Sociedade Bíblica do Brasil

Traduções da SBB

A SBB é dona dos direitos das mais apreciadas traduções da Bíblia: Almeida Revista e Atualizada, Almeida Revista e Corrigida e Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
“Feliz é a pessoa que acha a sabedoria e que consegue compreender as coisas”
(Provérbio 3.13)
Traducao_ARCMuito antes de ser ter criado o nome “Almeida Revista e Corrigida” e ainda antes da fundação da Sociedade Bíblica do Brasil (em 1948), o texto da tradução de Almeida já vinha sendo distribuído, no Brasil, por duas sociedades bíblicas: a Britânica e Estrangeira e a Americana.
    A tradução de Almeida, além de ter passado por um longo processo de revisão antes de ser publicada (em 1681; no caso, trata-se do Novo Testamento), já necessitava de imediata revisão, ao sair do prelo. Isto mostra que, revisar a tradução de Almeida, é algo que ocorre desde o início. Assim, em meados do século XVIII, ainda na ilha de Java, foi feita uma revisão do texto de toda a Bíblia. A segunda grande revisão, chamada de “revisão de Londres”, foi feita cem anos mais tarde, entre 1869 e 1875. Vinte anos depois, em 1894, ainda em Londres, o mesmo texto foi corrigido quanto à ortografia e alguns termos obsoletos foram substituídos. A edição de 1898, feita em Lisboa, viria a ser conhecida como Almeida Revista e Corrigida.
Seguindo o princípio de tradução por equivalência formal, a Revista e Corrigida é adotada por grande número de igrejas evangélicas em
países de fala portuguesa, especialmente no Brasil e em Portugal.
   Quando Almeida traduziu a Bíblia, no século XVII, o único texto grego disponível, para a tradução do Novo Testamento, era o assim chamado “texto recebido”, que é uma edição do texto grego feita no século XVI a partir de um número reduzido de manuscritos, copiados na parte final da Idade Média. A característica principal do “texto recebido” é a expansão do texto, em vários lugares do Novo Testamento (começando em Mt 2.18, seguindo com Mt 5.22, 6.13, etc.) A Almeida Revista e Corrigida, além de reproduzir o “texto recebido” (no caso do Novo Testamento), é a que mais se aproxima da forma da tradução de Almeida, feita no século XVII. Apesar da substituição de termos arcaicos, feita ao longo do tempo, o leitor não deveria ficar surpreso ao encontrar termos de difícil compreensão no texto da Revista e Corrigida.
No Brasil, o texto de Almeida Revista e Corrigida sofreu pequenos ajustes em 1995.