Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 121

Texto(s) da Bíblia

Paulo e Barnabé em Icônio

1Em Icônio, Paulo e Barnabé entraram juntos na sinagoga judaica e falaram de tal modo, que veio a crer grande multidão, tanto de judeus como de gregos. 2Mas os judeus que não tinham crido incitaram e irritaram os ânimos dos gentios contra os irmãos. 3Entretanto, Paulo e Barnabé ficaram bastante tempo em Icônio, falando ousadamente no Senhor, o qual confirmava a palavra da sua graça, concedendo que, por mão deles, se fizessem sinais e prodígios. 4Mas o povo da cidade se dividiu: uns eram pelos judeus; outros, pelos apóstolos. 5Então surgiu um movimento entre os gentios e os judeus, com o apoio das suas autoridades, para os maltratar e apedrejar. 6Quando Paulo e Barnabé souberam disso, fugiram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia, e para as regiões vizinhas, 7onde anunciaram o evangelho.

A cura de um paralítico em Listra

8Em Listra, costumava estar sentado certo homem aleijado, paralítico desde o seu nascimento, e que nunca tinha conseguido andar. 9Esse homem ouviu Paulo falar. Quando Paulo fixou nele os olhos e viu que ele tinha fé para ser curado, 10disse a ele em voz alta:

— Levante-se direito sobre os pés!

O homem saltou e começou a andar. 11Quando as multidões viram o que Paulo tinha feito, gritaram em língua licaônica:

— Os deuses, em forma de homens, desceram até nós.

12A Barnabé chamavam Júpiter, e a Paulo, Mercúrio, porque este era o principal portador da palavra. 13O sacerdote de Júpiter, cujo templo estava em frente da cidade, trazendo touros e grinaldas para junto dos portões da cidade, queria oferecer um sacrifício juntamente com a multidão. 14Porém, ouvindo isto, os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgando as suas roupas, saltaram para o meio da multidão, gritando:

15— Senhores, por que estão fazendo isto? Nós também somos seres humanos como vocês, sujeitos aos mesmos sentimentos, e anunciamos o evangelho a vocês para que se convertam destas coisas vãs ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há. 16Nas gerações passadas, Deus permitiu que todos os povos andassem nos seus próprios caminhos. 17Contudo, não deixou de dar testemunho de si mesmo, fazendo o bem, dando a vocês chuvas do céu e estações frutíferas, enchendo o coração de vocês de fartura e de alegria.

18Dizendo isto, foi ainda com dificuldade que impediram a multidão de lhes oferecer sacrifícios.

Paulo é apedrejado

19Entretanto, chegaram judeus de Antioquia e Icônio e, instigando as multidões, apedrejaram Paulo e o arrastaram para fora da cidade, dando-o por morto. 20Mas, quando os discípulos o rodearam, ele se levantou e entrou na cidade. No dia seguinte, foi com Barnabé para Derbe.

A volta para Antioquia da Síria

21E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, Paulo e Barnabé voltaram para Listra, Icônio e Antioquia, 22fortalecendo o ânimo dos discípulos, exortando-os a permanecerem firmes na fé e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no Reino de Deus. 23E, promovendo-lhes, em cada igreja, a eleição de presbíteros, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor, em quem haviam crido.

24Atravessando a Pisídia, Paulo e Barnabé se dirigiram à Panfília. 25E, tendo anunciado a palavra em Perge, foram para Atália 26e dali navegaram para Antioquia, onde tinham sido recomendados à graça de Deus para a obra que agora tinham terminado. 27Quando chegaram a Antioquia, reuniram a igreja e relataram tudo o que Deus havia feito com eles e como tinha aberto aos gentios a porta da fé. 28E permaneceram muito tempo com os discípulos.

Atos 14NAAAbrir na Bíblia

Josué abençoa e despede as duas tribos e meia

1Então Josué chamou os rubenitas, os gaditas e a meia tribo de Manassés 2e lhes disse:

— Vocês fizeram tudo o que Moisés, servo do Senhor, lhes ordenou e também foram obedientes a mim em tudo o que lhes ordenei. 3Durante todo esse tempo, até o dia de hoje, vocês não abandonaram os seus irmãos; pelo contrário, tiveram o cuidado de guardar o mandamento do Senhor, seu Deus. 4Agora o Senhor, seu Deus, já concedeu repouso aos irmãos de vocês, como lhes havia prometido. Voltem, pois, agora, e vão para as suas tendas, à terra que lhes pertence, que Moisés, servo do Senhor, deu a vocês do outro lado do Jordão. 5Mas tenham o maior cuidado em guardar o mandamento e a lei que Moisés, servo do Senhor, lhes ordenou: que vocês amem o Senhor, seu Deus, andem em todos os seus caminhos, guardem os seus mandamentos, sejam fiéis a ele e o sirvam de todo o coração e de toda a alma.

6Assim, Josué os abençoou e os despediu. E eles foram para as suas tendas.

7Ora, Moisés tinha dado herança em Basã à meia tribo de Manassés; porém à outra metade da tribo Josué deu herança entre os seus irmãos, deste lado do Jordão, para o oeste. E Josué, ao despedi-los para as suas tendas, os abençoou 8e lhes disse:

— Voltem para as suas tendas com grandes riquezas, com muito gado, prata, ouro, bronze, ferro e muitas roupas. Repartam com os seus irmãos o despojo que tomaram dos inimigos.

9Assim, os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés voltaram e se retiraram dos filhos de Israel em Siló, que está na terra de Canaã, para irem à terra de Gileade, à terra da sua propriedade, de que foram feitos possuidores, segundo o mandado do Senhor, por meio de Moisés.

O altar junto ao Jordão

10Quando chegaram à região próxima ao Jordão, na terra de Canaã, os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés edificaram um altar junto ao Jordão, altar grande e vistoso. 11Os filhos de Israel ouviram dizer:

— Eis que os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés edificaram um altar diante da terra de Canaã, perto do Jordão, do lado dos filhos de Israel.

12Quando os filhos de Israel ouviram isso, toda a congregação dos filhos de Israel se reuniu em Siló, para fazer guerra contra eles.

13E os filhos de Israel enviaram Fineias, filho do sacerdote Eleazar, aos filhos de Rúben, aos filhos de Gade e à meia tribo de Manassés. 14Com ele foram dez chefes, um de cada tribo de Israel, sendo cada um deles chefe da casa de seus pais entre os grupos de milhares de Israel. 15Eles se dirigiram à terra de Gileade, onde estavam os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés, e lhes falaram, dizendo:

16— Assim diz toda a congregação do Senhor: Que infidelidade é esta que vocês cometeram contra o Deus de Israel, deixando hoje de seguir o Senhor, edificando um altar para vocês, para se rebelarem contra o Senhor? 17Será que não nos bastou a iniquidade de Peor, de que até hoje ainda não nos purificamos, apesar de ter vindo uma praga sobre a congregação do Senhor, 18para que hoje vocês deixem de seguir o Senhor? Se hoje vocês se rebelam contra o Senhor, amanhã ele ficará irado com toda a congregação de Israel. 19Se a terra que vocês receberam por herança é impura, passem para a terra que pertence ao Senhor, onde está o tabernáculo do Senhor, e tomem posse entre nós. Porém não se rebelem contra o Senhor, nem se rebelem contra nós, edificando para vocês um altar que não é o altar do Senhor, nosso Deus. 20Não cometeu Acã, filho de Zera, infidelidade no que diz respeito às coisas condenadas? E não veio ira sobre toda a congregação de Israel? Pois aquele homem não morreu sozinho na sua iniquidade.

21Então os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés responderam aos cabeças dos grupos de milhares de Israel:

22— O Poderoso, Deus, o Senhor! O Poderoso, Deus, o Senhor, ele sabe, e Israel mesmo o saberá. Se foi em rebeldia ou por infidelidade contra o Senhor que fizemos isso, não nos poupem a vida no dia de hoje. 23Se edificamos um altar para deixarmos de seguir o Senhor, ou para, sobre ele, oferecermos holocausto e oferta de cereais, ou, sobre ele, fazermos oferta pacífica, que o Senhor mesmo nos responsabilize por isso. 24Pelo contrário, fizemos isso por causa da seguinte preocupação: amanhã talvez os filhos de vocês dirão aos nossos filhos: “O que é que vocês têm a ver com o Senhor, o Deus de Israel? 25Porque o Senhor pôs o Jordão por limite entre nós e vocês, ó filhos de Rúben e filhos de Gade. Vocês não têm nada a ver com o Senhor!” E, assim, bem poderiam os filhos de vocês afastar os nossos filhos do temor do Senhor. 26Por isso dissemos: “Vamos edificar um altar, não para holocausto, nem para sacrifício, 27mas para que entre nós e vocês e entre as nossas gerações depois de nós nos sirva de testemunho, e possamos servir o Senhor na presença dele com os nossos holocaustos, os nossos sacrifícios e as nossas ofertas pacíficas.” E também para que, no futuro, os filhos de vocês não digam aos nossos filhos: “Vocês não têm nada a ver com o Senhor.” 28Por isso dissemos: Se, no futuro, disserem algo assim a nós ou aos nossos descendentes, responderemos: “Vejam o modelo do altar do Senhor que os nossos pais fizeram, não para holocausto, nem para sacrifício, mas para testemunho entre nós e vocês.” 29Longe de nós a intenção de nos rebelarmos contra o Senhor e deixarmos hoje de seguir o Senhor, edificando um altar para holocausto, oferta de cereais ou sacrifício, altar que não é o altar do Senhor, nosso Deus, que está diante do seu tabernáculo.

30Quando o sacerdote Fineias, os chefes da congregação e os cabeças dos grupos de milhares de Israel que estavam com ele ouviram as palavras que disseram os filhos de Rúben, os filhos de Gade e os filhos de Manassés, deram-se por satisfeitos. 31E Fineias, filho do sacerdote Eleazar, disse aos filhos de Rúben, aos filhos de Gade e aos filhos de Manassés:

— Hoje sabemos que o Senhor está no meio de nós, porque vocês não cometeram infidelidade contra o Senhor. Assim vocês livraram os filhos de Israel da mão do Senhor.

32Fineias, filho do sacerdote Eleazar, e os chefes, deixando os filhos de Rúben e os filhos de Gade, voltaram da terra de Gileade para a terra de Canaã, aos filhos de Israel, e lhes deram relatório de tudo. 33Com esta resposta os filhos de Israel se deram por satisfeitos e bendisseram a Deus. E não falaram mais de ir e fazer guerra contra eles, para destruírem a terra em que habitavam os filhos de Rúben e os filhos de Gade. 34Os filhos de Rúben e os filhos de Gade chamaram o altar de “Testemunho”, porque disseram: “É um testemunho entre nós de que o Senhor é Deus.”

Josué 22NAAAbrir na Bíblia
Que Deus me pese numa balança justa

1“Fiz uma aliança

com os meus olhos:

de não olhar para uma virgem.

2Do contrário, qual seria

a minha porção

do Deus lá de cima,

e que herança receberia

do Todo-Poderoso

desde as alturas?

3Por acaso, não é a perdição

para o ímpio,

e a desgraça para os que praticam

a maldade?

4Será que Deus não vê

os meus caminhos

e não conta todos os meus passos?

5Se andei com falsidade

ou se o meu pé se apressou

para o engano

6— que Deus me pese

numa balança justa

e conhecerá a minha integridade!”

Nunca cobicei, nem adulterei

7“Se os meus passos se desviaram

do caminho,

se o meu coração

segue os meus olhos,

e se alguma mancha

se apegou às minhas mãos,

8então que outros comam

o que eu semeei,

e que seja arrancado

o que se produz no meu campo.

9Se o meu coração se deixou

seduzir por uma mulher,

se fiquei rondando

a porta do meu próximo,

10então que a minha mulher

moa os cereais

para outro homem,

e que outros se deitem com ela.

11Pois eu teria cometido

um crime hediondo,

um delito a ser punido pelos juízes.

12Isso seria fogo que consome

até a destruição

e arrancaria toda a minha colheita

pela raiz.”

Sempre fui justo e caridoso

13“Se não reconheci

o direito do meu servo

ou da minha serva

quando eles reclamavam

contra mim,

14então que faria eu

quando Deus se levantasse

no tribunal?

E, se ele me interrogasse,

que lhe responderia eu?

15Aquele que me formou

no ventre de minha mãe

não os fez também a eles?

Ou não é o mesmo Deus

que nos formou

no ventre materno?”

16“Se retive o que os pobres

desejavam

ou deixei que os olhos das viúvas

esperassem em vão;

17ou, se sozinho

comi o meu bocado,

sem reparti-lo com os órfãos

18— porque

desde a minha mocidade

eu os criei como se fosse

pai deles,

durante toda a minha vida

fui o guia das viúvas —;

19se vi alguém perecer

por falta de roupa

ou notava que o necessitado

não tinha com que se cobrir;

20se ele não me agradeceu

do fundo do coração,

quando se aquecia

com a lã dos meus cordeiros;

21se eu levantei a mão

contra o órfão,

sabendo que eu tinha

o apoio dos juízes,

22então que a omoplata caia

do meu ombro,

e que o meu braço

seja arrancado da articulação.

23Porque o castigo de Deus

seria para mim um assombro,

e eu não poderia enfrentar

a sua majestade.”

Nunca neguei a Deus

24“Se no ouro pus

a minha esperança

ou se eu disse ao ouro fino:

‘Você é a minha garantia’;

25se me alegrei por ser grande

a minha riqueza

e por ter a minha mão

alcançado muito;

26se olhei para o sol,

quando resplandecia,

ou para a lua, que caminhava

em seu esplendor,

27e o meu coração se deixou

seduzir em segredo,

e eu lhes atirei beijos com a mão,

28também isto seria um delito

a ser punido pelos juízes,

pois eu teria negado a Deus,

que está lá em cima.”

Nunca me alegrei com o mal

29“Se me alegrei com a desgraça

do que me odeia

e se exultei quando o mal o atingiu

30— eu que não deixei

a minha boca pecar,

rogando praga

para que morresse —;

31se as pessoas que moram

na minha tenda não disseram:

‘Quem nos dera encontrar

alguém que não se saciou

da carne provida por ele’

32— pois o estrangeiro

não pernoitava na rua;

as minhas portas estavam

sempre abertas

para os viajantes! —;

33se, como Adão, encobri

as minhas transgressões,

ocultando a minha iniquidade

em meu íntimo,

34porque eu tinha medo

da grande multidão,

e o desprezo das famílias

me apavorava,

fazendo com que eu me calasse

e não saísse da porta…”

Eis aqui a minha defesa

35“Quem dera que eu tivesse

quem me ouvisse!

Eis aqui a minha defesa assinada!

Que o Todo-Poderoso

me responda!

Que o meu adversário escreva

a sua acusação!

36Por certo que a levaria

sobre o meu ombro,

e a poria sobre mim

como se fosse uma coroa.

37Eu lhe mostraria

o número dos meus passos;

como príncipe

eu me aproximaria dele.”

38“Se a minha terra clamar

contra mim,

e se os seus sulcos

juntamente chorarem;

39se comi os seus frutos

sem pagar

ou se causei a morte

aos seus donos,

40que ela produza espinhos

em vez de trigo,

e joio em lugar de cevada.”

Fim das palavras de Jó.

Sociedade Bíblica do Brasilv.4.18.6
SIGA A SBB: