Sociedade Bíblica do Brasil
Sociedade Bíblica do Brasil

Plano de leitura da Bíblia – dia 31

Texto(s) da Bíblia

Jesus no monte das Oliveiras

39E, saindo, Jesus foi, como de costume, para o monte das Oliveiras; e os discípulos o acompanharam. 40Chegando ao lugar escolhido, Jesus lhes disse:

— Orem, para que vocês não caiam em tentação.

41Ele, por sua vez, se afastou um pouco, e, de joelhos, orava, 42dizendo:

— Pai, se queres, afasta de mim este cálice! Contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua.

43Então lhe apareceu um anjo do céu que o confortava. 44E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o suor dele se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra. 45Levantando-se da oração, Jesus foi até onde os discípulos estavam, e os encontrou dormindo de tristeza. 46E disse:

— Por que vocês estão dormindo? Levantem-se e orem, para que não caiam em tentação.

Jesus é preso

47Enquanto Jesus ainda falava, eis que chegou uma multidão. E um dos doze, que se chamava Judas, vinha à frente deles e se aproximou de Jesus para o beijar. 48Jesus, porém, lhe disse:

— Judas, com um beijo você trai o Filho do Homem?

49Os que estavam ao redor de Jesus, vendo o que estava por acontecer, perguntaram:

— Senhor, devemos atacar com as espadas?

50Um deles golpeou o servo do sumo sacerdote e cortou-lhe a orelha direita. 51Mas Jesus interveio, dizendo:

— Deixem! Basta!

E, tocando na orelha do homem, o curou. 52Então Jesus disse aos principais sacerdotes, capitães do templo e anciãos que vieram prendê-lo:

— Vocês vieram com espadas e porretes como para prender um salteador? 53Todos os dias, estando eu com vocês no templo, vocês não tentaram me prender. Esta, porém, é a hora de vocês e a hora do poder das trevas.

Pedro nega Jesus

54Então, prendendo Jesus, levaram-no e o introduziram na casa do sumo sacerdote. Pedro seguia de longe. 55Quando acenderam um fogo no meio do pátio e se assentaram juntos, Pedro tomou lugar entre eles. 56Uma empregada, vendo-o sentado perto do fogo, fixou os olhos nele e disse:

— Este também estava com ele.

57Mas Pedro negou, dizendo:

— Mulher, não o conheço.

58Pouco depois, outro homem, ao ver Pedro, disse:

— Você também é um deles.

Mas Pedro disse:

— Homem, eu não sou um deles.

59E, tendo passado cerca de uma hora, outro afirmou, dizendo:

— Com certeza este também estava com ele, porque também é galileu.

60Mas Pedro insistiu:

— Homem, não sei do que você está falando.

E logo, enquanto Pedro ainda falava, o galo cantou. 61Então, o Senhor voltou-se e fixou os olhos em Pedro. E Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe tinha dito: “Hoje, antes que o galo cante, você me negará três vezes.” 62E Pedro, saindo dali, chorou amargamente.

Os guardas zombam de Jesus

63Os homens que detinham Jesus zombavam dele, davam-lhe pancadas e, 64colocando uma venda sobre os olhos dele, diziam:

— Profetize! Quem foi que bateu em você?

65E muitas outras coisas diziam contra ele, blasfemando.

Jesus diante do Sinédrio

66Logo que amanheceu, reuniu-se a assembleia dos anciãos do povo, tanto os principais sacerdotes como os escribas, e o conduziram ao Sinédrio, onde lhe disseram:

67— Se você é o Cristo, diga-nos.

Então Jesus lhes respondeu:

— Se disser, vocês não vão acreditar. 68E, se eu perguntar, vocês não me darão resposta. 69Desde agora, o Filho do Homem estará sentado à direita do Deus Todo-Poderoso.

70Todos perguntaram:

— Então você é o Filho de Deus?

Jesus respondeu:

— Vocês dizem que eu sou.

71Eles disseram:

— Que necessidade ainda temos de testemunho? Porque nós mesmos ouvimos o que ele falou.

Lucas 22:39-71NAAAbrir na Bíblia

José na prisão interpreta dois sonhos

1Passadas estas coisas, aconteceu que o copeiro e o padeiro do rei do Egito ofenderam o seu senhor, o rei do Egito. 2O Faraó indignou-se contra os seus dois oficiais, o copeiro-chefe e o padeiro-chefe, 3e mandou prendê-los na casa do comandante da guarda, no cárcere onde José estava. 4O comandante da guarda os deixou aos cuidados de José, para que os servisse; e por algum tempo estiveram na prisão.

5E os dois sonharam, cada um o seu sonho, na mesma noite; cada sonho com o seu próprio significado, o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que se achavam encarcerados. 6Quando José chegou pela manhã, viu-os, e eis que estavam preocupados. 7Então perguntou aos oficiais de Faraó, que estavam com ele no cárcere da casa do seu senhor:

— Por que vocês estão com a cara triste hoje?

8Eles responderam:

— Tivemos um sonho, e não há quem o interprete.

José lhes disse:

— Não pertencem a Deus as interpretações? Contem-me o sonho que tiveram.

O sonho do copeiro-chefe

9Então o copeiro-chefe contou o seu sonho a José. Ele disse:

— Em meu sonho havia uma videira diante de mim. 10E na videira havia três ramos. Ao brotar a videira, havia flores, e seus cachos produziam uvas maduras. 11O copo de Faraó estava na minha mão. Peguei as uvas e as espremi no copo de Faraó, e o entreguei a Faraó.

12Então José disse:

— Esta é a interpretação do sonho: os três ramos são três dias. 13Dentro de três dias, Faraó vai reabilitar você e reintegrá-lo no seu cargo, e você lhe dará o copo na mão dele, segundo o costume antigo, quando era seu copeiro. 14Porém lembre-se de mim, quando tudo lhe correr bem. Peço que você seja bondoso para comigo e fale a meu respeito com Faraó, e me tire desta prisão; 15porque, de fato, fui roubado da terra dos hebreus; e aqui nada fiz, para que me pusessem nesta masmorra.

O sonho do padeiro-chefe

16Vendo o padeiro-chefe que a interpretação era boa, disse a José:

— Eu também sonhei, e eis que três cestos de pão branco estavam sobre a minha cabeça. 17No cesto mais alto havia todo tipo de comida que um padeiro faz para Faraó. E as aves comiam do cesto que estava sobre a minha cabeça.

18Então José disse:

— Esta é a interpretação do sonho: os três cestos são três dias. 19Dentro de três dias, Faraó vai mandar cortar a sua cabeça e pendurá-lo numa árvore, e as aves comerão a sua carne.

20No terceiro dia, que era aniversário de nascimento de Faraó, ele deu um banquete a todos os seus servos. E, no meio destes, reabilitou o copeiro-chefe e condenou o padeiro-chefe. 21Reintegrou o copeiro-chefe no seu cargo, no qual dava o copo na mão de Faraó, 22mas mandou enforcar o padeiro-chefe, como José havia interpretado. 23Porém o copeiro-chefe não se lembrou de José; esqueceu-se dele.

Gênesis 40NAAAbrir na Bíblia

Lamento e louvor

Ao mestre de canto. Salmo de Davi

1Em ti, Senhor, me refugio;

não seja eu jamais envergonhado;

livra-me por tua justiça.

2Inclina-me os ouvidos,

livra-me depressa;

sê o meu castelo forte,

cidadela fortíssima que me salve.

3Porque tu és a minha rocha

e a minha fortaleza;

por causa do teu nome,

tu me conduzirás e me guiarás.

4Tira-me do laço que,

às escondidas, me armaram,

pois tu és a minha fortaleza.

5Nas tuas mãos entrego

o meu espírito;

tu me remiste, Senhor,

Deus da verdade.

6Tu detestas

os que adoram ídolos vãos;

eu, porém, confio no Senhor.

7Eu me alegrarei

e regozijarei na tua bondade,

pois tens visto a minha aflição,

conheceste as angústias

de minha alma

8e não me entregaste

nas mãos do inimigo;

firmaste os meus pés

em lugar espaçoso.

9Compadece-te de mim, Senhor,

porque estou angustiado;

de tristeza se consomem

os meus olhos,

a minha alma e o meu corpo.

10Gasta-se a minha vida

na tristeza,

e os meus anos, em gemidos;

debilita-se a minha força,

por causa da minha iniquidade,

e os meus ossos se consomem.

11Tornei-me objeto de deboche

para todos os meus adversários,

de espanto para os meus vizinhos

e de horror

para os meus conhecidos;

os que me veem na rua

fogem de mim.

12Estou esquecido

no coração deles, como morto;

sou como vaso quebrado.

13Pois tenho ouvido

a murmuração de muitos,

terror por todos os lados;

conspirando contra mim,

tramam tirar-me a vida.

14Quanto a mim,

confio em ti, Senhor.

Eu disse: “Tu és o meu Deus.”

15Nas tuas mãos

estão os meus dias;

livra-me das mãos

dos meus inimigos

e dos meus perseguidores.

16Faze resplandecer o teu rosto

sobre o teu servo;

salva-me por tua misericórdia.

17Não seja eu envergonhado,

Senhor,

pois te invoquei;

envergonhados sejam

os perversos,

emudecidos na morte.

18Emudeçam os lábios mentirosos,

que falam insolentemente

contra o justo,

com arrogância e desdém.

19Como é grande a tua bondade,

que reservaste aos que te temem,

da qual usas,

diante dos filhos dos homens,

para com os que em ti se refugiam!

20No recôndito da tua presença,

tu os esconderás

das intrigas humanas,

num esconderijo os ocultarás

do conflito de línguas.

21Bendito seja o Senhor,

que engrandeceu

a sua misericórdia

para comigo, numa cidade sitiada!

22Eu disse na minha pressa:

“Estou excluído da tua presença.”

Mas tu ouviste

a voz das minhas súplicas,

quando clamei por teu socorro.

23Amem o Senhor, todos vocês

que são os seus santos.

O Senhor preserva os fiéis,

mas retribui com abundância

aos soberbos.

24Sejam fortes,

e que se revigore o coração

de todos vocês

que esperam no Senhor.

Salmos 31NAAAbrir na Bíblia
Sociedade Bíblica do Brasilv.4.19.1
SIGA A SBB: