Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 221

Texto(s) da Bíblia

Paulo defende a sua autoridade apostólica

1E eu mesmo, Paulo, peço a vocês, pela mansidão e bondade de Cristo — eu que, na verdade, quando estou com vocês, sou humilde, mas, quando ausente, sou ousado para com vocês —, 2sim, eu peço que não me obriguem a ser ousado, quando estiver com vocês, servindo-me daquela firmeza com que penso que devo tratar alguns que nos julgam como se andássemos segundo a carne. 3Porque, embora andemos na carne, não lutamos segundo a carne. 4Porque as armas da nossa luta não são carnais, mas poderosas em Deus, para destruir fortalezas. Destruímos raciocínios falaciosos 5e toda arrogância que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento à obediência de Cristo. 6E estaremos prontos para punir qualquer desobediência, quando a obediência de vocês estiver completa.

7Observem o que está evidente. Se alguém confia em si que é de Cristo, pense outra vez consigo mesmo que, assim como ele é de Cristo, também nós o somos. 8Porque, se eu me gloriar um pouco mais a respeito da nossa autoridade, a qual o Senhor nos conferiu para edificação e não para destruição de vocês, não me envergonharei. 9Não quero que pareça ser meu objetivo intimidar vocês por meio de cartas. 10Alguns dizem: “As cartas são graves e fortes, mas a presença pessoal dele é fraca e a sua palavra é desprezível.” 11Que tal pessoa leve em conta o seguinte: o que somos na palavra por cartas, estando ausentes, seremos também em ações, quando presentes. 12Porque não ousamos nos classificar ou comparar com alguns que louvam a si mesmos. Mas eles, medindo-se consigo mesmos e comparando-se consigo mesmos, revelam falta de entendimento.

13Nós, porém, não nos gloriaremos além da medida, mas respeitamos o limite da esfera de ação que Deus nos demarcou e que se estende até vocês. 14Porque não ultrapassamos os nossos limites como se não devêssemos chegar até vocês, pois já chegamos até vocês com o evangelho de Cristo. 15Não nos gloriamos além da medida no trabalho que outros fizeram, mas temos a esperança de que, à medida que cresce a fé que vocês têm, seremos cada vez mais engrandecidos entre vocês, dentro da nossa esfera de ação, 16a fim de anunciar o evangelho para além das fronteiras em que vocês se encontram, sem com isto nos gloriarmos de coisas já realizadas na esfera de ação de outros.

17Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor. 18Porque não é aprovado quem recomenda a si mesmo, e sim aquele que o Senhor recomenda.

2Coríntios 10NAAAbrir na Bíblia

35Jeoaquim entregou aquela prata e aquele ouro a Faraó. Mas, para dar esse dinheiro segundo a ordem de Faraó, Jeoaquim estabeleceu um imposto sobre a terra. Do povo da terra exigiu prata e ouro, de cada um segundo as suas posses, para o dar a Faraó Neco.

O reinado de Jeoaquim, de Judá

36Jeoaquim tinha vinte e cinco anos de idade quando começou a reinar e reinou onze anos em Jerusalém. A mãe dele se chamava Zebida e era filha de Pedaías, de Ruma. 37Jeoaquim fez o que era mau aos olhos do Senhor, segundo tudo o que os seus pais haviam feito.

2Reis 23:35-37NAAAbrir na Bíblia

1Foi durante o reinado de Jeoaquim que Nabucodonosor, rei da Babilônia, veio contra Judá. Durante três anos, Jeoaquim foi servo de Nabucodonosor, mas depois se revoltou contra ele. 2O Senhor enviou contra Jeoaquim bandos de caldeus, sírios, moabitas e amonitas. Ele os enviou contra Judá para destruir o povo, conforme a palavra que o Senhor tinha falado por meio dos seus servos, os profetas. 3Na verdade, isto aconteceu com Judá por ordem do Senhor, que removeu o povo da sua presença, por causa de todos os pecados cometidos por Manassés 4e também por causa do sangue inocente que ele derramou, com o qual encheu a cidade de Jerusalém; por isso, o Senhor não quis perdoar.

5Quanto aos demais atos de Jeoaquim e a tudo o que fez, não está tudo escrito no Livro da História dos Reis de Judá? 6Jeoaquim morreu, e Joaquim, seu filho, reinou em seu lugar.

7O rei do Egito nunca mais saiu da sua terra, porque o rei da Babilônia tomou tudo o que era dele, desde o ribeiro do Egito até o rio Eufrates.

O reinado de Joaquim, de Judá

2Cr 36.9

8Joaquim tinha dezoito anos de idade quando começou a reinar e reinou três meses em Jerusalém. A mãe dele se chamava Neústa e era filha de Elnatã, de Jerusalém. 9Joaquim fez o que era mau aos olhos do Senhor, como o seu pai havia feito antes dele.

Nabucodonosor leva cativa a nobreza de Jerusalém

10Naquele tempo, os servos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, subiram a Jerusalém, e a cidade foi cercada. 11Nabucodonosor, rei da Babilônia, veio à cidade, quando os seus servos a sitiavam. 12Então Joaquim, rei de Judá, acompanhado de sua mãe, seus servos, seus príncipes e seus oficiais, se entregou ao rei da Babilônia; e o rei da Babilônia, no oitavo ano do seu reinado, o levou cativo. 13Levou dali todos os tesouros da Casa do Senhor e os tesouros do palácio real. E, conforme o Senhor tinha dito, cortou em pedaços todos os utensílios de ouro que Salomão, rei de Israel, tinha feito para o templo do Senhor. 14Nabucodonosor levou cativa toda Jerusalém, bem como todos os príncipes, todos os homens valentes, todos os artífices e ferreiros, ao todo dez mil; ninguém ficou, a não ser o povo pobre da terra. 15Levou cativos de Jerusalém para a Babilônia o rei Joaquim, a mãe do rei, as mulheres deste, seus oficiais e os homens principais da terra. 16O rei da Babilônia levou cativos para a Babilônia todos os homens valentes, em número de sete mil, e ainda mil artífices e ferreiros, todos eles treinados para a guerra.

17O rei da Babilônia constituiu rei, em lugar de Joaquim, o tio paterno deste, Matanias, e mudou o nome dele para Zedequias.

O reinado de Zedequias, de Judá

2Cr 36.10-12; Jr 52.1-3

18Zedequias tinha vinte e um anos de idade quando começou a reinar e reinou onze anos em Jerusalém. A mãe dele se chamava Hamutal e era filha de Jeremias, de Libna. 19Zedequias fez o que era mau aos olhos do Senhor, segundo tudo o que Joaquim havia feito.

A queda de Jerusalém

Jr 39.1-7; 52.3-11

20Foi por causa da ira do Senhor contra Jerusalém e contra Judá que isto aconteceu, a ponto de os rejeitar de sua presença. Zedequias rebelou-se contra o rei da Babilônia.

2Reis 24NAAAbrir na Bíblia

1Sentença revelada ao profeta Habacuque.

A queixa de Habacuque

2Até quando, Senhor,

clamarei pedindo ajuda,

e tu não me ouvirás?

Até quando gritarei:

“Violência!”,

e tu não salvarás?

3Por que me fazes ver

a iniquidade?

Por que toleras a opressão?

Pois a destruição e a violência

estão diante de mim;

há litígios e surgem discórdias.

4Por isso, a lei se afrouxa

e a justiça nunca se manifesta.

Porque os ímpios cercam os justos,

e assim a justiça é torcida.

A resposta de Deus

5“Olhem entre as nações e vejam;

fiquem maravilhados e admirados.

Porque, no tempo de vocês,

eu realizo obra tal

que vocês não acreditarão

se alguém lhes contar.

6Pois eis que trago os caldeus,

nação cruel e impetuosa,

que marcham pela largura da terra,

para apoderar-se de moradas

que não são suas.

7Eles são pavorosos e terríveis;

fazem as suas próprias leis

e impõem a sua dignidade.

8Os seus cavalos são mais ligeiros

do que os leopardos,

mais ferozes do que

os lobos ao anoitecer.

Os seus cavaleiros se espalham

por toda parte;

sim, os seus cavaleiros

chegam de longe,

voam como a águia

que se precipita para devorar.

9Eles todos vêm

para fazer violência.

Estão determinados

a seguir em frente.

Reúnem os cativos

como se ajunta areia.

10Zombam dos reis;

os príncipes são motivo de riso

para eles.

Riem de todas as fortalezas,

porque, amontoando terra,

as conquistam.

11Então passam

como passa o vento

e seguem adiante.

Tornam-se culpados estes

cujo deus é a própria força.”

Habacuque se queixa de novo

12Não és tu desde a eternidade,

ó Senhor, meu Deus,

ó meu Santo?

Não morreremos.

Ó Senhor, puseste aquele povo

para executar juízo;

tu, ó Rocha, o estabeleceste

para servir de disciplina.

13Tu és tão puro de olhos,

que não podes suportar o mal

nem tolerar a opressão.

Por que, então, toleras os traidores

e te calas quando

os perversos devoram

aqueles que são mais justos

do que eles?

14Por que tratas as pessoas

como se fossem peixes do mar,

como se fossem animais que rastejam,

que não têm quem os governe?

15O inimigo pesca todos

com o anzol,

apanha-os na sua rede

e os ajunta na sua

rede de arrastão;

então ele se alegra e fica contente.

16Por isso, ele oferece sacrifício

à sua rede

e queima incenso

à sua rede de arrastão,

pois é por meio delas

que aumentou as suas riquezas

e tem abundância de comida.

17Mas será que ele continuará

a esvaziar a sua rede?

Será que continuará a matar

os povos sem dó nem piedade?

Habacuque 1NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.8
SIGA A SBB: