Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 179

Texto(s) da Bíblia

A transfiguração de Jesus

2Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João e os levou, em particular, a sós, a um alto monte. E Jesus foi transfigurado diante deles. 3As suas roupas se tornaram resplandecentes, de um branco muito intenso, como nenhum lavandeiro no mundo as poderia alvejar. 4E lhes apareceu Elias com Moisés, e estavam falando com Jesus. 5Então Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus:

— Mestre, bom é estarmos aqui. Façamos três tendas: uma para o senhor, outra para Moisés e outra para Elias.

6Pois não sabia o que dizer, por estarem eles apavorados. 7A seguir, veio uma nuvem que os envolveu; e dela veio uma voz que dizia:

— Este é o meu Filho amado; escutem o que ele diz!

8E, de repente, olhando ao redor, não viram mais ninguém com eles, a não ser Jesus.

A vinda de Elias

9Ao descerem do monte, Jesus lhes ordenou que não divulgassem as coisas que tinham visto, até o dia em que o Filho do Homem ressuscitasse dentre os mortos. 10Eles guardaram a recomendação, perguntando uns aos outros o que seria esse ressuscitar dentre os mortos. 11Então perguntaram a Jesus:

— Por que os escribas dizem ser necessário que Elias venha primeiro?

12Jesus respondeu:

— Elias, vindo primeiro, restaurará todas as coisas. Como, então, está escrito sobre o Filho do Homem que sofrerá muito e será desprezado? 13Eu, porém, lhes digo que Elias já veio, e fizeram com ele tudo o que quiseram, como está escrito a respeito dele.

A cura de um menino

14Quando eles se aproximaram dos outros discípulos, viram numerosa multidão ao redor deles e os escribas discutindo com eles. 15E logo toda a multidão, ao ver Jesus, ficou surpresa e, correndo até ele, o saudava. 16Então Jesus perguntou:

— O que é que vocês estão discutindo com eles?

17E um, do meio da multidão, respondeu:

— Mestre, eu trouxe até o senhor o meu filho, que está possuído de um espírito mudo; 18e este, sempre que se apossa dele, lança-o por terra, e ele espuma, range os dentes e vai definhando. Pedi aos seus discípulos que o expulsassem, mas eles não puderam.

19Então Jesus exclamou:

— Ó geração incrédula, até quando estarei com vocês? Até quando terei de suportá-los? Tragam o menino até aqui.

20E eles o trouxeram. Quando ele viu Jesus, o espírito imediatamente agitou o menino com violência, e, caindo ele por terra, revolvia-se espumando. 21Jesus perguntou ao pai do menino:

— Há quanto tempo isso está acontecendo com ele?

O pai respondeu:

— Desde a infância; 22e muitas vezes o tem lançado no fogo e na água, para o matar. Mas, se o senhor pode fazer alguma coisa, tenha compaixão de nós e ajude-nos.

23Ao que Jesus respondeu:

— “Se o senhor pode”? Tudo é possível ao que crê.

24E imediatamente o pai do menino exclamou:

— Eu creio! Ajude-me na minha falta de fé!

25Vendo Jesus que muita gente estava se reunindo, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe:

— Espírito mudo e surdo, eu ordeno a você: Saia deste menino e nunca mais entre nele.

26E ele, gritando e agitando-o muito, saiu, deixando-o como se estivesse morto, a ponto de muitos dizerem:

— Morreu.

27Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.

28Quando Jesus entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram em particular:

— Por que nós não pudemos expulsá-lo?

29Jesus respondeu:

— Esse tipo de espírito só pode ser expulso por meio de oração.

De novo Jesus prediz a sua morte e ressurreição

30E, tendo saído dali, passavam pela Galileia, e Jesus não queria que ninguém o soubesse, 31porque ensinava os seus discípulos e lhes dizia:

— O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e estes o matarão; mas, três dias depois da sua morte, ressuscitará.

32Eles, porém, não compreendiam isto e tinham medo de perguntar.

O maior no Reino dos Céus

33Chegaram, então, a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou aos discípulos:

— Sobre o que vocês estavam discutindo no caminho?

34Mas eles se calaram, porque, no caminho, tinham discutido entre si sobre quem era o maior. 35E Jesus, assentando-se, chamou os doze e lhes disse:

— Se alguém quer ser o primeiro, será o último e servo de todos.

36Trazendo uma criança, colocou-a no meio deles e, tomando-a nos braços, disse-lhes:

37— Quem receber uma criança, tal como esta, em meu nome, recebe a mim; e quem receber a mim, não é a mim que recebe, mas aquele que me enviou.

Quem não é contra nós é por nós

38João disse a Jesus:

— Mestre, vimos um homem que expulsava demônios em seu nome, mas nós o proibimos de fazer isso, porque não nos seguia.

39Mas Jesus respondeu:

— Não o proíbam, porque não há ninguém que faça milagre em meu nome e, logo a seguir, possa falar mal de mim. 40Pois quem não é contra nós é a favor de nós. 41Pois aquele que lhes der de beber um copo de água, em meu nome, porque vocês são de Cristo, em verdade lhes digo que de modo nenhum perderá a sua recompensa.

Os tropeços

42— E, se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, seria melhor para esse que uma grande pedra de moinho fosse pendurada ao seu pescoço e fosse jogado no mar. 43E, se a sua mão leva você a tropeçar, corte-a; pois é melhor você entrar aleijado na vida do que, tendo as duas mãos, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga 44[onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga]. 45E, se o seu pé leva você a tropeçar, corte-o; pois é melhor você entrar na vida aleijado do que, tendo os dois pés, ser lançado no inferno 46[onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga]. 47E, se um dos seus olhos leva você a tropeçar, arranque-o; pois é melhor você entrar no Reino de Deus com um olho só do que, tendo os dois, ser lançado no inferno, 48onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga.

49— Porque cada um será salgado com fogo. 50O sal é bom; mas, se o sal vier a se tornar insípido, como lhe restaurar o sabor? Tenham sal em vocês mesmos e paz uns com os outros.

Marcos 9:2-50NAAAbrir na Bíblia

Cântico de Davi em ação de graças

Sl 18.1-50

1Davi falou ao Senhor as palavras deste cântico, no dia em que o Senhor o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul. 2Ele disse:

“O Senhor é a minha rocha,

a minha fortaleza,

o meu libertador;

3o meu Deus, o meu rochedo

em que me refugio;

o meu escudo, a força

da minha salvação,

o meu alto refúgio.

Ó Deus, tu me salvas da violência.

4Invoco o Senhor,

digno de ser louvado,

e serei salvo dos meus inimigos.”

5“Porque ondas de morte

me cercaram,

torrentes de perdição

me impuseram terror.

6Cadeias infernais

me envolveram,

e tramas de morte

me surpreenderam.”

7“Na minha angústia,

invoquei o Senhor;

gritei por socorro ao meu Deus.

Do seu templo ele ouviu

a minha voz,

e o meu clamor

chegou aos seus ouvidos.

8Então a terra se abalou e tremeu;

vacilaram também

os fundamentos dos céus

e se abalaram,

porque ele estava irado.

9Das suas narinas subiu fumaça,

e fogo devorador

saiu da sua boca;

dele saíram brasas ardentes.

10Ele baixou os céus e desceu,

e teve sob os pés densa escuridão.

11Cavalgava um querubim e voou;

foi levado sobre as asas do vento.

12Por abrigo

pôs ao redor de si trevas,

ajuntamento de águas,

nuvens dos céus.

13Do resplendor

que diante dele havia,

brasas de fogo se acenderam.

14O Senhor trovejou

desde os céus;

o Altíssimo levantou a sua voz.

15Atirou as suas flechas

e espalhou os meus inimigos;

multiplicou os seus raios

e os dispersou.

16Então se viu o leito do mar,

e se descobriram os fundamentos

do mundo,

pela repreensão do Senhor,

pelo sopro irado das suas narinas.”

17“Do alto o Senhor me estendeu

a mão e me segurou;

ele me tirou das águas profundas.

18Livrou-me de forte inimigo

e dos que me odiavam,

pois eram mais poderosos

do que eu.

19Eles me atacaram

no dia da minha calamidade,

mas o Senhor me serviu

de amparo.

20Trouxe-me para um lugar

espaçoso;

livrou-me, porque ele se agradou

de mim.”

21“O Senhor me retribuiu

segundo a minha justiça;

recompensou-me conforme

a pureza das minhas mãos.

22Pois tenho guardado

os caminhos do Senhor

e não me afastei perversamente

do meu Deus.

23Porque todos os seus juízos

estão diante de mim,

e não rejeitei os seus preceitos.

24Também fui íntegro para com ele

e me guardei da iniquidade.

25Por isso, o Senhor me retribuiu

segundo a minha justiça,

conforme a minha pureza,

na sua presença.”

26“Para com quem é fiel,

fiel te mostras;

com o íntegro, também íntegro.

27Com o puro, puro te mostras;

com o perverso, inflexível.

28Tu salvas o povo humilde,

mas, com um lance de vista,

abates os orgulhosos.

29Tu, Senhor,

és a minha lâmpada;

o Senhor derrama luz

nas minhas trevas.

30Pois contigo posso

atacar exércitos,

com o meu Deus salto muralhas.

31O caminho de Deus é perfeito;

a palavra do Senhor é confiável;

ele é escudo para todos os que

nele se refugiam.”

32“Pois quem é Deus

além do Senhor?

E quem é rochedo,

a não ser o nosso Deus?

33Deus é a minha fortaleza

e a minha força

e ele aperfeiçoa o meu caminho.

34Ele deu aos meus pés

a ligeireza das corças

e me firmou nas minhas alturas.

35Ele treinou as minhas mãos

para o combate,

tanto que os meus braços

vergaram um arco de bronze.

36Também me deste

o escudo da tua salvação,

e a tua clemência me engrandeceu.

37Alargaste o caminho

sob meus passos,

e os meus pés não vacilaram.

38Persegui os meus inimigos

e os derrotei,

e só voltei depois de ter acabado

com eles.

39Acabei com eles, esmagando-os

a tal ponto, que não puderam

se levantar;

caíram sob os meus pés.

40Pois me cingiste

de força para o combate

e me submeteste os que

se levantaram contra mim.

41Também puseste em fuga

os meus inimigos,

e os que me odiavam,

eu os exterminei.

42Olharam, mas não houve

quem os salvasse;

olharam para o Senhor,

mas ele não respondeu.

43Então os moí

como o pó da terra;

esmaguei-os e, como a lama

das ruas, os amassei.”

44“Dos conflitos do meu povo

me livraste

e me fizeste cabeça das nações;

um povo que eu não conhecia

me serviu.

45Os estrangeiros se mostram

submissos a mim;

bastou-lhes ouvir a minha voz,

logo me obedeceram.

46Os estrangeiros fraquejaram

e, tremendo, saíram

das suas fortalezas.”

47“O Senhor vive!

Bendita seja a minha rocha!

Exaltado seja o meu Deus,

a rocha da minha salvação!

48O Deus que por mim tomou

vingança

e me submeteu povos;

49o Deus que me tirou

do meio dos meus inimigos;

sim, tu que me exaltaste

acima dos meus adversários

e me livraste

dos homens violentos.”

50“Por isso, eu te glorificarei

entre os gentios, ó Senhor,

e cantarei louvores ao teu nome.

51É ele quem dá grandes vitórias

ao seu rei

e usa de misericórdia

para com o seu ungido,

com Davi e sua posteridade,

para sempre.”

2Samuel 22NAAAbrir na Bíblia

A infidelidade de Israel

2“Acusem a mãe de vocês,

acusem-na,

porque ela não é minha mulher,

e eu não sou seu marido.

Que ela afaste as suas prostituições

de sua presença

e os seus adultérios

de entre os seus seios.

3Do contrário, eu a deixarei

sem roupa

e nua como no dia

em que nasceu.

Eu a tornarei semelhante

a um deserto, a uma terra seca,

e deixarei que morra de sede.

4E não terei compaixão

de seus filhos,

porque são filhos

de uma prostituta.

5Pois a mãe deles se prostituiu;

aquela que os concebeu

agiu de forma vergonhosa.

Porque disse:

‘Irei atrás dos meus amantes,

que me dão o meu pão

e a minha água,

a minha lã e o meu linho,

o meu azeite

e as minhas bebidas.’”

6“Portanto, eis que cercarei

o seu caminho com espinhos

e levantarei um muro contra ela,

para que ela não ache

as suas veredas.

7Ela correrá atrás dos seus amantes,

mas não os alcançará;

irá procurá-los,

mas não os encontrará.

Então dirá: ‘Vou voltar

para o meu primeiro marido,

porque a minha vida era melhor

naquele tempo do que agora.’

8Ela não reconheceu

que fui eu que lhe dei o trigo,

o vinho e o azeite;

fui eu que lhe multipliquei

a prata e o ouro,

que eles usaram para Baal.

9Portanto, farei com que,

no devido tempo,

ela devolva o meu trigo

e o meu vinho.

Tirarei dela a minha lã

e o meu linho,

que deviam cobrir a sua nudez.

10Agora descobrirei

as suas vergonhas

aos olhos dos seus amantes,

e ninguém a livrará da minha mão.

11Farei cessar toda a sua alegria,

as suas festas,

as Festas de Lua Nova,

os seus sábados

e todas as suas solenidades.

12Devastarei as suas videiras

e as suas figueiras,

das quais ela diz:

‘Este é o pagamento que recebi

dos meus amantes.’

Farei com que virem mato,

e os animais selvagens

as devorarão.

13Eu a castigarei pelos dias

dos baalins,

nos quais lhes queimou incenso,

e se enfeitou

com os seus pendentes

e com as suas joias,

e andou atrás de seus amantes,

mas de mim se esqueceu”,

diz o Senhor.

A misericórdia de Deus

14“Portanto, eis que eu a atrairei,

e a levarei para o deserto,

e lhe falarei ao coração.

15E ali eu lhe devolverei

as suas vinhas

e farei do vale de Acor

uma porta de esperança.

Ali ela me responderá

como nos dias da sua mocidade

e como no dia em que saiu

da terra do Egito.

16Naquele dia”,

diz o Senhor,

“ela me chamará de ‘Meu Marido’,

e não me chamará mais de

‘Meu Baal’.

17Removerei da sua boca

os nomes dos baalins,

e ela não mais se lembrará

desses nomes.

18Naquele dia, farei a favor dela

uma aliança

com os animais selvagens,

com as aves do céu

e com os animais que rastejam

sobre a terra.

Tirarei da terra o arco,

a espada e a guerra

e farei com que o meu povo

repouse em segurança.

19Farei de você a minha esposa

para sempre.

Farei de você a minha esposa

em justiça,

em juízo, em bondade

e em misericórdia.

20Farei de você a minha esposa

em fidelidade,

e você conhecerá o Senhor.”

21“Naquele dia, eu responderei”,

diz o Senhor,

“responderei aos céus,

e estes responderão à terra;

22a terra responderá ao trigo,

ao vinho e ao azeite;

e estes responderão a Jezreel.

23Semearei Israel

para mim mesmo na terra

e terei compaixão de Lo-Ruamá.

E para Lo-Ami direi:

‘Você é o meu povo!’

Ele responderá:

‘Tu és o meu Deus!’”

Oseias 2:2-23NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.8
SIGA A SBB: