;

estabeleceu para sempre

a sua aliança;

santo e tremendo é o seu nome.

10O temor do Senhor

é o princípio da sabedoria;

revelam prudência

todos os que o praticam.

O seu louvor permanece

para sempre.

Salmos 111NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: